Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Rússia: retirada de Wagner.  Prigozhin se foi.  Blinken e Macron: rachaduras na liderança de Putin.  Pequim: Apoio direto a Moscou – Europa

Rússia: retirada de Wagner. Prigozhin se foi. Blinken e Macron: rachaduras na liderança de Putin. Pequim: Apoio direto a Moscou – Europa

“A crise na Rússia está expondo rachaduras no sistema de poder de Vladimir Putin.” Assim disse o secretário de Estado dos EUA, Anthony piscando. “No momento, não temos notícias da remoção de qualquer comandante militar por Putin”, acrescentou Blinken, alertando que “vamos esperar pelas próximas semanas para entender os desenvolvimentos”.

A rebelião do líder do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, mostrou “as divisões existentes no campo russo, a fragilidade das forças armadas e auxiliares”. Assim disse o presidente francês Emmanuel Macron, em entrevista ao La Provence, acrescentando que “acompanhou os acontecimentos de hora em hora, em contacto com os principais parceiros da França”. “A situação continua evoluindo”, concluiu, e nos pediu para “exercer extrema cautela”.

China Apoia a Rússia “na manutenção da estabilidade nacional”. Isso pode ser lido em um comunicado do Departamento de Estado em seu site sobre o caos que surgiu na Rússia com os eventos relacionados ao Grupo Wagner no fim de semana. “Este é um assunto interno da Rússia”, observa o comunicado. “A China, como um vizinho amigável e parceiro de cooperação estratégica global na nova era, apóia a Rússia na manutenção da estabilidade nacional e na conquista do desenvolvimento e da prosperidade.”

O líder bielorrusso Alexander Lukashenko, que mediou ontem com Prigozhin para impedir o avanço das forças de Wagner na Rússia, manteve hoje conversas telefônicas com o presidente russo Vladimir Putin e o ex-presidente cazaque Nursultan Nazarbayev. E foi escrito pela agência Belta, conforme relatado pela TASS.

“É o começo do fim para Putin, ele está em apuros agora.” Michael está convencido disso Kasyanov, um ex-primeiro-ministro russo sob Putin de 2000 a 2004, que desde então foi torpedeado como um dos principais críticos do czar. Em entrevista à BBC, Kasyanov afirma que após o desafio de ontem “Prigozhin irá primeiro para a Bielo-Rússia, mas acho que de lá ele se mudará para a África e estará em algum lugar na selva ou algo assim … Putin não pode perdoá-lo pelo que ele fez com isso”. O ex-primeiro-ministro russo observa que o chefe de Wagner “destruiu a estabilidade de Putin e sua vida agora é um ponto de interrogação…”

READ  2021 Prêmio Nobel de Medicina pela descoberta dos receptores de temperatura e toque - Corriere.it

“Há sempre um grande interesse dos Estados Unidos pelo governo italiano. Lembro-me das palavras de grande apreço de Blinken” durante a recente visita do presidente Farnesina a Washington. O próprio ministro das Relações Exteriores, Antonio, disse isso Tagani Durante a resposta “dentro de meia hora” a uma pergunta sobre as consultas de Joe Biden com alguns líderes europeus sobre a crise na Rússia, Georgia Meloni não estava entre eles. “Somos um grande país – acrescentou Tajani – se a Europa está firme na defesa da Ucrânia, isso também se deve ao governo italiano. O sistema europeu também é apoiado graças ao nosso país.”

Tiroteio no ar e aplausos da multidão como milicianos Grupo Wagner Eles deixam a cidade russa rufogão (vídeo) Depois que a marcha dos rebeldes em direção a Moscou ocorreu Parada a 200 km da capital russa Obrigado mediação Bielorrússia. Os combatentes se retiraram da área Voronezh Baseado em Lipetsk.

Menos de 24 horas após a intervenção de Minsk, o líder da milícia privada PrigozhinParecia ter desaparecido no ar. Segundo o New York Times, que cita fontes de inteligência, as autoridades norte-americanas foram Conheça por dias os planos do chefe Grupo de mercenários de Wagner.

