Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ucrânia Rússia notícias sobre a guerra hoje |  Kiev: 21 drones russos e dois mísseis foram destruídos durante a noite

Ucrânia Rússia notícias sobre a guerra hoje | Kiev: 21 drones russos e dois mísseis foram destruídos durante a noite

• Stoltenberg: “Preparem-se para mais combates na Ucrânia.”
• A esposa do chefe do 007 ucraniano e outros membros dos serviços de inteligência foram expostos a envenenamento por metais pesados.

07h28 – Kiev: 21 drones russos e dois mísseis foram destruídos durante a noite

Kiev anunciou que destruiu “todos” os 21 drones do Al-Shahed e “dois dos três mísseis” disparados pelas forças russas durante a noite. Ele devolve Pravda Ucraniano. A Força Aérea Ucraniana explicou no Telegram que “o principal alvo do ataque foi a região de Khmelnytskyi, no sul do país”.

06h50 – Moscou: 4 locais ucranianos foram atingidos por mísseis Kalibr lançados do Mar Negro

O Ministério da Defesa russo disse hoje, citando a TASS, que uma fragata da Frota Russa do Mar Negro disparou quatro mísseis de cruzeiro Kalibr contra instalações das Forças Armadas Ucranianas. O ministério disse: “Durante uma missão no Mar Negro, a tripulação da fragata recebeu um objetivo urgente de atingir a infraestrutura militar inimiga com mísseis de cruzeiro Kalibr no menor tempo possível”, explicando que o lançamento do míssil “foi bem-sucedido” e os alvos especificados foram atingidos.

06h05 – Moscou: Um drone ucraniano foi abatido na região de Podolsk

Os sistemas de defesa aérea russos abateram um drone ucraniano na área urbana de Podolsk, na região de Moscou. “Em 29 de novembro, às 7h30, horário de Moscou (5h30, horário italiano), uma tentativa do regime de Kiev de realizar um ataque terrorista usando um drone foi frustrada”, informou na quarta-feira a assessoria de imprensa do Ministério da Defesa russo. As forças de defesa aérea em serviço destruíram o drone ucraniano no território do distrito urbano de Podolsk, na região de Moscou.

READ  Ajuda muito forte contra empresas francesas

05h57 – «Ex-fuzileiro naval dos EUA detido em Moscovo espancado na prisão»

A família do ex-fuzileiro naval dos EUA Paul Whelan, preso na Rússia sob a acusação de espionagem, disse que seu colega de cela foi atacado, acrescentando temer que o homem fosse um alvo devido à sua nacionalidade. O homem de 53 anos está atrás das grades desde 2018, cumprindo uma pena de 16 anos de prisão que o governo dos EUA considera injustificada. O seu irmão David Whelan disse que na tarde de terça-feira foi “atingido na cara” por um novo prisioneiro que lhe partiu os óculos, explicando que o incidente ocorreu numa oficina de vestuário na colónia penal de Mordóvia, no centro da Rússia. Um membro da família acrescentou que os guardas não entram nesta parte da prisão e que outros presos eventualmente vieram em auxílio de Whelan. Ele acrescentou: “Paul é o alvo porque é americano, e o sentimento antiamericano não é incomum entre outros prisioneiros”. Um porta-voz do Departamento de Estado disse que a Embaixada dos EUA em Moscou, que esteve em contato com Whelan por telefone, soube que o ex-fuzileiro naval estava recebendo tratamento médico após o incidente e instou o governo russo a mantê-lo seguro e retornar para exigir a libertação de Whelan. . O ex-fuzileiro naval trabalhava na segurança de uma empresa de peças de veículos dos EUA quando foi preso em Moscou em 2018 e sempre afirmou que as provas contra ele eram falsas.

02h49 – A Rússia não participará da Expo 2025 em Osaka

A Rússia anunciou a sua retirada da Expo 2025 em Osaka. A decisão foi comunicada pelo representante de Moscovo durante a Assembleia Geral do Bureau International des Expositions (Bie) em Paris, explicando que o seu país decidiu abster-se de participar “devido à comunicação insuficiente com o comité organizador”, sem fornecer mais detalhes sobre o motivo da retirada. Na semana passada, o governo japonês mencionou a possibilidade de a Rússia não participar da exposição caso não haja mudanças na situação atual com a guerra na Ucrânia. A ministra responsável pela exposição, Hanako Jimmi, disse à mídia local que o curso atual dos acontecimentos entra em conflito com o tema da próxima exposição: “Projetando uma sociedade futura para nossas vidas”. O anúncio de Moscovo surge na sequência das decisões do México e da Estónia de não participarem no evento em 2025 por razões económicas.

READ  Os tanques em Kyiv e na Rússia sentem o ataque e citam Khrushchev: "Vamos enterrá-lo" - Corriere.it

02h00 – Alerta de Kiev: Dois submarinos de mísseis russos estão no Mar Negro

As Forças Armadas ucranianas afirmaram numa mensagem na aplicação Telegram que dois submarinos russos capazes de lançar mísseis de cruzeiro Kalibr continuam em serviço ativo no Mar Negro. A mídia ucraniana relata que as más condições climáticas causadas por um furacão de inverno forçaram Moscou a retirar alguns de seus meios navais nos últimos dias. Os militares ucranianos afirmam que o nível de ameaça de mísseis na região continua “alto”.

00:31 – Fontes americanas: Putin não aceitará a paz antes das eleições americanas

O presidente russo, Vladimir Putin, não fará a paz na Ucrânia antes de conhecer os resultados das eleições norte-americanas de 2024. Foi o que disse um alto funcionário do Departamento de Estado dos EUA em referência aos temores de que uma possível vitória do ex-presidente Donald Trump minaria a crise de apoio ocidental. Para a Rússia. Kyiv. Trump, o candidato mais provável para ganhar a nomeação presidencial republicana, criticou duramente o apoio dos EUA a Kiev. O alto funcionário disse numa conferência de imprensa após uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO em Bruxelas que a aliança reiterou o seu apoio à Ucrânia, sabendo que um acordo de paz no próximo ano é improvável. “Espero que Putin não alcance a paz ou uma grande paz antes de vermos os resultados das nossas eleições”, disse o responsável, que falou sob condição de anonimato. Quando questionado se expressavam uma opinião pessoal ou a opinião do governo dos EUA, o responsável respondeu que era uma “premissa amplamente partilhada”.