Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A crescente nacionalização de empresas na Europa

Originalmente publicado na European Data Journalism Network

Historicamente, o termo “nacionalização” tem sido visto com profunda suspeita pela maioria dos países europeus. Este sonho proibido da esquerda é considerado o pior pesadelo da direita europeia. Para os esquerdistas, o estado deve fornecer serviços básicos como eletricidade, transporte e água, e participar de setores estratégicos como bancos ou aviação.

Por outro lado, a direita traça essas estratégias como uma linha de conduta do regime comunista, que defende a autorregulação do mercado livre. Um exemplo dessa eterna polêmica apareceu na Espanha em janeiro de 2021, quando uma onda de frio atingiu o país em conjunto com o aumento mais significativo da conta de luz.

Recentemente, as empresas públicas ressurgiram entre os estados membros da União Europeia. A crise econômica de 2008 encerrou décadas de privatização e liberalização, e a pandemia confirmou essa mudança. Não hesitarei em usar todos os meios disponíveis para proteger as empresas francesas mais importantes. Faremos isso por meio da recapitalização, aquisições de ações e também posso usar o termo “nacionalização”, se necessário, disse o ministro da Economia e Finanças da França, Bruno Le Maire, em março de 2020.

A Hungria e a Polônia têm fortalecido suas estruturas comerciais gerais há anos para ganhar autonomia e enfraquecer a propriedade estrangeira. Mas países como a Alemanha e a França mudaram recentemente de curso, adotando uma abordagem mais radical.

Apesar da percepção usual alemã de intervenção estatal em empresas privadas como uma violação da doutrina do mercado livre, o governo de Merkel socorreu a companhia aérea Lufthansa em maio passado com uma comissão de 9 bilhões de euros por 20% de suas ações. As coisas estão mudando e o interesse pelas empresas públicas continua a crescer em toda a Europa.

A Grande Depressão de 1929 e a Segunda Guerra Mundial levaram muitos governos a assumir um papel mais ativo na esfera econômica. As empresas públicas têm se interessado em novos mercados estratégicos para corrigir quaisquer contramedidas e perseguir o interesse público. Além de telecomunicações, serviços postais, companhias aéreas ou ferrovias – teoricamente mais eficientes com recursos naturais ou monopólios – os governos estão começando a se concentrar em novos setores, como a manufatura. Um exemplo deste novo investimento é Empresa espanhola de carros de turismo (SEAT), fundada pelo Instituto Nacional da Indústria da Espanha em 1950 e privatizada em 1986.

A popularidade da empresa pública no final dos anos 1960 era tão forte que nenhum político pensou em privatizá-la. No entanto, algo mudou com o advento de Margaret Thatcher. Como primeiro-ministro britânico, liderando o país de 1979 a 1990, Thatcher revolucionou a economia britânica sob controle estatal até os anos 1980. Seu sucesso inspirou o resto da Europa a adotar políticas liberais. O modelo de privatização e desregulamentação de Thatcher coincidiu com o colapso da União Soviética em 1991. Esse foi o fim da prosperidade da comunidade em geral.

Dos anos 1980 ao início dos anos 2000, a privatização caracterizou o contexto econômico europeu, encarando a propriedade estatal como um obstáculo à plena eficiência dos mercados. Países como Áustria, Dinamarca, Holanda, Espanha e Suécia desenvolveram seus próprios planos de reestruturação de órgãos públicos. No entanto, somente a partir de 1993 os planos mais ambiciosos foram implementados por meio da União Econômica e Monetária, que foi introduzida logo após a ratificação do Tratado de Maastricht em 1992.

O desinvestimento de instituições públicas da UE gera o equivalente a 7,1% do PIB que os estados membros produziram entre 1993 e 2002. O Tratado de Maastricht também reflete o acordo alcançado entre estados e governos para manter seu déficit abaixo de 3% do PIB como um pré-requisito para integração com a União Europeia. Essa emergência foi o primeiro passo para justificar a onda iminente de privatizações em massa.

No entanto, como aconteceu imediatamente após a Segunda Guerra Mundial, quando a nacionalização se tornou a norma, as privatizações também chegaram ao fundo do poço devido à crise econômica de 2008. O colapso da economia europeia deu ao Estado um papel central em várias circunstâncias. A decisão da China de investir em empresas estatais forneceu um novo paradigma. Embora a participação do mercado público tenha diminuído na China nas últimas quatro décadas, o “capitalismo de estado” estabelecido por Xi Jinping indicou que 67 das 69 empresas chinesas, entre as 500 maiores empresas do mundo em 2014, eram estatais. O equilíbrio estava desequilibrado e a Europa não estava competindo em pé de igualdade.

