Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

História comovente – Blog: notas sobre globalização

História comovente – Blog: notas sobre globalização

As migrações humanas remontam ao início da história, quandohomem são Ele se empurrou para fora de sua África nativa para conquistar todos os cantos da terra. Migração que ocorreu a pé, que gradualmente criou assentamentos e subtraiu espaço do mundo animal. Nos impérios do passado ocorreram migrações, voluntárias ou forçadas, que resultaram de conquistas territoriais e reforçaram um modelo agrícola, económico e cultural. As migrações também por razões climáticas, por exemplo em combinação com períodos glaciais, marcaram o fim de estados que pareciam eternos, como o Império Romano. Movimentos massivos de povos através dos mares se desenvolveram, como a expansão massiva dos povos polinésios no Pacífico ou, a partir do século XV, o movimento dos europeus ao longo das rotas de colonização nascente. Havia imigrantes religiosos, como os puritanos na América do Norte e os holandeses na África do Sul; conquistar novas riquezas e terras agrícolas, arrancando-as dos povos indígenas, como na América do Sul; Ou para superar ressentimentos ancestrais, cujas raízes remontam à Idade Média, como aconteceu na Grande Onda que, desde meados do século XIX, esvaziou inteiras regiões empobrecidas da Irlanda, Espanha, Portugal e Itália.

Durante o século XX, os movimentos migratórios mudaram de direção: da direção norte-sul eles se movem para a direção sul-norte. Dos continentes que receberam imigrantes europeus (África, sul da América Central e partes da Ásia), os imigrantes começam a partir para os países do Norte, que estão enriquecendo, mas entraram em estagnação demográfica. O envelhecimento da população criou milhões de empregos: a economia desses países exige jovens trabalhadores dispostos a trabalhar na indústria e na agricultura, e também em serviços pessoais. Essa continua sendo uma das grandes contradições dos fluxos migratórios contemporâneos: eles são vitais para o desempenho econômico dos países mais desenvolvidos, mas seu papel não é reconhecido. Pelo contrário, às vezes surgem contradições jurídicas, discriminação e exploração política.

READ  Os preços dos combustíveis dispararam? Economizamos o imposto do carro, o truque está aí

Na longa história da imigração, a novidade absoluta que surgiu recentemente foi o uso dos imigrantes como arma de chantagem ou como ferramenta para desestabilizar outros países. E foi a Turquia que inaugurou esta etapa, “ganhando renda” com o acolhimento de refugiados sírios em seu território, para obter fundos europeus e garantir sua própria imunidade à mudança autoritária que está ocorrendo no país. O México também está passando por uma situação semelhante. De terra de imigrantes, passou a ser um país de trânsito para refugiados centro-americanos que desejavam entrar nos Estados Unidos: isso lhe proporcionou uma nova ferramenta para obter benefícios de Washington. Agora é a vez da Bielo-Rússia, que está jogando uma onda de choque para milhares de migrantes na fronteira com a Polônia, para acabar com as sanções contra o regime de Minsk impostas pela União Europeia. Ele está seguindo a sequência de vitórias da Turquia. De certa forma, até a Líbia nas mãos de gangues armadas mantém a Itália sob chantagem, coletando ajuda generosa. Marrocos está a negociar com a Espanha para garantir os redutos espanhóis de Ceuta e Melilha, que foram atacados por jovens que pretendiam entrar na Europa.

Essa combinação explosiva de autoritarismo e desespero coloca os países-alvo em uma situação perigosa. Porque civis não podem ser fuzilados, a opinião pública tolera a existência de campos de concentração e que as pessoas sejam deixadas no frio no inverno, mas apenas longe de suas fronteiras. Como a fronteira agora é apenas um acordo, no final ela é negociada. É um facto triste e intransponível, com base no qual há, por um lado, o fracasso de países dos quais apenas se quer escapar e, por outro, a hipocrisia de países que acreditam num mundo com ilhas do bem. A existência é possível … rodeada por um mar de desespero. Um mundo que se assemelha cada vez mais aos bairros fechados da América Latina só para ricos, onde você vive fingindo que tudo funciona e que você está seguro, mas apenas porque na fronteira há arame farpado e guardas armados para defender a calma.

READ  Portugal Bonds 4,125% 2027 a partir de hoje também no EuroTLX e Mot