Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A terceira dose ataca a Organização Mundial da Saúde: “Assim a epidemia não acaba”

“Os programas com doses de reforço generalizadas têm mais probabilidade de prolongar a epidemia do que de acabar” com a propagação do vírus. Com essas palavras, o Diretor-Geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, confirma como as campanhas voltadas para a terceira dose da vacina Covid levaram a resultados contrários aos esperados. Muitos países administram a terceira dose. Alguns, como Israel, já estão considerando a quarta dose. No entanto, se as vacinas não chegarem, o vírus se espalha e pode sofrer mutação para produzir novas variantes, como o Omicron

“É importante lembrar que a grande maioria das hospitalizações e mortes são de pessoas não vacinadas, não pessoas sem reforço. E precisamos estar absolutamente claros que nossas vacinas ainda são eficazes contra as variantes delta e omicron” – a necessidade de distribuição de vacinas em locais que sofrem por falta das primeiras doses. “A prioridade global deve ser ajudar todos os países a alcançar a meta de vacina de 40% o mais rápido possível e a meta de 70% até meados do ano que vem”, explica.

Ele alerta que “nenhum país pode sair da epidemia com uma dose de reforço. Nem a terceira dose pode ser tomada como um lembrete para a continuidade das férias planejadas, sem a necessidade de outros cuidados”. Embora alguns países estejam lançando programas com vacinas de ‘reforço’ para toda a população, ‘apenas metade dos estados membros da OMS conseguiram cumprir a meta de vacinar 40% de sua população até o final do ano, devido aos desequilíbrios no cenário global fornecimento ‘de doses.

READ  Do Palio dei Colombi às aldeias das estrelas