Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Contador Brix G7 – Corriere.it

A partir de Frederico Rambini

Na recente cúpula das potências emergentes, dominam as grandes manobras de Pequim. que estão cortejando a África agora. Como o Clube Mundial nasceu nos mudou e por que agora ele se fortaleceu

Xi Jinping
Denúncia: As sanções econômicas impostas pelo Ocidente equivalem à “militarização da economia global”, bem como uma reação contra aqueles que as aplicam. A mídia de Pequim relançou a ideia de um sistema monetário global “livre” do dólar, com sistemas de pagamento alternativos ao SWIFT (que tem sede na Bélgica e é efetivamente controlado pelos Estados Unidos).

Onde o presidente chinês disse essas coisas? Na cúpula econômica do BRICS, que é um acrônimo para Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul. O BRICS é um clube de potências emergentes que gostam de se autodenominar, mesmo que a China já tenha emergido em todos os aspectos como a segunda maior economia do mundo. Paralelamente ao Fórum Econômico do BRICS, outra conferência patrocinada pela China foi realizada em Adis Abeba Sobre a paz no Chifre da ÁfricaXi lançou seu próprio plano de ajuda para aquela região do continente desestabilizada pela Guerra Civil Etíope. O Ocidente muitas vezes parece marginal nessas grandes manobras que veem Pequim tecendo sua teia no Hemisfério Sul.

A geografia dos países BRICS Espelho e alternativa aos do G7, Clubes dos antigos países ricos. A sigla BRICS representa, pelo menos possivelmente, a sala de controle para desmantelar a globalização centrada nos Estados Unidos e substituí-la gradualmente por um sistema internacional alternativo, cujas bases estarão localizadas em Pequim, Moscou, Delhi, Brasília e Pretória? A história do BRICS já tem mais de vinte anos, é única e merece ser lembrada. Este clube, no qual os executivos chineses estão cercados de grande interesse, foi inventado apenas por um economista americano, e então um funcionário do Goldman Sachs em Wall Street.

O pano de fundo crucial foi dezembro de 2001, quando a China efetivamente se tornou parte do “nosso mundo”. Foi aceito na Organização Mundial do Comércio ou Organização Mundial do Comércio, o lugar onde desde 1995 as regras da globalização são negociadas e decididas em princípio. Como membro da Organização Mundial do Comércio, abriu novos mercados para a China desde o final de 2001. Desde então, acelerou-se uma história surpreendente de decolagem impulsionada pela exportação. omilagre chinês É produzido em dimensões sem precedentes.
Depois da China, foi a vez da Índia. Até o “elefante adormecido” acorda para crescer com o remédio de libertação (ainda que corrigido com fortes doses de protecionismo, ainda mais que a China).

READ  O Mosa está transbordando, 10 mil evacuados para Maastricht

A geografia do desenvolvimento está se expandindo, assim como o economista do Goldman Sachs, Jim O’Neill A abreviatura Brix é inventadaAdicionando Brasil, Rússia e finalmente África do Sul à Scindia. Inicialmente sua intenção clichê: O’Neill com os Brics quer oferecer aos investidores um rótulo simples e sugestivo para indicar os novos mercados em que estão investindo para aproveitar as oportunidades da globalização. É um truque de marketing financeiro, para simplificar.

Ironicamente, os Brics nascidos no escritório de pesquisa do Goldman Sachs acabam em uma realidade geopolítica: os líderes desses cinco países os amam tanto, que ficaram obcecados por eles, e Eles se reúnem periodicamente em cúpulas especiais que excluiu o Ocidente.

Nos vinte anos seguintes nasci em países emergentes classe média Para mais de um bilhão de pessoas, um mercado enorme. Ao mesmo tempo, porém, a eclosão do autoritarismo desmente fortemente as previsões otimistas de Clinton e Bill Gates, nas quais o próprio O’Neill acreditava, sobre a inevitável transição para a democracia que deveria ter acompanhado o capitalismo.

