Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

saúde está certa

Três das leis que mudaram nosso país foram aprovadas no mesmo ano: 1978. Um ano muito especial. Basta lembrar alguns dos acontecimentos daqueles doze meses para perceber isso: em 16 de março na Via Fani de Roma, as Brigadas Vermelhas sequestraram o chefe dos democratas-cristãos Aldo Moro e mataram cinco homens de guarda, em 9 de maio Moro. Um corpo sem vida foi encontrado em Roma, enquanto em Senesi, na Sicília, Peppino Impastato foi morto pela máfia, em junho Giovanni Leone renunciou ao cargo de Presidente da República (Sandro Bertini seria eleito em 8 de julho) e em 6 de agosto o Papa Paulo VI morreu e em 28 de setembro o sucedeu, João Paulo I.

No meio destes acontecimentos altamente desestabilizadores, o Parlamento aprova por ampla maioria (e quase milagrosamente) as três leis a que nos referimos e que colocaram a Itália na vanguarda no domínio da saúde e da saúde: n. 180/78, mais conhecida como “Lei Pasaglia” que autorizava a extinção de hospitais psiquiátricos, Lei nº 194/78 que descriminalizou a interrupção voluntária da gravidez e a Lei nº n. Nº 833/78 que instituiu o Serviço Nacional de Saúde. Daquele momento em diante, nosso país não era mais o que era. Por trás da realização dessas três leis há sempre e de alguma forma o personagem de Giovanni Berlinger, “um médico e higienista por formação, um político por convicção e um humanista por natureza”, conforme definido no prefácio do volume coletivo que traça essa história (Saúde está certa. Giovanni Berlinger e as reformas de 1978Editado por Fabrizio Ruffo. Addis o futuro, 223 páginas, 15 euros).

É interessante traçar a história dessas três reformas com os autores do passado, uma que poucos se lembram agora. Como estava a Itália antes? Vamos parar nesses três fatos: sanatórios, aborto e saúde.

READ  "Um revés para a bandeira italiana detê-lo" - Corriere.it

Quanto à aparência dos sanatórios em meados do século XX, basta lembrar o que disse Franco Pasaglia quando, em 1961, entrou para o serviço no hospital psiquiátrico de Gorizia: “É um autêntico campo de concentração”. No momento da prisão, as pessoas perderam todos os seus direitos, foram despojados de sua identidade, todos os seus pertences pessoais e até mesmo suas roupas e substituídos por uniformes e tiveram seus cabelos raspados. Os pacientes frequentemente sofriam de violência: espancamentos, restrições, tortura. Até mesmo talheres foram proibidos para eles, argumentando que eles poderiam ser usados ​​para fazer mal a uma pessoa. E a categoria de “louco” era muito ampla, pois incluía alcoólatras, pacientes com epilepsia e síndrome de Down. Todos consideravam um perigo do qual a empresa teria que se defender sozinha.

A Lei Rocco, legislação aprovada pelo ministro da Justiça Alfredo Rocco em 1931 e que não foi alterada após o fim da guerra, abordou a questão da interrupção da gravidez. A lei, que respondeu ao desejo fascista de deter o declínio demográfico e ao conceito de maternidade como um serviço à nação, previa punições severas para a interrupção da gravidez e fortes circunstâncias atenuantes para crimes decorrentes da necessidade de preservação da dignidade. dignidade e honra familiar, incluindo infanticídio, abandono de crianças e aborto. Em 1930, a encíclica de Pio XI também desenvolveu uma ética sexual voltada para a defesa da vida do feto. No entanto, condenar o aborto não significa que não haja mais aborto. Ao contrário, os abortos clandestinos se multiplicaram com terríveis consequências para a saúde das mulheres.

