Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Itália-Angola: Presidente Lourenço está em Roma para alargar cooperação fora do sector energético

Itália-Angola: Presidente Lourenço está em Roma para alargar cooperação fora do sector energético

poderFortalecer relações bilaterais E investimentosmas também cooperação cultural E universidade. Estas são as principais questões que estão no centro das conversações conduzidas pelo Presidente de Angola, João Lourenço, que iniciou hoje a sua visita oficial de dois dias a Roma. Hoje foi um dia cheio de encontros para o líder angolano, que teve a primeira conversa com o Presidente da República. Sérgio MattarellaEm seguida, com o primeiro-ministro, Geórgia Meloni, depois com os presidentes do Senado e da Câmara, respectivamente Ignazio La Rosa e Lorenzo Fontana, enquanto amanhã participa no Fórum Económico Ítalo-Angola, organizado pela Confindustria Assafrica & Mediterraneo em colaboração com a Agência Angolana de Promoção de Investimentos e Exportações (Aipex ). O fórum contará ainda com a presença, entre outros, do Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação Internacional, Anthony Tajanie o Ministro da Empresa e Made in Italy, Adolfo Orso.

Uma forte parceria entre Roma e Luanda, também confirmada por Mattarella, que indicou a necessidade de reforçar a cooperação com o país africano também por parte da União Europeia. O nosso Presidente disse que Angola “é o campeão da paz e da estabilidade no continente africano”, sublinhando como a Itália partilha o desejo de paz de Luanda, uma vontade comum que afirma a “grande amizade e grande cooperação” já existente e que pode ser mais aprofundada, “sobretudo no campo econômico”. Mattarella falou do “intercâmbio amplo, que cresceu muito no último ano” de perfis energéticos mas “queremos também alargá-lo a outros setores, das renováveis ​​às infraestruturas, da madeira à agricultura”. Não é mais apenas agricultura e energia, então, mas o desejo comum de expandir as áreas de cooperação também para outros setores econômicos. O conteúdo do encontro de Lourenço com Meloni, que fontes do governo italiano qualificam de “positivo”, é semelhante. No cerne das negociações, escreveu o Palazzo Chigi em nota, está o fortalecimento das relações econômicas e comerciais, principalmente nas áreas de energia, agroindústria e transformação ambiental. A reunião também proporcionou uma oportunidade para discutir grandes crises regionais, com foco particular no Sudão e na região dos Grandes Lagos. Além disso, a importância de assegurar estabilidade e prosperidade no continente africano foi “amplamente partilhada” com o objetivo de construir uma “parceria igualitária e mutuamente benéfica”.

Lourenço disse que Angola está interessada nos investimentos privados italianos e pretende reforçar a presença das suas empresas no mercado italiano, na sequência do que foi recentemente anunciado pelo seu ministro das Relações Exteriores, Titi Antonio, que antes da sua partida para Roma manifestou vontade de diversificar. Cooperação com a Itália. “Empresas como a italiana Eni fazem parte da memória colectiva, mas também queremos alargar a cooperação a muitos sectores aos quais a Itália pode responder”, disse o ministro ao Jornal de Angola. Com Mattarella, Lourenço referiu assim “um grande potencial a explorar” também no sector cultural e universitário e não perdeu a oportunidade de manifestar o apoio de Luanda à candidatura de Roma como sede da Expo 2030. “A Itália pode contar com Angola”. O chefe de Estado angolano renovou ainda a condenação da invasão russa da Ucrânia e não esqueceu o conflito no Sudão, sublinhando como Angola pretende ser um pilar de estabilidade no continente africano e um parceiro de confiança para os seus investidores. Fortalecimento da mediação regional no conflito na vizinha República Democrática do Congo.

READ  Apólice de seguro automóvel, todo o seu dinheiro de volta: Corra, corra e faça, é uma oportunidade única

No Fórum Empresarial Itália-Angola de amanhã, em que vão participar empresários dos dois países para avaliar oportunidades de investimento, o governo angolano pretende apresentar aos italianos a imagem de um país empenhado em reformar a sua economia e promover uma mudança de paradigma a nível internacional. Cooperação, área em que a Itália tem sido um bom interlocutor para Luanda desde que, a 18 de Fevereiro de 1976, foi o primeiro país ocidental a reconhecer a sua independência. Por ocasião do fórum e conforme antecipa o jornal “Jornal de Angola”, prevê-se a celebração de acordos nos sectores das finanças, transportes e educação e entre as academias diplomáticas, enquanto será reservado um momento à Eni e à Sonangol para analisar alguns instrumentos jurídicos relacionados com a sua cooperação. Enquanto isso, as duas empresas assinaram hoje um Memorando de Entendimento para expandir ainda mais as áreas de colaboração por meio de estudos na cadeia de valor do agronegócio e outros setores de descarbonização, incluindo minerais para transição energética e inovação de ecossistemas. O acordo foi assinado pelo Director Geral da Eni, Claudio Descalzi, e pelo Presidente da Sonangol, Sebastião Bai Querido Gaspar Martins, na presença do Presidente Lourenço e do Primeiro-Ministro Meloni. De acordo com o memorando, a Eni e a Sonangol vão identificar e avaliar em conjunto oportunidades na transição energética, incluindo cadeias agroindustriais para produção de combustíveis com baixas emissões de carbono, valorização da biomassa residual e amoníaco verde para aplicações agroindustriais. . Além disso, as duas empresas avaliarão oportunidades no setor do agronegócio, com estudos para potencializar sinergias entre as cadeias produtivas agrícolas nacionais e a bioenergia, com destaque para sementes, otimização biotecnológica, mecanização, fertilizantes e logística.

