Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Mosteiro das Cavernas em Kyiv A frente da nova guerra – Europa

Quaisquer que sejam as esperanças de uma solução negociada por enquanto, a Ucrânia precisa estar preparada para “escalar”. O alarme foi dado pelo chanceler alemão, Olaf Scholz, em um dia em que o conflito também está afetando o terreno religioso, em um dos locais mais sagrados de Kyiv: o histórico mosteiro de Caves, que agentes de inteligência e segurança vasculharam em busca de alegações. Espiões ou elementos subversivos. O Kremlin está reclamando de um verdadeiro “ato de guerra” contra a Igreja Ortodoxa Russa. Segundo Schultz, a escalada assustadora pode ser resultado da reação de Moscou diante de “falhas claras e crescentes” no terreno. Enquanto nas regiões orientais do Donbass a frente parece quase estática, os ucranianos relatam confrontos intensos ao sul de Mykolaiv, a oeste da Crimeia, enquanto as forças de Kyiv tentam reocupar três cidades para expulsar completamente as forças russas da área. Enquanto os russos anunciaram à noite que dois drones foram abatidos na Crimeia em uma tentativa de atacar Sebastopol, onde está baseada a Frota Russa do Mar Negro. Mais a leste, na província de Zaporizhia, as autoridades ucranianas locais dizem que uma pessoa morreu e outras duas ficaram feridas após um ataque russo a pessoas que faziam fila para comprar pão em uma escola em Orekyev. “Um ataque direto a um ponto de distribuição de ajuda humanitária matou uma assistente social e feriu mais duas mulheres”, escreveu o chefe do departamento militar regional, Oleksandr Starukh, no Telegram. Enquanto em Kherson, onde os russos haviam se retirado recentemente, a Defesa Civil informou que três pessoas morreram em um novo bombardeio das forças de Moscou. Por sua vez, os russos denunciaram o assassinato de uma mulher no bombardeio ucraniano da cidade russa de Shepkino. Mas o medo dos ucranianos, que pode estar ligado ao alarme lançado por Schultz, é uma segunda tentativa de invasão de Kyiv, depois da tentativa frustrada no início da operação militar russa. Os ânimos também estão exaltados devido às buscas realizadas pelo serviço secreto ucraniano, o SBU, no Mosteiro das Cavernas. A operação foi organizada “no âmbito de neutralizar as atividades subversivas dos serviços especiais russos na Ucrânia”, explica a agência Ukrinform. Um ato de “intimidação”, definido pela Igreja Ortodoxa Russa, à qual o ucraniano tradicional permanece fiel. Isso – e em Moscou – se opõe à igreja cismática do país, que reivindica o controle de parte do mosteiro. E a mídia russa indicou que a pesquisa foi inspirada por um hino em homenagem à Rússia que foi cantado pelos fiéis dentro do mosteiro. Permanecendo no campo religioso, o Papa Francisco reiterou sua condenação ao que chamou de “uma guerra sacrílega”, afirmando que “só no diálogo fraterno se pode preparar o terreno para a paz”. Entretanto, a presidente da Comissão da União Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou que foram desembolsados ​​mais 2,5 mil milhões de euros à Ucrânia, estando previstos 18 mil milhões de euros para 2023 para uma “reconstrução bem-sucedida”. O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky agradeceu, chamando-a de “uma forte contribuição para estabilizar a Ucrânia na véspera de um inverno difícil”. De fato, emocionante. Josep Borrell, representante de política externa da União Européia, alertou que “outro ataque como o que ocorreu nos últimos dias no sistema elétrico da Ucrânia pela Rússia o destruirá completamente”. “Não será brincadeira de criança”, admitiu Zelensky, “mas certamente perseveraremos e a vitória será nossa.” Entretanto, a Rússia somou formalmente a sua saída do Conselho da Europa, já decidida em março, com a assinatura de um decreto pelo Presidente Vladimir Putin destituindo Ivan Soltanovsky do cargo de representante permanente de Moscovo junto da organização sediada em Estrasburgo. Enquanto a Rússia foi excluída da Conferência de Segurança de Munique de 2023, o presidente Christoph Heusgen anunciou em um tweet.

READ  Parece impossível, mas para uma varanda florida e colorida no inverno, basta plantar logo esses bulbos

Um repórter da Associated Press of America, que escreveu que o míssil que caiu na Polônia na semana passada era russo, foi lançado. A reportagem do Washington Post. Poucas horas depois que um míssil explodiu na vila polonesa de Przyodo, perto da fronteira com a Ucrânia, James Laporta, 35, citou um “alto funcionário da inteligência dos EUA” dizendo que “mísseis russos caíram na Polônia, matando duas pessoas”. Uma história posteriormente negada pelas investigações de Varsóvia e pela administração dos Estados Unidos.

A Gazprom ameaça cortar os fluxos de gás através da Ucrânia, o último corredor de gás russo para a Europa, a partir de segunda-feira, em resposta ao fato de que a Ucrânia bloqueará parte do metano destinado à Moldávia. “De 10 a 28 de novembro, a Gazprom começará a reduzir o fornecimento de gás para Sudzha gis (estação de compressão, ed.) para trânsito na Ucrânia em um valor igual ao valor não entregue por dia”, disse a Gazprom em seu canal Telegram, acusando Kyiv Apreensão de 52,52 milhões de metros cúbicos de gás. Cerca de 42 milhões de metros cúbicos de gás russo passam pela Ucrânia todos os dias.

“Todas as quantidades de gás natural aceitas pela Federação Russa no ponto de entrada ‘Sudja’ para transporte ‘na Moldávia’ foram totalmente transferidas para os pontos de saída ‘Ulksevka’ e ‘Grebniki’.” A informação consta de um comunicado do operador de rede ucraniano (JUTSO), em resposta às acusações da Gazprom, de que Kyiv apreendeu parte do gás destinado à Moldávia. “Esta não é a primeira vez que a Rússia usa gás como uma ferramenta de pressão política. Ela está manipulando fatos para justificar a decisão de limitar ainda mais o fornecimento a países europeus”, disse Olga Belkova, chefe de assuntos internacionais da Jutsu. .

READ  "Depois de uma vida no exterior, decidi voltar para a Itália: em outros lugares a situação nem sempre é melhor. Aqui porque"

A Gazprom, que acusa a Ucrânia de apreender 24,945 milhões de metros cúbicos de gás, é acusada de acumular um total de 52,52 milhões de metros cúbicos. O movimento da Gazprom, que coincide com o início da estação quente na Europa, está contribuindo para o aumento do preço do gás em Amsterdã, com os futuros de TTF subindo 2,6% para € 119,1 por MWh.