Antes do Serviço Nacional de Saúde, a saúde dos cidadãos italianos era confiada ao sistema de seguro de saúde. Cada instituição de ajuda mútua preocupava-se com uma classe de trabalhadores e suas famílias. Sistema em que o direito à proteção à saúde é garantido não ao cidadão, mas ao trabalhador (homem), com a consequência de que quem não se enquadrasse nesta categoria estaria fora do sistema e não poderia obter tratamento a menos que estivesse cadastrado no as listas do município dos pobres com quem o estado lidava. Além disso, havia diferenças significativas entre o desempenho de diferentes fundos de seguro saúde. Ao mesmo tempo, a situação do hospital era gravemente deficiente, com um número de leitos bem abaixo do padrão exigido pela Organização Mundial de Saúde. No entanto, o artigo 32 da Constituição falava do direito à saúde como “um direito fundamental ao interesse individual e coletivo”. Palavras bonitas não correspondem à realidade.

READ  Considerada uma bebida popular, é na verdade um poderoso medicamento para a saúde que também ajuda na perda de peso

Mas entre o final dos anos sessenta e o início dos anos setenta, a empresa italiana muda-se. Franco Pasaglia em 1961 iniciou a sua experiência em Gorizia, depois em 1971 mudou-se para Trieste e nestes anos apresentou a ideia do encerramento de clínicas psiquiátricas, com o apoio do movimento de intelectuais e psiquiatras.

Nos mesmos anos começaram as lutas pela libertação do aborto, com o apoio de diferentes atores com nuances distintas: o movimento feminista, as radicais e, mais recentemente, o PCI, ainda que a Federação Italiana de Mulheres já tenha discutido essas questões para alguns. Tempo. Em 1971, uma decisão do Tribunal Constitucional derrubou a Seção 553 da Lei Rocco, que penalizava “qualquer pessoa que incitar publicamente práticas contra a procriação ou espalhar propaganda contra ela” e abre o caminho para mudanças.

Os limites da atenção à saúde já eram falados desde o final da década de 1950 e em 1958 o CGIL aprovou um documento que preconizava a criação de um sistema nacional de saúde. Mas no final dos anos setenta, o encontro entre o pensamento secular e socialista (do Partido Comunista individual e o pensamento socialista) e o da doutrina social da Igreja, que encontrou expressão política em uma parte da capital, permitiu o nascimento de o Serviço Nacional de Saúde. Uma revolução filosófica, pode-se dizer, vê “superar o estado de bem-estar para chegar ao estado de direito”. Proteger a saúde se torna um direito de todos os cidadãos de todas as idades, gêneros e riquezas. As bases da reforma foram a totalidade dos serviços, a universalidade dos beneficiários, a igualdade de tratamento e o respeito pela dignidade e liberdade da pessoa. O fundamento sobre o qual vale a pena refletir hoje é que o serviço está sob ataque em várias frentes.

READ  Não aos assistentes sociais e de saúde em vez de enfermeiras em lares de idosos ...

Em todos os lugares onde essas questões são discutidas e em conversas com os heróis dessas batalhas, encontramos Giovanni Berlinger. Berlinguer dedicou grande parte de seu trabalho tentando tornar efetivo o direito à saúde de todos. “A saúde – como lemos no livro – é um produto social, fruto da relação entre os indivíduos, o meio natural e o meio de viver e trabalhar”. O interesse e a prevenção da medicina do trabalho, seus trabalhos sobre a bioética cotidiana e os determinantes sociais da saúde vão ao encontro dos temas quentes daqueles anos. Eles foram comprovados na sua actividade como deputado, senador e finalmente no Parlamento Europeu onde assume a formulação de propostas e o estabelecimento de mediações. Suas intervenções, suas dúvidas e suas lutas sobre os três eixos das reformas emergem do livro e nos trazem de volta uma personalidade da qual não podemos deixar de lamentar. Mas, acima de tudo, reforçam a ideia de que mesmo em tempos difíceis e sombrios, as coisas podem mudar. Se a política está fazendo seu trabalho.