Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Quem são os favoritos (e estrelas) em campo

França, Argentina, Inglaterra, Holanda, Espanha, Brasil, Portugal, Alemanha e Bélgica. Estes são os favoritos para a Copa do Mundo no Qatar. Com os Blues em busca de confirmação, enquanto a Argentina de salvação. Mas também há estrangeiros holandeses que não se qualificaram para a edição de 2018 e agora procuram novos sucessos.

Favorito

França

Os olhos do mundo inteiro estarão voltados para a França de Didier Deschamps. As expectativas para o detentor do título são muito altas. Depois da vitória na Rússia em 2018, não será fácil se firmar no Catar. Isso aconteceu em apenas duas das 21 Copas do Mundo anteriores: Itália (1934-1938) e Brasil (1958-1962). E a seleção francesa garantiu a classificação com um jogo a menos, esmagando impiedosamente seus adversários: Finlândia, Ucrânia, Bósnia e Cazaquistão nada puderam fazer contra os campeões mundiais.

(Leia foco com chamada aqui)

Argentina

Depois de perder finais para Alemanha (Copa do Mundo 2014) e Chile (Copa América 2016) e eliminação nas oitavas de final contra a França (Copa do Mundo 2018), a Argentina se tornou favorita entre as favoritas no Catar. Com a histórica vitória sobre o Brasil na Copa América de 2021, em um teatro excepcional como o Maracanã, a alviceleste voltou a erguer o troféu perdido em Buenos Aires há 32 anos. La Eselecion, que se classificou para a Copa do Mundo sem derrotas, chegou ao Mundial do Catar nas asas do Hamasah. A pergunta que todos se fazem é: será que Messi e seus companheiros conseguirão atender às expectativas de toda a população?

(Leia foco com chamada aqui)

Inglaterra

A Inglaterra, classificada no Grupo B junto com Irã, Estados Unidos e País de Gales, é uma das principais favoritas a finalmente vencer a Copa do Mundo de 2022 no Catar. Apesar de terem passado por um período complicado nos últimos meses, os homens de Southgate estão destinados a realizar essa façanha. Para fazer isso, eles terão que redescobrir o fervor de correr para a qualificação. E alguém já deixou as coisas claras. O lateral Declan Rice, do West Ham, apareceu nos Emirados Árabes com a sacola vazia: “Estamos levando o troféu para casa com isso.” A habitual arrogância inglesa.. Este é o momento certo?

READ  Pioli: "O Milan no ano passado foi o melhor, e este ano é uma temporada estranha para o Napoli, mas acredito no Scudetto." CDK... '| primeira página

(Leia foco com chamada aqui)

holandês

A Holanda, fora do luxo no Catar 2022, voltou da decepção da Copa do Mundo de 2018, para a qual não conseguiu se classificar. Com exceção dos pilares Van Gaal e Blind, é a seleção que não conta mais com nenhum dos jogadores que chegaram perto da final do Brasileirão em 2014. O caminho até o campeonato no principado foi emocionante: primeira vitória nas eliminatórias grupo (23 pontos à frente de Turquia e Noruega, 33 gols marcados e apenas 8 marcados) Em seguida, um na Liga das Nações (16 pontos à frente de Bélgica e Polônia, 14 gols marcados e apenas 6 sofridos).

(Leia foco com chamada aqui)

Espanha

O caminho para a classificação para a Copa do Mundo no Catar foi claro: 6 vitórias, um empate e uma derrota. É o 16º mundial da equipe de La Roja, que sempre esteve neste evento desde 1978. Se for uma vitória, significa que o grupo (4-3-3 – jogadores jovens) vencerá ao máximo. A partir do ano 2000 nasceram 8 jogadores, alguns dos quais já craques mundiais que nos farão esquecer as exclusões de Sergio Ramos, David De Gea, Thiago Alcântara e Oyarzabal (este último por lesão). Apenas uma vez a seleção nacional chegou às semifinais da Copa do Mundo: em 2010, que terminou em vitória. Um sucesso após 12 anos não satisfaz a nova geração quando entra pela primeira vez em uma grande vitrine. Luis Enrique a orientaria a jogar como se esperava: “Meu trabalho é coordenar a equipe para ter a mesma ideia no ataque e na defesa e trazer à tona suas virtudes para que possam atuar nos espaços curtos”. Ameaça no grupo: Ali está a Alemanha.

