Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ucrânia, Biden: invasão russa em breve | Moscou: Sem garantias, teremos que responder










Biden: “A Rússia está se preparando para atos falsos”

“Temos motivos para acreditar”, enfatizou o presidente dos EUA, que a Rússia está se preparando para uma operação de “pseudociência” na Ucrânia. Enquanto o secretário de Estado dos EUA, Blinken, acredita que Moscou “poderia inventar ataques terroristas, lançar ataques de drones contra civis, atacar com armas químicas e revelar valas comuns falsas”. Biden entrevistou o primeiro-ministro Draghi. Os dois líderes afirmaram seu “compromisso com a soberania e integridade territorial da Ucrânia” e sua disposição de impor “custos econômicos exorbitantes se a Rússia invadir”.

Tensão em Donbass, jardim de infância bombardeado

Enquanto isso, a tensão aumentou em Donbass, no leste da Ucrânia, ao longo da linha entre as forças de Kiev e os separatistas pró-Rússia: o comando militar ucraniano acusou os separatistas de disparar balas que atingiram um prédio de abrigo em Stanytsia Luhanska. E dois civis ficaram feridos e a eletricidade foi cortada em metade da cidade. Ele negou as alegações separatistas de que as forças ucranianas os atacaram primeiro.

União Europeia: “Violação dos Acordos de Minsk”

“O bombardeio de um abrigo em Stanytsia Luhanska por forças pró-Rússia é uma grande provocação”, escreveu o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky no Twitter, enquanto Boris Johnson chamou de “operação espúria e falsa destinada a desacreditar os ucranianos”. Forte condenação da União Europeia: “O ataque indiscriminado à infraestrutura civil é totalmente inaceitável e uma clara violação do cessar-fogo e dos acordos de Minsk”.

Pisca para a ONU: ‘Estou aqui para evitar a guerra’

No Conselho de Segurança das Nações Unidas em Nova York, o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, começou com uma referência implícita ao discurso de seu antecessor, Colin Powell, em 2003, quando o então secretário de Estado citou informações não confirmadas e falsas para justificar a invasão do Iraque pelos EUA: ” “Deixe-me ser claro. Estou aqui. Não para iniciar uma guerra, mas para evitar uma”, disse Blinken antes de esclarecer o que Washington acreditava que seria o método da Rússia para um ataque à Ucrânia “nos próximos dias”.

READ  “Agente Chauvin é culpado de assassinato” - Corriere.it

Estados Unidos: “Moscou pretende criar um pretexto para o ataque”

Blinken declarou que a Rússia pretende inventar uma desculpa, não sabemos exatamente qual será a forma. Pode ser um ataque terrorista inventado dentro da Rússia, a descoberta de uma vala comum, um ataque simulado de drone contra civis ou um ataque simulado ou mesmo real usando armas químicas”. ”, disse o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Vershinin.

Rússia invoca o genocídio de Donbas em documento da ONU

Enquanto o Wall Street Journal informou que Moscou apresentou um relatório às Nações Unidas acusando o exército ucraniano de cometer crimes contra os moradores da região leste de Donbass. Em particular, ele condena o “genocídio da população de língua russa do Donbass”.

Ultimato da Rússia: ‘Sem garantias fui forçado a responder’

A Rússia forneceu respostas por escrito às propostas dos EUA e da OTAN sobre segurança europeia, reclamando que “as linhas vermelhas e seus principais interesses de segurança estão sendo ignorados” de Moscou e insistiu na “retirada de todas as forças armadas e armas dos EUA estacionadas no país”. Ele ameaça o Sudeste da Europa e o Báltico afirma que “na ausência de vontade de concordar com garantias estritas e juridicamente vinculativas de nossa segurança dos Estados Unidos e seus aliados, a Rússia será forçada a responder, mesmo realizando medidas técnicas – militares medidas.” No entanto, sem especificar o tipo de medidas que são.

A essência da entrada da Ucrânia na OTAN

Ao mesmo tempo, Moscou disse estar pronta para discutir as restrições de implantação de mísseis e outras medidas de construção de confiança. Enquanto isso, Zelensky disse à BBC que a Otan era o único caminho para a Ucrânia: a adesão à Otan era uma “garantia de segurança” para o país, disse ele, descartando qualquer compromisso sobre o assunto. O secretário-geral Jens Stoltenberg respondeu à distância: “As portas da OTAN permanecem abertas e as decisões sobre a adesão são tomadas pela OTAN e pelos países que desejam aderir”. Esta é uma questão central, já que a entrada da Ucrânia na OTAN está entre as linhas vermelhas indicadas por Moscou.

READ  Já são mais de 40 mil fãs no Instagram- Corriere.it

A Itália está tentando mediar

A crise russo-ucraniana vê o governo italiano se tornando cada vez mais um campeão nas trocas diplomáticas. Primeiro, o ministro das Relações Exteriores Luigi Di Maio parou em Moscou, onde se encontrou com seu homólogo Sergei Lavrov, depois o presidente ucraniano pediu ao primeiro-ministro Draghi para mediar uma reunião com Putin e, finalmente, o líder russo convidou o presidente da República que recomendo a ir ao Kremlin. Em suma, a Itália joga em alto nível na rede diplomática internacional que se propõe a evitar a eclosão de conflitos.

Dragões trabalhando para fazer Zelensky e Putin se sentarem ao redor de uma mesa

Embora o pedido de Zelensky também tenha sido dirigido a “outros ao redor da mesa”, Draghi revela no final da reunião informal do Conselho Europeu em Bruxelas sobre a crise. “Obviamente não será fácil, mas o objetivo é fazer com que Zelensky e Putin se sentem ao redor de uma mesa”, alertou o primeiro-ministro. Enquanto se espera um confronto difícil entre os contendores, a máquina regulatória já foi acionada para permitir o encontro entre Draghi e Putin em Moscou “o mais rápido possível”.

Mas parece que o caminho do diálogo é árduo Os sinais de uma possível flexibilização do foco militar russo revelaram-se inconsistentes. “A situação é basicamente a mesma de alguns dias atrás”, disse Draghi em um comunicado à imprensa em Bruxelas. “Esses episódios que pareciam anunciar a desescalada não estão sendo levados a sério no momento. qualquer eventualidade.”