Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Este não era o momento para uma crise em Portugal

Este não era o momento para uma crise em Portugal

carregando

Em Portugal, uma investigação sobre alegados subornos ligados à extracção de lítio levou à detenção de cinco pessoas ligadas ao governo português, à demissão inesperada do primeiro-ministro António Costa, à queda do governo e à convocação de eleições antecipadas. Terá implicações que vão além da política. O governo cessante tem estado envolvido em algumas operações económicas bastante estratégicas e importantes, que não serão capazes de avançar neste momento de transição em que permanece no poder apenas para assuntos correntes.

Isso significa diferentes planos governamentais para a economia Eles ficarão presos por um tempoPelo menos até que o próximo governo seja formado após as eleições. Há pelo menos três questões notáveis: a difícil privatização da companhia aérea nacional, a TAP Portugal, o ambicioso plano de reforma dos incentivos fiscais para residentes estrangeiros e a gestão do Fundo Europeu de Recuperação. Depois há uma questão mais mundana, mas ainda relevante para a economia portuguesa: o governo também deve aprovar o orçamento do próximo ano até ao final de dezembro.

Tais projectos podem não parecer urgentes, especialmente para uma economia que apresenta um bom desempenho global: o PIB está a crescer e a dívida pública em percentagem do PIB caiu abaixo dos níveis de 2019. De acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento EconômicoContudo, segundo a OCDE, o país necessita de investimentos, reformas e planos de longo prazo, também para colmatar algumas fragilidades históricas como o rápido envelhecimento da população e a falta de trabalhadores qualificados para o crescimento da economia. Os três planos governamentais que poderão ser adiados estão entre as intervenções mais importantes para garantir tudo isto.

A primeira, a venda da TAP Air Portugal, companhia aérea nacional atualmente sob controlo estatal, está nos planos há algum tempo. Ao longo da sua história, a empresa alternou constantemente entre propriedade pública e privada: foi privatizada pela última vez em 2015, apenas para ser renacionalizada em 2020, quando a empresa estava em crise e comprada pelo Estado no âmbito de um resgate acordado com o governo. Comissão Europeia.

READ  Eurospin e Lidl descobrem de onde vêm os produtos que compramos: nunca vai adivinhar

Depois de quatro anos de prejuízo, no ano passado a empresa obteve um lucro de 65,6 milhões de euros, esperando-se mais resultados positivos este ano. Em setembro o governo Anunciar Eles querem vendê-lo e concluir o negócio até meados do próximo ano. Algumas das maiores empresas da Europa estavam interessadas, incluindo a Lufthansa, a Air France-KLM e a IAG Cargo, mas o processo deverá permanecer em espera até que haja um novo governo em pleno vigor.

Isto significa que o estado terá de esperar mais alguns meses antes de receber o produto da venda. Mas as consequências não são apenas financeiras: de facto, avança o processo de repensar estratégico da empresa, que voltou a estar sob controlo geral nas condições necessárias para operar e deixar de perder dinheiro. A venda da TAP deveria também ser uma oportunidade para o governo repensar o setor da aviação nacional em geral e no longo prazo.

A segunda grande intervenção económica que provavelmente será adiada é a reforma dos incentivos fiscais para estrangeiros residentes em Portugal: são actualmente muito generosos e por isso atraem há anos muitos reformados e nómadas digitais, que mudam a sua residência para o país para usufruir do imposto benefícios.

O programa foi introduzido em 2009 como uma medida para conter, pelo menos parcialmente, as consequências da crise económica de 2008, que foi particularmente dura em Portugal. O país também emitiu os chamados “vistos gold” para estrangeiros que compram casas e apartamentos de determinado valor no país. Os vistos garantiram a possibilidade de viver e circular livremente na União Europeia durante cinco anos e tiveram muito sucesso, especialmente entre pessoas com dupla cidadania russa e chinesa.

O governo decidiu recentemente acabar com este sistema de incentivos para tentar pôr fim ao aumento dos preços das casas, que se tornaram muito elevados e não condizentes com o nível de vida da população, especialmente nas grandes cidades como o Porto e Lisboa.

READ  Black Friday Poste Italiane Promotions para abrir uma conta corrente

Para tentar estancar a histórica escassez de profissionais e a migração estrutural de jovens, anunciou então medidas para incentivar a permanência dos jovens mais qualificados no país, como deduções fiscais nos primeiros cinco anos de trabalho para licenciados e compensação de custos de estudo universitário. Honorários para quem inicia a carreira em Portugal.

– Leia também: Portugal quer abolir benefícios fiscais para residentes estrangeiros

Estas medidas tiveram de ser incluídas no orçamento do próximo ano, e não é claro se o serão de qualquer maneira: isto não é um dado adquirido porque a abolição de benefícios que foram agora integrados no sistema económico nacional e que, para muitos, têm anos receitas fiscais garantidas. Bom, requer certas políticas de poder, que não são necessariamente garantidas para serem desfrutadas pelo governo demissionário.

Finalmente, há a questão do dinheiro do fundo de recuperação. Portugal já recebeu 2,7 mil milhões de euros, mas deve acelerar a aprovação dos restantes projetos se quiser receber os restantes 22 mil milhões de euros até ao prazo de 2026. Até agora, apenas 12 por cento dos fundos foram utilizados.

– Leia também: Erro de transcrição no processo que levou à demissão de António Costa