Enquanto isso, o Instituto para o Estudo da Guerra (ISW) afirma que a rebelião de Prigozhin pode ter falhado, mas que o Kremlin agora enfrenta uma situação “extremamente instável”. Enquanto isso, em entrevista ao “Russia 1” gravada em 21 de junho e citada hoje pelo “TASS”, Presidente russo Vladimir Putin Ele diz que sua prioridade é cuidar da operação militar especial na Ucrânia. “É assim que começo meu dia e é assim que o termino”, disse o presidente russo.

READ  "Cuidado para não se tornar um fantoche de Putin" - Corriere.it

Zelensky em russo: Putin não está mais em Moscou, ele está se escondendo


Ontem, a mediação do presidente bielorrusso Lukashenko foi decisiva.

O Kremlin não irá atrás das milícias rebeldes E seu líder, Yevgeny Prigozhin, irá para a Bielorrússia. Lançando diretamente seu desafio ao presidente russo, o comandante da milícia anuncia que está recuando “para evitar um banho de sangue russo”. Na manhã de ontem, o presidente russo, Vladimir Putin, definiu a ação dos milicianos como “uma facada nas costas desferida por traidores”.

Rússia, Prigozhin: vamos voltar para que nenhum sangue seja derramado


| Onde está Prigozhin?
Enquanto isso, menos de 24 horas depois de cair a 200 km de Moscou, Yevgeny Prigozhin parece ter desaparecido no ar.Ou pelo menos fique quieto. E o líder da milícia Wagner havia concordado ontem em deixar a Rússia e ir, por enquanto, para a Bielo-Rússia, com seus homens, em um acordo intermediado por Minsk. No entanto, seu paradeiro no momento não é claro. As informações mais recentes até ontem à noite, com um vídeo de Prigozhin deixando a sede do distrito militar de Rostov-on-Don após concordar em se mudar para a Bielo-Rússia. Sob o acordo, as acusações criminais contra Prigozhin serão retiradas, mas ainda há muitas dúvidas sobre os detalhes. Quanto aos combatentes de Wagner, Peskov, um porta-voz do Kremlin, disse que eles não enfrentariam ações legais por participar da marcha para Moscou, dizendo que o Kremlin “sempre respeitou seus feitos heróicos” nas linhas de frente na Ucrânia. Mas, de acordo com especialistas, assim como com o acordo, muitas questões permanecem sobre o destino dos milicianos após seu levante de curta duração.

comandante checheno Ramzan Kadyrov Ele confirmou que unidades SS foram enviadas por suas ordens para Rostov ontem e estavam prontas para intervir contra as forças de Wagner, mas então “graças a Deus, a situação terminou sem confronto”. Kadyrov disse ontem que está pronto para ajudar o presidente russo, Vladimir Putin, a “esmagar” a rebelião do chefe de Wagner, Yevgeny Prigozhin. A rádio e televisão chechena Grozny disse que 3.000 forças especiais chechenas foram enviadas para “zonas de tensão”.

Novos alertas e ataques na Ucrânia
Na frente de guerra, uma explosão foi ouvida na região de Zaporozhye, conforme relatado pela emissora ucraniana Suspilny coberta pelo Ukrainska Pravda, depois que um alerta de ataque aéreo atingiu a cidade e arredores. A Força Aérea exortou a população local a permanecer em abrigos devido ao uso de armas balísticas dos territórios ocupados. Até a agência russa TASS deu notícias da explosão, citando o ucraniano Obshchestvennoye, explicando que “as sirenes estão soando atualmente nas áreas controladas por Kiev na região de Zaporozhye”. Além disso, durante a noite, bombas russas atingiram nove aldeias na região de Sumy e a cidade de Nikopol na região de Dnipropetrovsk, matando pelo menos uma pessoa.