Nos vinte anos seguintes, a aspiração comum de conquistar um “mundo unipolar” apareceu várias vezes nas declarações dos chefes de Estado e de governo dos países do BRICS. Quão realista é a sua proximidade? Em alguns casos a harmonia era perceptível. Exemplo: Em 2011, os países do BRIC adotaram uma posição comum, abstendo-se de votar, sobre uma resolução da ONU na qual os Estados Unidos e seus aliados franco-britânicos deram luz verde para uma intervenção militar na Líbia. Aqui está um ponto muito comum nos países do BRICS: porque eles têm um passado colonial ou neocolonial (Índia e Brasil), ou porque sentem saudades de uma época em que podem competir pela liderança global com os Estados Unidos (Rússia), ou finalmente porque eles têm ambições imperiais anti-ocidentais (China) Todos eles estão alienados do papel dos Estados Unidos. Em um caso anterior, o fiasco da Cúpula do Meio Ambiente de Copenhague (dezembro de 2009) mostrou que apenas o marido de Cindia poderia exercer um veto maciço contra qualquer ambição americana e europeia de ditar a agenda internacional.

READ  O mistério do reator nuclear da Coreia do Norte / Kim, uma mensagem "chinesa" para Biden

Foi o caso do BRICS Reforçado graças à recessão de 2008-2009. Foi chamado de “recessão global”. Por preguiça mental, ou porque insistimos em considerar o Ocidente o segredo do mundo. Na verdade, essa crise veio principalmente do Ocidente + Japão. A China não entrou em recessão, nem mesmo por dois trimestres. Índia como acima. O Brasil sofreu apenas brevemente, depois saiu a todo vapor, encontrando ritmos de crescimento acelerados graças à força motriz da demanda chinesa por matérias-primas e alimentos. Mais do que nunca, depois dessa crise, a geografia econômica global começou a se assemelhar ao subtítulo de um artigo do historiador Niall Ferguson: “O Ocidente e o Resto”.

O economista americano Dani Rodrik teorizou que os países do BRICS estavam adotando “a globalização do modelo de Bretton Woods, em vez da versão mais recente e mais extrema”. O que você quer dizer com isso? A Conferência Internacional Preparando a Estrutura da Economia Internacional para a Era do Pós-Guerra foi realizada em Bretton Woods em 1944, sob a liderança política de Franklin Roosevelt e a liderança teórica de John Maynard Keynes. O Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e o GATT, que foi o antecessor da Organização Mundial do Comércio, foram estabelecidos lá. Foi um passo importante para restaurar a liberdade de comércio, promovendo o comércio internacional que teria provocado muitos “milagres” econômicos do pós-guerra, do italiano ao alemão e japonês. Mas foi uma globalização parcial: as moedas não estavam livres para flutuar no caos, os movimentos de capital estavam sujeitos a restrições e as fronteiras foram se abrindo gradualmente. Roderick percebe que Os países do BRICS têm uma abordagem eclética da globalização, lembra-nos o mundo organizado de Bretton Woods. A China pratica o protecionismo muito antes de Donald Trump tentar retaliar; Durante anos, resistiu às pressões ocidentais na frente monetária e continua a manter o renminbi em uma situação de conversibilidade incompleta. A Índia manteve certas restrições aos movimentos de capitais, bem como a abertura gradual das fronteiras ao comércio. O Brasil aplica cotas de fato da “base nacional do imposto sobre o trabalho” a empresas estrangeiras que desejam investir em setores-chave, como petróleo e mineração. Todos esses governos agem de maneira pragmática: não declarações ideológicas de guerra contra o Ocidente, mas um cálculo racional do interesse nacional. Rússia e China também compartilham o papel do capitalismo de estadoPrincipalmente em setores estratégicos.

READ  PIB da China, então Xi Jinping fez a economia desacelerar - Corriere.it

As diferenças políticas e até de valores entre as democracias indiana e brasileira e o regime político autoritário que governa a China são claras. Assim como a rivalidade estratégica entre Índia e China que leva Nova Délhi a aceitar os avanços dos EUA no campo da cooperação militar. Na atual cúpula, o governo de Narendra Modi transmitiu garantias aos americanos: impediria a delegação indiana de assinar uma declaração do BRICS que pudesse parecer crítica a Washington. Portanto, os países do BRICS não estão prontos para se tornar uma diretoria de governança global. Mas, ao mesmo tempo, está se estabelecendo como o clube do mundo “além de nós”, e nenhum de seus membros adere às sanções impostas a Putin pela agressão contra a Ucrânia.

23 de junho de 2022 (alteração em 23 de junho de 2022 | 21h07)