Nos últimos quinze anos, por meio de nacionalizações como no caso do Banco Comercial Alemão em 2009 ou da Bankia da Espanha em 2012, empresas públicas têm participado na Europa, embora ainda haja muito a fazer por alguns partidos políticos, como a esquerda espanhola. O partido Unidas Podemos, que afirma ter fundado uma empresa pública de energia e um banco estadual. Fora da conjuntura política, a rede empresarial espanhola é uma das mais débeis da União Europeia. A falta de discussão sobre esta questão em outros países da UE se deve ao fato de que já existem empresas públicas fortes.

Apenas um mês depois de cortar os impostos dos estados membros para mitigar os danos da pandemia, em abril de 2020, a Comissão Europeia alterou o quadro de auxílios estatais temporários para facilitar a intervenção estatal. O anúncio abriu um precedente que ia contra a disciplina financeira normal em Bruxelas, apoiada na defesa do mercado livre e na intervenção econômica não governamental. No entanto, alguns países europeus já estavam considerando nacionalizar algumas empresas simbólicas.

Desde então, os governos europeus reservaram uma grande quantidade de dinheiro para manter seus negócios à tona, principalmente por meio de incentivos fiscais, subsídios, empréstimos e, após a recente aprovação da Comissão Europeia, compras de ações. Além disso, não é de se estranhar que muitas empresas deixem de fazer o reembolso do valor pago, recorrendo à troca ou perda de dívida por ações. Por enquanto, o quadro temporário de assistência governamental vai até dezembro de 2021.

Se os bancos foram as primeiras empresas a serem nacionalizadas durante a última crise econômica de 2008, hoje cabe às companhias aéreas. A Comissão Europeia já aprovou assistência pública em troca de uma contribuição para a Alemanha, com € 9 bilhões gastos para a Lufthansa e € 1,25 bilhão para a TUI; na Finlândia, com 286 milhões para a Finnair; na Letônia, com 250 milhões para a airBaltic; na Dinamarca e na Suécia, com um bilhão de euros entre eles para SAS. A Itália quase recapitalizou a Alitalia, mas acabou optando por criar uma nova companhia aérea alternativa, a ETA.

Enquanto isso, a França ainda não nacionalizou nenhuma empresa e sua estratégia até agora tem sido injetar € 5 bilhões na Renault e € 7 bilhões na Air France. O ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, declarou no início deste ano que “o pior ainda está por vir” e reconheceu que “2021 terá mais fracassos do que 2020”.

Essas estratégias são uma faca de dois gumes. Por um lado, podem reforçar o papel das empresas públicas nas economias da Europa, mas, por outro lado, podem também dividir o mercado único europeu existente em dois. A propriedade estatal ainda está longe de ser consistente em todos os estados membros, e a recorrência da reversão pública alemã em empresas privadas de países como a Espanha não é uma realidade. Pelo contrário: dos auxílios públicos aprovados pela Comissão em Junho do ano passado, 51% foram para a Alemanha e 4,8 para Espanha. Não foi em vão que Nadia Calvino, a ministra da Economia da Espanha, tentou evitar a todo custo a luz verde de Bruxelas para nacionalizar empresas, um termo particularmente polêmico para Madrid.

As más experiências da Espanha nas décadas de 1960 e 1980, quando o governo teve de socorrer várias empresas públicas que estavam à beira da falência, permaneceram no imaginário político espanhol. Na década de 1990, as perdas econômicas com esses resgates dificultaram a entrada da Espanha na União Econômica e Monetária.

Nenhum estado membro poderia ter um déficit público superior a 3% do PIB, mas o déficit espanhol era de cerca de 4%. Para resolver isso, Madrid implementou privatizações em grande escala de empresas públicas, liberalizando mais de 120 empresas desde 1985, a fim de estar no fundo da Europa quando se trata da proporção de funcionários em empresas públicas, que é apenas zero, 8 % do emprego nacional total, o peso económico das empresas públicas é de 4,43% do PIB.

Estas deficiências são mais evidentes no setor da energia: em 2014, as empresas estatais que participam na capacidade total de geração de energia da Espanha representavam 5%, à frente de apenas Portugal. O número era de 22% na Itália, 30% na Alemanha e 70% na França. Além disso, em toda a União Europeia, cada Estado-Membro tem pelo menos uma instituição pública, principalmente no domínio da geração e transmissão governamental, regional ou regional de eletricidade, com exceção de Espanha e Portugal.

Pelo contrário, a França detém a maior parte das ações da Areva (88,41%), líder mundial em energia nuclear, e da EDF (84,94%), a maior produtora e distribuidora de eletricidade da Europa. Este também é o caso da Itália, que detém 69,17% da Enel Green Power, maior produtora mundial de energia renovável.

O debate sobre a gestão das empresas públicas ainda tem um longo caminho a percorrer na União Europeia, mas a sua própria existência já o prova. Se todos olharem para a situação em tempos de crise como a Covid-19, o oposto não deve acontecer em tempos de prosperidade, especialmente quando há uma preocupação crescente com a segurança nacional e a independência em setores vitais, como energia.