Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Quarenta anos atrás, Sadat foi morto

Em 6 de outubro de 1981, isto é, há quarenta anos, o então presidente egípcio Mohamed Anwar Sadat foi morto enquanto participava de um desfile militar para comemorar o início da revolução. Guerra do Yom Kippur Contra Israel, ela lutou em 1973 e os israelenses venceram. O show foi transmitido ao vivo pela televisão: no Cairo foi um dia de festa, as ruas se encheram de gente e crianças, e Sadat apareceu no palco para homenagear as forças que participaram da marcha.

Segundos depois, três de seus soldados se separaram do grupo, correram em direção ao chefe e começaram a atirar nele com algumas metralhadoras. atirar por cerca de um minutoEm geral, confusão e confusão antes da intervenção dos guardas de Sadat, que mataram dois dos agressores.

Sadat foi levado de helicóptero para um hospital no Cairo. Ele morreu duas horas depois da hemorragia: tinha 62 anos.

Soldados egípcios ajudando os feridos na plataforma onde Sadat estava quando foi atacado (AP Photo, File)

Anwar al Sadat, noto come «herói da guerra e pazEle ocupou a presidência do Egito de 1970 a 1981, e Uma figura muito importante na história moderna do Egito e de todo o Oriente Médio.

Sadat nasceu em 25 de dezembro de 1918 na cidade do Baixo Egito. Aos vinte anos, ele se formou na Royal Military Academy e durante a Segunda Guerra Mundial foi preso duas vezes pelos britânicos por colaborar com os alemães (Sadat atacou os britânicos na esperança de acabar com seu controle colonial no Egito). Após a guerra, juntou-se ao grupo militar nacionalista “Oficiais Livres”. Em 1952, os revolucionários socialistas carismáticos, liderados por Muhammad Naguib e Gamal Abdel Nasser, derrubaram a monarquia. Najib tornou-se presidente e, dois anos depois, Nasser.

READ  GB, PM Boris Johnson na calçada: "O fim do mês não vai chegar"

Durante a presidência de Nasser, Sadat assumiu funções importantes: foi secretário da União Nacional Árabe, presidente da associação e duas vezes vice-presidente do estado. Quando Nasser morreu de ataque cardíaco em 1970, Sadat tomou seu lugar e lançou a chamada “Revolução Corretiva”, espelhando muito do trabalho de seu antecessor.

O Egito de Nasser tinha relações muito estreitas com a União Soviética e Nasser nacionalizou a maioria dos negócios, empresas, bancos e comunicações do país. Em vez disso, Sadat liberalizou a economia e se abriu para os países ocidentais, como os Estados Unidos, que então eram inimigos declarados da União Soviética. A ideia de Sadat era reviver o país, que é economicamente fraco e muito fraco, até “emocionalmente”, depois de perder as guerras que travou contra Israel. Incluindo Dos Seis Dias de 1967.

– Leia também: A guerra que mudou o Oriente Médio

No Egito, Sadat fez muitas outras coisas: por exemplo Fui Introduziu uma série de reformas com o objetivo de melhorar o status das mulheres com as chamadas “Leis de Cihan” (em homenagem a sua esposa), que garantiram às mulheres muitos direitos novos, incluindo a guarda dos filhos em caso de divórcio.

Mas a coisa pela qual ele era famoso, e o que o levou a ganhar o Prêmio Nobel da Paz e assassinato, foi Guerra do Yom Kippur de 1973quem era o “arquiteto”, escreveu Thomas Lippmann, analista do American Study Center Middle East Institute e repórter do Cairo para Washington Post durante a presidência de Sadat. Guerra do Yom Kippur Recebeu esse nome porque começou no Yom Kippur, um dos feriados mais solenes do calendário judaico. Um conflito muito importante porque teve graves consequências para o equilíbrio do Oriente Médio.

READ  Covid, a alternativa indiana deve nos assustar? O que sabemos hoje - Corriere.it

Tudo começou em 6 de outubro de 1973, quando o exército egípcio cruzou o Canal de Suez, junto com Hafez al-Assad da Síria (pai do atual presidente sírio Bashar al-Assad) e a coalizão de estados árabes que atacam Israel. O objetivo era recuperar as terras que Israel havia adquirido na Guerra dos Seis Dias de 1967: o Egito, em particular, queria retomar o controle da Península do Sinai.

Após os primeiros dias de pesadas perdas e sucessos militares do exército egípcio, que ajudaram a elevar o moral dos nacionalistas árabes, o exército israelense respondeu e repeliu os ataques. A guerra terminou quando um cessar-fogo foi alcançado, e então as negociações de paz começaram.

No final da guerra, Egito e Israel passaram a se falar diretamente, sem a presença dos americanos como intermediários: algo importante, porque o Egito, como todos os países árabes, não reconhecia a existência de Israel naquela época.

Em 1977, Sadat foi a Israel, no que é considerado uma visita histórica: ele se encontrou com o primeiro-ministro israelense Menachem Begin e foi convidado a falar no Knesset, o parlamento de Israel, para discutir como alcançar uma paz duradoura entre os dois países. No ano seguinte, Sadat e Begin juntos ganharam o Prêmio Nobel da Paz e, em 1979, assinaram acordos de paz em Camp David, nos Estados Unidos, na presença do então presidente americano Jimmy Carter. O Egito se tornou o primeiro país árabe a reconhecer a existência de Israel.

Reunião de Camp David entre Anwar Sadat, o primeiro-ministro israelense Menachem Begin e o presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter. (Foto AP, arquivo)

Os acordos de paz de 1979 normalizaram as relações entre Israel e Egito e, ao mesmo tempo, tiveram consequências terríveis no mundo árabe: outros países árabes acusaram Sadat de ser um traidor. Sadat, de fato, apresentou a Guerra do Yom Kippur como necessária, além da reocupação da Península do Sinai, para torná-la assim. ”Respeitando e restaurando os direitos do povo palestinoO acordo contrariava essa promessa, até por causa da posterior cooperação dos governos do Egito e de Israel no fortalecimento do bloqueio à Faixa de Gaza.Depois dos acordos, o Egito foi expulso da Liga Árabe.

READ  Afeganistão: ataque de drones dos EUA, membro do ISIS morto - Ásia

O assassinato de Sadat, ocorrido dois anos depois, foi planejado por um grupo de fundamentalistas islâmicos liderados pelo tenente-general Khaled al-Islambouli, então com 24 anos e condenado à morte. Esta não foi a primeira vez Quem tentou matar Sadat, mas outras tentativas falharam. Para o ataque, eles escolheram o Dia da Memória da Guerra do Yom Kippur.

Ayman al al ZawahiriDurante o julgamento pelo assassinato de Anwar Sadat (Getty Images)

Um dos atacantes, entrevistado anos depois por CNNE Ele disse que o assassinato de Sadat era parte de um plano maior para mudar radicalmente o Egito. Entre os presos e processados ​​pelo ataque estava Ayman al-Zawahiri, que se tornou o líder da Al Qaeda após o assassinato de Osama bin Laden.