A visita presidencial de Lourenço – já marcada para Janeiro de 2020 mas adiada devido à pandemia de Covid-19 – decorre a convite de Mattarella, que visitou Angola em Fevereiro de 2019. Por ocasião dessa visita, as duas partes assinaram um Memorando de Entendimento assinado em Luanda entre o Ministério das Finanças de Angola e a Cassa Depositi e Prestiti (Cdp). Roma e Luanda estabeleceram relações diplomáticas e cooperativas em 4 de junho de 1976 – a Itália foi o primeiro país ocidental a reconhecer a recém-proclamada República de Angola – e em 3 de agosto de 1977, os dois governos assinaram um acordo de cooperação técnica, que ainda hoje é válido . Proveniente do apoio político que o nosso país deu aos movimentos de independência durante o processo de descolonização, a Itália estabeleceu fortes relações com Angola ao longo do tempo. De grande importância é o papel desempenhado pelos muitos pequenos empresários italianos no país, mas também pela cooperação italiana, universidades, voluntários e ONGs, cujo apoio ao desenvolvimento nunca falhou, nem mesmo durante os anos da guerra civil, que terminou em 2002.

READ  Editorial Roberto Napolitano, a outra palavra da Itália, Europa e Itália, dá um passo à frente

Angola está entre os maiores parceiros comerciais da Itália na África subsaariana e em 2021 o comércio bilateral totalizou cerca de 400 milhões de euros com um saldo positivo para a Itália de 160 milhões de euros. De janeiro a outubro de 2022, as exportações cresceram cerca de 10% em relação ao mesmo período de 2021, enquanto as importações atingiram a cifra de 1,3 bilhão de euros (fonte: InfoMercatiEsteri). Este aumento significativo face ao ano anterior deve-se ao preço do petróleo bruto nos mercados internacionais, principal produto exportado por Angola e que contribui com cerca de 30 por cento para a composição do produto interno bruto do país. Acresce que, segundo o portal angolano “Merex”, as importações em 2022 de Angola para Itália ascenderam a 344,4 milhões de dólares, tendo as exportações no mesmo período ultrapassado os 1,6 mil milhões de dólares. O produto ‘Made in Italy’ vendido em Angola é mais importante do que se pode inferir dos níveis de exportação. De facto, Portugal, Brasil, África do Sul e países do Golfo usam amplamente e com rentabilidade a ferramenta de triangulação comercial, comprando os nossos produtos em Itália e vendendo-os em Angola a um preço mais elevado, sem qualquer processamento adicional, graças a marcas bem estabelecidas de startups italianas . Os principais interesses económicos da Itália em Angola estão ligados ao sector do petróleo e gás, mas também à cadeia do agronegócio, que as autoridades angolanas consideram prioritária para fins de diversificação económica, uma vez que reforça a presença da maquinaria e tecnologia italiana.

Angola e Itália também partilham interesses no sector petrolífero, com a Eni a desempenhar um papel importante na economia nacional angolana. Com sede em San Donato Milanese, Angola, a empresa existe desde 1980 e opera atualmente nos blocos 06/15, Cabinda Norte, Cabinda Centro, 1/14 e 28, além de deter participações não executadas nos blocos 0 (Cabinda), 3/05, 3/05A, 14, 14 K/A-IMI e 15. Em março de 2022 a Eni assinou um acordo com a britânica BP para criar uma joint venture denominada Azule Energy, que combina as atividades das duas empresas em Angola. As actividades de exploração e produção da Eni em Angola estão concentradas em áreas offshore convencionais e profundas para uma área total desenvolvida e não desenvolvida de 33.429 quilómetros quadrados (10.810 líquidos para a Eni). O principal ativo no país é o Bloco 15/06 (operado pela Eni que detém uma participação de 36,84 por cento), localizado em águas profundas angolanas, com os seus projetos West Hub e East Hub, ambos em produção desde 2014 e 2017 respetivamente. As actividades de exploração e produção da Eni em Angola estão sujeitas a contratos de concessão e acordos de partilha de produção. A Eni também detém uma participação de 13,6 por cento no consórcio Angola Lng (Alng) que opera uma fábrica de liquefação no Soyo com capacidade de processamento de aproximadamente 10 bilhões de metros cúbicos de gás de alimentação por ano (feed gas) e liquefação de 5,2 milhões de toneladas por ano de gás natural liquefeito (GNL).

READ  Os preços dos combustíveis dispararam? Economizamos o imposto do carro, o truque está aí

Leia também outras notícias sobre Nova News
Siga-nos nos canais de mídia social da Nova News em Facebook
E TwitterE linkedinE Instagram, cabo