Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Portugal já não é o país ideal para viver

Portugal já não é o país ideal para viver

Um protesto de professores sem precedentes está a ocorrer em Portugal. Depois de uma série de greves durante as férias de Natal, cerca de 20 mil professores saíram às ruas de Lisboa no dia 16 de janeiro – e prometeram continuar a fazê-lo – porque com os salários atuais não conseguem suportar as despesas necessárias para viver. São muitos os professores que estão desistindo do magistério na capital, devido aos custos altíssimos do aluguel de moradias e dos bens de consumo em geral, deixando efetivamente muitas salas de aula sem lecionar por longos períodos. Basta dizer que em alguns concelhos vizinhos muitos professores entram em greve a tempo parcial e as atividades escolares não decorrem na íntegra durante semanas ou meses, conforme relatou Pedro Xavier, do sindicato. Parar (União de Todos os Professores de Portugal). O resultado inevitável é procurar trabalho no sector privado – onde as escolas privadas garantem salários mais elevados aos professores – ou fugir para o estrangeiro. Do ponto de vista dos alunos e das suas famílias, as escolas privadas, para aqueles que as podem pagar, continuam a ser as mais populares, com maior pontualidade e continuidade de serviço do que as oferecidas por uma escola pública com dificuldades económicas.

As escolas não são o único setor afetado por esta dinâmica no país: a saúde, por exemplo, também atravessa uma fase semelhante, embora ainda não tenha atingido níveis tão radicais. o Serviço Nacional da Arábia Saudita É a referência para a satisfação das necessidades de assistência médica de cerca de 75% da população portuguesa, que geralmente pertence às classes médias baixas. Na sequência da alteração constitucional de 1989, ao abrigo da qual os cuidados de saúde foram transformados de “gratuitos” para “essencialmente gratuitos”, e da Lei da Saúde de 1990, que liberalizou organicamente o sector da saúde, abrindo a livre concorrência entre os sectores público e privado para o sector da saúde . No interesse da liberdade de escolha do utente, os portugueses que podem pagar preferem hoje contar com cuidados de saúde privados, o que, neste caso, também garante um serviço mais preciso e atempado do que o sector público. Também aqui o problema está na afectação de recursos e não estritamente na qualidade do pessoal (os serviços de saúde portugueses são também reconhecidos, em alguns casos, como qualitativamente melhores que os cuidados de saúde privados, como é o caso, por exemplo, do caso de atendimento oncológico). Com a escassez de recursos, especialmente de pessoal, o acesso aos cuidados de saúde públicos tornou-se cada vez mais complexo: os tempos de espera são muito longos e as instalações hospitalares são muitas vezes indisponíveis e de difícil acesso. Por estas razões, aqueles que podem pagar preferem – ou em alguns casos são forçados pelo próprio sistema – a depender de cuidados de saúde privados.

READ  Novos aumentos chegando para o diesel

No entanto, tudo isto está a acontecer não só no único país europeu liderado pelo socialismo, mas também num país conhecido pelo seu baixo custo de vida, que ainda é capaz de fornecer serviços de alta qualidade em conformidade com os padrões europeus; Em suma, naquele que o nosso imaginário coletivo considera um lugar ideal para viver. Talvez, se tomássemos como referência a sociedade portuguesa há apenas 10 ou 15 anos, o nosso imaginário colectivo, de um certo ponto de vista, não se desviaria tanto da realidade. E são precisamente as características acima mencionadas – baixos custos de vida e serviços de qualidade com âmbito internacional – que fizeram de Portugal, e de Lisboa em particular, um destino muito popular para reformados estrangeiros e “nómadas digitais”. Talvez as razões que levaram ao colapso da situação económica dos funcionários públicos portugueses – e dos professores em particular – possam ser encontradas precisamente neste fenómeno da boa migração.

