Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Covid, a quarta onda de infecções. Alemanha, Áustria e Dinamarca: o que a Europa está fazendo

A quarta onda de infecção pelo vírus corona não está diminuindo, Mapa da Europa está ficando mais vermelho. A Alemanha está pressionando pela terceira dose e teme a superlotação da terapia intensiva, enquanto na Turíngia os tratamentos não-Vicks estão em risco. A Áustria lança um bloqueio para pessoas não vacinadas. A Dinamarca está avaliando a restauração do Corredor Verde, enquanto a Grã-Bretanha apresenta mais um dia com mais de 30.000 casos.

Leia também

Alemanha

Na Alemanha, o alarme foi disparado após dados de 37.120 feridos. O país se prepara para enfrentar um aumento significativo no número de internações: nas próximas duas semanas, 400 pacientes serão internados em terapia intensiva em hospitais, segundo estimativas do ministro da Saúde, Jens Spahn.

Os pacientes já estão sendo transferidos entre hospitais em algumas áreas por falta de leitos. E alertou que “se tivermos quase 40 mil feridos hoje, em poucos dias entre 350 e 400 feridos serão transferidos para os departamentos de emergência”. Para atender à emergência, a solução é acelerar a campanha de vacinação e empurrar para a terceira dose geral. “A dose de reforço após seis meses deve se tornar a norma, não a exceção”, disse Spahn.

A imagem parece já ter sido comprometida nas terras da Turíngia, o que pode não garantir um atendimento adequado aos não vacinados. O primeiro-ministro Bodo Ramilo indicou que as camas de terapia intensiva serão insuficientes em breve porque muitas pessoas não vacinadas estão ficando gravemente doentes com o coronavírus na região. “Não seremos mais capazes de garantir que aqueles que chegam ao hospital que não estão imunes ainda serão tratados aqui”, disse Ramelow, segundo o Bild.

Áustria

A terapia intensiva ainda não atingiu o ponto de perigo na Áustria. No entanto, o país está testando o quase recorde de 9.388 infecções, e está meio que à frente disso Seguro por eu não vax. A partir de segunda-feira, 8 de novembro, apenas as pessoas vacinadas ou pessoas que se recuperaram da Covid terão acesso a restaurantes, hotéis, eventos culturais e esportivos. Espera-se uma fase de transição de 4 semanas, com significativa liberdade de movimento mesmo para aqueles que receberam apenas uma dose da vacina e podem apresentar esfregaço negativo.

READ  Café dente de leão: benefícios, contra-indicações e como prepará-lo

“Ninguém pretende dividir a sociedade, mas é nossa responsabilidade proteger as pessoas”, disse o chanceler Alexander Schallenberg. “A situação é excepcional, o pessoal na unidade de terapia intensiva está aumentando muito mais rápido do que o esperado.”

Para chegar ao local de trabalho, no entanto, a terceira opção associada ao buffer passivo ainda está prevista. A máscara Ffp2 será obrigatória em todas as lojas, museus e bibliotecas. O green card terá validade de 9 meses após a segunda vacinação: ao expirar o certificado verde, a terceira dose da vacina será necessária para manter o documento válido. A vacina de dose única da Johnson & Johnson só dá pista verde até 3 de janeiro de 2022.

Dinamarca

Em Copenhague, após 2.598 feridos, o alerta foi acionado e as autoridades de saúde estão pedindo por ele Restauração da via verde À medida que a situação se torna mais complexa nos hospitais, eles são forçados a lidar com as consequências da gripe em perspectiva. O aumento do número de abrigos dificultará o suporte de cargas entre dezembro e janeiro em pleno inverno.

Segundo dirigentes da saúde, é necessário reintroduzir critérios seletivos de acesso a restaurantes, museus e outros espaços internos. A Dinamarca suspendeu todas as restrições ao coronavírus em 10 de setembro, dependendo do grande número de pessoas vacinadas e da baixa circulação do vírus. Mas o rastreamento do caso começou em meados de outubro.

Islândia

A Islândia também mudou as regras para conter o aumento no número de casos: 164 casos em 24 horas, um recorde. A partir de hoje, 6 de novembro, voltará a ser necessário usar máscaras nas lojas e em qualquer caso nos casos em que não seja possível garantir uma distância de 1,5 metros.

READ  Julgamento de Bataclan Salah Abdeslam no tribunal: 'Eu era bom antes dos ataques'

Depois, a partir de quarta-feira, só serão aceitos eventos com no máximo 500 pessoas em vez das atuais 2.000, e o prédio terá que fechar as portas duas horas antes, às 23h, com saída dos clientes até as 12h. Todos os adultos com mais de 16 anos, além disso, poderão fazer a terceira dose da vacina: as autoridades esperam ligar cerca de 160 mil pessoas até o final do ano.

França

A França relatou 8.998 infecções. As condições hospitalares devem ser monitoradas: 1.889 novos casos nos últimos sete dias, 469 em terapia intensiva, dos quais 353 em terapia intensiva. O Parlamento de Paris concordou em estender o uso do Corredor Verde até 31 de julho de 2022. A versão final do projeto de lei de “supervisão sanitária” proposto pelo governo foi aprovado por 118 votos a favor, 89 contra e abstenções. . A decisão foi contestada pelo Senado, que queria que o corredor verde entrasse em vigor apenas até 28 de fevereiro.

Grã Bretanha

Nada mudou, pelo menos por enquanto, na Grã-Bretanha. Os números usuais chegam de Londres: 34.029 infecções e 193 mortes, enquanto o número de novas internações é 1.072. Mortes e internações aumentaram em relação à semana passada, em 12,3% e 3,5%, respectivamente, confirma o jornal Guardian, que divulga dados das autoridades sanitárias.

Enquanto isso, segundo dados do ONS, na semana que terminou em 30 de outubro, uma em cada 50 pessoas contraiu o vírus em casa, na Inglaterra, número que corresponde a 1,5 milhão de pessoas e o mesmo da semana anterior. Esta é uma estimativa igual ao pico da segunda onda no início de janeiro. No País de Gales, o número é de um em 40 infectados, na Irlanda do Norte, de um em 65 e na Escócia, de um em 80. A estimativa refere-se à porcentagem de pessoas que estão em casa, independentemente de quando foram infectadas, nem se apresentaram sintomas ou não.

READ  Otelo Saraiva de Carvalho e a democracia em Portugal

“A má notícia usual da Grã-Bretanha de sempre é que, ao fingir que a epidemia acabou, ela primeiro prejudica sua própria população, por mais satisfeita que seja, e depois prejudica o resto do mundo, é difícil e preocupante pensar em algo mais contagioso nesse ritmo. ”twittou Walter Ricciardi, consultor do ministro da Saúde, Roberto Speranza.

Rússia

A Rússia continua a viajar a uma taxa de mais de 40.000 infecções e 1.000 mortes por dia. Os efeitos das medidas lançadas nos últimos dias, com o mini-lockdown em Moscou, ainda não são totalmente claros. O prefeito Sergei Sobyanin disse que a situação na capital, após um aumento nos casos nas últimas semanas, “mais ou menos” se estabilizou após 10 dias com regras mais restritivas impostas pelas autoridades para dobrar a curva de contágio.