Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Uma discussão complexa sobre a lei da eutanásia em Portugal

Uma discussão complexa sobre a lei da eutanásia em Portugal

Em dezembro, Parlamento português tem clara maioria aprovado A eutanásia pela terceira vez é inocente e, em algumas circunstâncias, suicídio assistido. Mas uma terceira vez a lei foi bloqueada: Os dois primeiros Em 2021, alguns meses depois, por decisão do presidente português Marcelo Rebelo de Sousa, católico e conservador de centro-direita; Devido à intervenção do grupo de extrema direita Sega alguns dias atrás.

Portugal é uma república semi-presidencialista. Embora a constituição não confira ao chefe de Estado todos os poderes previstos por outros sistemas semipresidenciais mais robustos, como o francês, o presidente português tem poderes sobre uma série de assuntos, como segurança nacional e política externa. Ele então tem o direito de rejeitar as leis por meio do seu veto (no entanto, isso pode ser anulado por maioria absoluta dos membros do parlamento) ou pedir a opinião do Tribunal Constitucional sobre uma determinada lei.

O atual presidente, Marcelo Rebelo de Sousa, foi eleito pela primeira vez em 2016 e depois confirmado em 2021. Ele é considerado um conservador moderado e católico. No início dos seus dois mandatos, em vez de fazer a primeira viagem ao estrangeiro para Espanha, como é tradição, de Sousa escolheu o Vaticano.

Em janeiro de 2021, o Parlamento português aprovou um projeto de lei sobre eutanásia e suicídio assistido. 136 votos a favor, 78 votos contra e 4 abstenções. Cinco projetos de lei nasceram da fusão. Há um ano, foi posteriormente fundido em um único arranjo.

Afirma que a eutanásia é permitida em determinadas circunstâncias, e que adultos em situações de extrema angústia podem cometer suicídio por eutanásia e assistência médica, “com lesões definidas e muito graves por consenso científico, ou doença incurável e terminal. Este procedimento pode ser realizado ” em estabelecimentos de saúde do Serviço Nacional de Saúde ou em estabelecimentos particulares e comunitários devidamente aprovados, clarificando ainda a norma que pode decorrer em estabelecimentos” e sob supervisão de, pelo menos, dois médicos.

READ  A luz verde para a conta e o superfone Drake: "Este é um governo lindo"

Embora o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa tenha declarado que respeitaria o voto parlamentar, decidiu exercer um dos seus poderes após a aprovação da lei. E enviou uma carta ao presidente do Tribunal Constitucional pedindo a sua opinião sobre alguns artigos do texto, por entender que foram utilizados conceitos excessivamente indeterminados na definição das condições de impunidade para a morte medicamente assistida.

Em março, o tribunal, com o voto de sete dos doze juízes, chegou a confirmar as suspeitas do presidente, que decidiu vetar o texto e devolvê-lo ao parlamento.

Em novembro de 2021, o Projeto de Lei sobre Eutanásia e Suicídio Assistido, com alterações mínimas para acolher argumentos judiciais, aprovado A segunda vez foi de 138 votos a favor, 84 votos contra e 5 abstenções. Para entrar em vigor, novamente, faltou apenas a assinatura do presidente, embora ele tenha optado por vetá-la liminarmente, assegurando que “nenhuma posição religiosa, ética, moral, filosófica ou política pessoal pesou em sua decisão”. Pelo contrário, disse, a linguagem utilizada para descrever as condições terminais necessárias para aceder à prática era, para ele, ainda vaga e contraditória.

Eleições gerais antecipadas devem ser realizadas dentro de alguns dias, e o parlamento não tem tempo para anular um veto presidencial com maioria de votos ou para emendar e aprovar um novo projeto de lei. A eleição foi vencida pelo esquerdista Partido Socialista Português, liderado pelo primeiro-ministro cessante, Antonio Costa, que conquistou assentos suficientes para formar um governo de maioria.

Em dezembro, um projeto de lei sobre eutanásia e suicídio assistido foi aprovado pela terceira vez com votos de deputados de esquerda e alguns da oposição. Desta vez, foi o partido governista SEGA que bloqueou, de acordo com as regras parlamentares, um dia antes do presidente se pronunciar em um discurso. reclamou Sobre a formulação final do texto elaborado pela Comissão de Assuntos Constitucionais: Segundo o partido, três alterações foram feitas em função do que foi decidido no Parlamento. verdadeiramente, Por uma formalidadeA ratificação da lei voltou a ser bloqueada e será necessário aguardar a sessão parlamentar marcada para 4 de janeiro para analisar a denúncia.

READ  Milan, um pedestre de 83 anos, morreu após ser atropelado por um carro ao cruzar as linhas em Lambrate

As pesquisas de opinião sobre a legalização da morte assistida em Portugal mostram que a maioria dos portugueses, quase 60%, é a favor. A Igreja se opõe veementemente a essa prática. Após a terceira aprovação da lei, a Conferência Episcopal Portuguesa definiu a legalização da eutanásia como uma “grave ameaça à humanidade”.