READ  Futebol de praia, Itália bate a França em uma reviravolta

(Leia foco com chamada aqui)

Brasil

Vinte e duas participações na Copa do Mundo. A Seleção é o time com maior público no evento e só joga para vencer. Para evitar as instalações de treinamento do Catar, o Brasil optou por se basear em Turim na semana anterior ao desembarque em Doha. Sessões duplas no Centro de Treinamento da Juventus e todo o conforto de um centro esportivo de primeira linha. O objetivo é levantar o Mundial e tudo deve correr bem, porque o grupo é uma grande mistura de jovens fortes (também no ataque) e jogadores com muita experiência (na defesa).

(Leia foco com chamada aqui)

Portugal

Há muita sofisticação, experiência e explosão no plantel da seleção portuguesa, que agora vai para o Mundial pela sexta vez consecutiva com duas grandes satisfações continentais: o Euro 2016 e a Liga das Nações 2019. Fernando Santos deixou Renato Sanchez, Mário Rui e Beto em casa. Muitos conhecidos e saídas do torneio na equipa: Rui Patricio, João Cancelo, João Mário, Bruno Fernandez, Cristiano Ronaldo, André Silva, Rafael Leão: para este último, o caminho estava aberto na ala esquerda devido à lesão de Diogo Jota. No grupo com Uruguai, Coreia do Sul e Gana, os portugueses lutam pelo primeiro lugar.

(Leia foco com chamada aqui)

Alemanha

onde nós estávamos? Na expedição à Rússia veio um decepcionante quarto lugar no Grupo F com Suécia, México e Coreia do Sul. Um verdadeiro choque para a seleção, que ficou entre as 32 do Catar, a mais participada (segunda depois do Brasil) com 19. Joachim Löw (2006-2021) abriu de Hans-Dieter Flick (que era seu assistente). Apresenta-se com uma roupagem nova e renovada, desprovido de Hummels, Gosens e daqueles que há muito desapareceram do radar do futebol moderno (Khedira). Aguarde para ver como Flick constrói seu meio-campo (4-3-3 ou 4-2-3-1) para aproveitar ao máximo um dos pontos fortes de sua equipe: o conjunto de jogadores que podem contribuir para o gol. Ameaça no grupo: Tem a Espanha.

READ  Tottenham Conte vence Everton: dois passes de Kolosevski

(Leia foco com chamada aqui)

Bélgica

A geração de ouro da Bélgica chega ao evento com a força do segundo lugar no ranking da FIFA e do terceiro lugar nas Copas do Mundo anteriores. No Brasil e nas duas edições anteriores dos Europeus, chegou sempre aos quartos-de-final, mas para Martínez esta pode ser a última oportunidade de explorar o potencial mágico que esta década lhe reserva. Já houve grandes perdas, Vincent Kompany se foi, nem mesmo Thomas Vermaelen, que ficará no banco como assistente técnico. As opções na defesa não são muito animadoras mas o ataque reserva sempre surpresas: De Bruyne, Hazard (cujo empenho será desperdiçado) e Lukaku.

(Leia foco com chamada aqui)

De fora

Catar

O país-sede, que está no Grupo A com Equador, Senegal e Holanda, praticamente construiu uma seleção do zero no deserto. Únicas estreantes nesta edição do Mundial, as anfitriãs não participaram nas eliminatórias, mas em termos de preparação ainda assim ficaram fora da tabela num grupo europeu, que juntava Luxemburgo, Azerbaijão, Irlanda, Sérvia e Portugal. Ao longo dos 12 anos desde a aproximação do torneio, a seleção do Catar participou como convidada de honra da Copa América 2019 e da Copa Ouro 2021, reservada para seleções da América do Norte, Central e Caribe. 2019 foi um ano histórico, pois os homens de Felix Sanchez elevaram a Copa da Ásia aos céus ao derrotar o Japão na final.

(Leia foco com chamada aqui)