Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Covid, Hope: “Mudando as regras do toque de recolher? A ciência nos guiará”

Roma – Quer mudar as regras do toque de recolher? “Se as condições fossem certas, eu seria o mais feliz de todos Dar um passo à frente porque nosso objetivo é voltar à vida antes do surto do Coronavírus. Mas isso pode ser feito quando as condições forem adequadasCautelosamente, com cautela, do contrário corremos o risco de dar alguns passos para trás. A evidência científica é o que também nos guiará nas seguintes opções. ”O Ministro da Saúde afirma isso, Roberto Speranza, uma Domingo em No Raiuno.

Você precisa de confiança e cautela, não de sacrifícios inúteis

Nos próximos dias “Duas coisas são necessárias: confiança e prudência, e evitar ajuntamentos porque o vírus ainda está se espalhando e é um inimigo muito astuto. Devemos evitar recuar e anular os sacrifícios das últimas semanas.” isso falando sobre o fato de que a partir de segunda-feira, dia 26, quase toda a Itália estará de volta na cor amarela.

“Há duas palavras que devem nos guiar nos próximos dias – explica ele – em termos de confiança, porque os procedimentos adotados estão dando certo e vamos conseguir dobrar aos poucos a curva da infecção, e por outro lado temos a vacinação campanha que está ocorrendo rapidamente e cada vez mais rapidamente. Temos que ter cuidado e avaliar a imagem dia a dia. É verdade que estamos melhores do que há algumas semanas, mas ainda temos muitos feridos, muitos deles em UTI e muitos mortos. Podemos tolerar algumas coisas porque a campanha de vacinação está se acelerando. “
O ministro conclui:A partir de amanhã, precisamos de uma posição dupla: Aguardamos com confiança as próximas semanas porque poderemos oferecer algo que antes não suportávamos, mas necessitamos da máxima cautela e, acima de tudo, respeitar as regras básicas. ”

READ  “Armed with Science”, da Senadora Elena Cattaneo

As vacinas protegem contra a maioria das diferenças

Sim, as vacinas protegem contra a grande maioria das variantes, e existem estudos em andamento sobre algumas variantes, Os insights ainda não nos dão certeza absoluta, mas outras vacinas estão em estudo
“Estou convencido de que o homem vai vencer no final – acrescenta o ministro – mas ainda precisamos trabalhar, administrar e aos poucos, sem dar passos muito longos que possamos lamentar depois disso”.

Um green card pode ser um incentivo para vacinação

O corredor verde “também pode atuar como incentivo à polinização”.

Os médicos não são exceção, mas a linha de governança é clara

Os médicos não são um fax? “Eles são exceções, são eles que têm atitudes erradas. Mas o governo escolheu uma linha muito clara: se você quiser continuar a ser médico onde estão os mais vulneráveis, você tem que se vacinar”.

Tenho 42 anos, tenho mais de 60 anos e vou esperar a minha transição para ser vacinado

“Tenho 42 anos e nós somos Nós nos demos uma regra que eu afirmo fortemente: Isto é, começando com as pessoas mais velhas devido ao maior número de mortes, 60 por cento das pessoas com mais de 80 anos e 95 por cento das pessoas que perderam a vida têm mais de 60 anos. Portanto, a principal prioridade para todos nós é vacinar todas as pessoas com mais de 60 anos, porque é Quando vacinarmos todas essas pessoas, teremos uma taxa de mortalidade mais baixa e menos unidades de terapia intensiva e leitos no distrito médico. Depois de um momento de vitória neste desafio, acredito que haverá condições de se abrir para todos os outros grupos de gerações. Estou feliz por poder ser vacinado o mais rápido possível. ”
“A prioridade neste momento são as pessoas que podem perder a vida se encontrarem o vírus. Por isso estou preocupado”, conclui Speranza. Espero que esse dia chegue logo para mim tambémMas é justo neste ponto que aqueles que correm o risco de perder suas vidas sejam vacinados primeiro. Aos 42, ainda podemos esperar alguns dias. “

READ  Covid: Di Maio, é preciso acreditar na ciência e continuar com a vacinação