Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Decifrar ou desvendar a suspeita hamletiana do vinho

Decifrar ou desvendar a suspeita hamletiana do vinho

Na carreira de todo vinho “gerontófilo”, tantas vezes incompreendido por aqueles que amam garrafas pequenas e bonitas, vimos tampas (rolhas) vocês mortais … out” fenómenos sem Pasta, cortiça embebida ou endurecida como madeira esquecida quando aparece a chávena. E tudo termina com tampas de vidro, metal, coroa ou silicone.

Romântica e sustentável, cheia de história e histórias, um dos pilares da tradição, a rolha de cortiça é o símbolo de um mundo… para alguns que está a desaparecer. Isso será verdade? Vamos todos brincar de “fechar novamente” as garrafas de rosca? Vamos desparafusar silicone ou vidro? Indo além de reflexões autorreferenciais e quadros icônicos, a discussão está aberta.

questão emocional
Para pensar na importância da escolha dos fechos – cortiça, silicone e rosca – podemos partir das emoções. Sim, porque o experimento que ele conduziu Comportamento e BrainLab Iulm Milano em 2018 e expandir em 2022. O objetivo era mostrar como operar Experiência do vinho Pode ser modificado pela informação inicial dada aos provadores e pode levar até o mais experiente conhecedor a uma avaliação completamente diferente do mesmo produto.

A metodologia do centro de pesquisa não se baseava exclusivamente na avaliação racional, mas sobretudo na experiência emocional e cognitiva analisada por meio de técnicas de neurociência. Ao analisar as diferenças percebidas por uma amostra mista de especialistas e consumidores regulares entre um vinho que se acredita vir de uma garrafa arrolhada e um vinho que se acredita vir de uma garrafa selada com tampa de rosca, surgiram elementos curiosos.

Os pesquisadores primeiro confiaram no efeito do som. Foram reproduzidos dois sons (uma rolha e um buraco de parafuso) e o primeiro apresenta um envolvimento cognitivo 39% maior do que o segundo, assim como uma ativação emocional 64% maior. Em ambas as etapas subsequentes – a prova olfativa e a prova – os resultados permanecem consistentes: com a prova olfativa, o vinho que se pensa vir de uma garrafa com rolha obtém uma reatividade cognitiva superior a 34%, enquanto uma ativação emocional superior a 59%. em comparação com uma tampa de rosca. Na fase de degustação, o envolvimento cognitivo da rolha putativa é 80% superior ao da videira putativa. Além disso, os participantes mostraram 238% mais excitação emocional quando estavam convencidos de que estavam provando vinho de uma garrafa com rolha.

READ  O Fed vai aumentar novamente as taxas de juros, esperando a reação do mercado

Em geral, portanto, uma garrafa com rolha de cortiça é melhor avaliada (em termos de qualidade, densidade e alegria) e a maioria da amostra também mostrou mais vontade de gastar por ela do que uma tampa de rosca.

Questão de sustentabilidade
Então escolher a cortiça é uma questão de sugestão? Talvez não. Talvez seja necessária alguma informação sobre custos, sustentabilidade e desempenho técnico… Com a volatilidade do petróleo e das matérias-primas, não é provável que hoje se consiga preços tão competitivos para uma rolha de cortiça como para uma rolha com componentes de plástico , mas para além daquilo em que os produtores se concentram.A cortiça tradicional de hoje é a sustentabilidade de escolha.

“No caso do vedante de cortiça, podemos controlar todo o processo desde o cultivo nos montados de sobro, passando pela extração da matéria-prima até à produção e comercialização. Isso nos permite confirmar e certificar que cada capa possui um arquivo vestígios de carbono Negativo », declarações de Carlos Manuel Oliveira e Silva, Vice-Presidente upcorea associação de produtores de Portugal, onde a economia da cortiça vale cerca de 2% do PIB nacional.

Isso é o melhor site valioso de cortiça. “As adegas que hoje apostam muito na sustentabilidade – explica o administrador da Amorim Cork – podem facilmente juntar os seus investimentos em vedantes aos da fotovoltaica e do biodiesel”, explica o administrador da Amorim Cork.

No entanto, como a palavra “sustentável” muitas vezes corre o risco de permanecer vazia e virtual, vale a pena mergulhar nas dobras do mundo de Cork. Acontece então que os montados de sobro são um valioso recurso ambiental para preservar os solos, regular os ciclos hidrogeológicos e reduzir as emissões (contêm 6 toneladas de co2 por hectare a cada ano) e proteção da biodiversidade (37 espécies de mamíferos, 160 de aves e 24 de répteis e anfíbios identificados).

READ  Férias em risco para 250 mil passageiros. Companhias aéreas de baixo custo atacadas no sábado

Além de ser uma barreira contra os processos de desertificação, o sobreiro não é cortado e assim a descamação permite que as plantas continuem o seu ciclo vegetativo, tão precioso na zona mediterrânica.

uma quantia valiosa
O mercado da cortiça – avaliado em cerca de 1,8 mil milhões de euros à escala global – representa o ponto de encontro perfeito entre a valorização do trabalho e a proteção do ambiente. Na verdade, a extração de cortiça é o trabalho agrícola mais bem pago do mundo, pois requer grande habilidade e atenção que se acumulam ao longo do tempo.

Em Portugal, Itália e sobretudo Espanha, este setor económico vive condições especiais, assentes num equilíbrio frágil. Isto porque – embora a cortiça tenha muitas outras aplicações potenciais, desde o isolamento de superfícies ao design – são as rolhas que impulsionam a indústria da cortiça, que representa 70% do valor de mercado da matéria-prima. É por isso que a bacia mediterrânica está em condições de defender este recurso e as jazidas existentes, nomeadamente os montados de sobro.

E as mostras de arte?
Narizes humanos e “narizes” eletrônicos, que verificam cada tampa individualmente, garantem um desempenho técnico muito alto. Conforme confirmado pelos produtores, as rolhas de cortiça têm hoje um desempenho de segurança muito elevado em comparação com o TCA, i O microrganismo responsável pelo cheiro a “rolha”.

“Trata-se de aplicar os saberes que se desenvolveram ao longo dos séculos – comenta Oliveira e Silva – e o que sabemos hoje em termos da nossa Gerenciamento de riscos Permite-nos derrotar o Tca, deixando a cortiça livre para expressar o seu valor em termos de sustentabilidade, eficácia técnica e mercadológica. Afinal, a tampa de rosca está no mercado há quase cinquenta anos, mas hoje 70% dos sistemas de fechamento do mundo são revestidos com cortiça. Apesar das novas modas, a demanda é tão alta que a produção não consegue atender. Portanto, pode ter sido muito cedo para comemorar o funeral de Flynn, que ainda está muito vivo hoje.”

READ  A anfitriã Milão está pronta para desembarcar na feira: o número de expositores deve chegar a dois mil