O fenômeno que levou a essa aceleração repentina é justamente o dos CDs. “Nômades digitais”, que bolha No período Covid; Trata-se de trabalhadores provenientes de quase todas as partes do mundo, empregados ou colaboradores de grandes empresas digitais, que podem trabalhar a partir de qualquer lugar, desde que tenham um computador e uma boa ligação à Internet, gozem de condições económicas particularmente confortáveis ​​e que procurem para lugares onde as condições sociais A economia é particularmente útil. Seguindo uma dinâmica semelhante à dos “enxames de gafanhotos” (que vagueiam sozinhos ou em pequenos grupos em busca de locais com condições ideais e, uma vez encontrado um local, enxames inteiros migram para lá), muitos nómadas digitais estrangeiros mudaram-se para viver em Portugal. O resultado desse movimento foi a formação de verdadeiros bairros por direito próprio, habitados apenas por imigrantes abastados, com certo nível de cultura e abrangência internacional. Lisboa neste sentido é a cidade ideal: além de bons serviços, a cidade oferece escolas internacionais, especialmente procuradas pelos trabalhadores estrangeiros para os seus filhos, além de ser uma cidade culturalmente rica, com um clima ameno e um litoral maravilhoso. Em poucos anos, isto levou a um aumento descontrolado do custo de vida, especialmente na capital portuguesa. A procura de habitação e serviços de elevada qualidade aumentou significativamente e os preços seguiram consequentemente a mesma tendência, com a taxa de inflação a atingir os 7,2% em abril de 2022. Segundo um estudo da seguradora britânica CIA Landlords (maio de 2022), Lisboa é a terceira cidade mais cara para se viver. Na Europa: O salário médio é de 1.037€ por mês (cerca de 40% menos que o salário médio italiano), enquanto o custo médio do aluguel é de 1.625€ por mês, com um custo médio de vida de 561€ por pessoa.

READ  Mesmos carros com nomes diferentes em países diferentes: por que e alguns exemplos

É fácil compreender as consequências de tal quadro: as classes altas (empresários, latifundiários e empresas) enriquecem ou, em todo o caso, conseguem não minar a sua posição; As classes médias tornam-se pobres e as classes mais baixas (o seu número é muito grande em Portugal) emigram frequentemente. O salário mínimo – que também foi aumentado com a reforma de 2021 – em Portugal é de 705€. O salário mínimo dos professores é de cerca de 22.351 euros (em comparação com 26.114 euros em Itália). Segundo os dados disponíveis, Portugal oferece um salário médio anual de 30.533 euros. Este é um dos valores mais baixos da região da OCDE, perdendo apenas para o México, a Eslováquia, a Grécia e a Hungria, e está bem abaixo da média, pouco acima dos 53 000 euros.

Em suma, na península portuguesa, face aos aumentos significativos do custo de vida, a classe média vive uma crise. A história ensina-nos que grandes mudanças sociais, políticas e económicas ocorrem quando a classe média é mobilizada. Liderou protesto de professores Deixar (A União Independente de Professores e Professores), um sindicato fora do sistema tradicional de representação sindical e vários partidos políticos antissistema (de todos Shiga!(que tem lutado para ganhar uma posição no protesto devido às suas posições neoliberais abertas) está a tentar aproveitar a onda de protestos para provocar mudanças políticas. Assim, o protesto ainda não tomou um rumo político bem definido e não é fácil, neste momento, prever quais as consequências que uma situação tão complexa e problemática poderá acarretar.

O governo do Primeiro-Ministro António Costa, Secretário do Partido Socialista, está preocupado em garantir o equilíbrio orçamental e a regularidade das contas, segundo uma política dedicada aAusteridade e conter a dívida pública (oPortugal foi um dos países mais afectados pela Troika após a crise económica que começou em 2008, e parece que ainda está a pagar as consequências a nível político interno) e não parece estar preparado para abordar a questão de uma forma sistemática e forma organizada. A lógica de aumento dos gastos públicos (basta pensar que o governo comemorou a notícia de 30 de janeiro de 2023, segundo a qual a dívida pública ficou abaixo das expectativas como uma grande conquista).

READ  Energia, a hipótese tranquila para as famílias sobre os custos da mudança verde - Corriere.it

Quando o mercado “gira”, a reação coletiva costuma ser positiva. Mesmo em Lisboa, em primeiro lugar, bolha O número de expatriados foi visto com bons olhos (exceto por aqueles que gostavam dos bairros “decadentes” da cidade, que agora estavam em grande parte totalmente modernizados). Mas acontece que as consequências deste crescimento económico não são positivas para todos – ou melhor, para alguns.

O caso português levanta questões importantes e dissipa alguns mitos sobre os modelos de desenvolvimento económico que muitas vezes esperamos para as nossas cidades, especialmente nas zonas que mais sofrem com dificuldades económicas. O crescimento económico resultante da heterogeneidade, especialmente se estiver divorciado do contexto socioeconómico da região, corre o risco de se tornar uma faca de dois gumes, o que requer muita cautela. Temos a certeza de que em Itália, apesar de todas as diferenças envolvidas, não enfrentamos riscos semelhantes? De Portugal chega um alerta que não deve ser subestimado.