Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Como você contribui para o fim da guerra?  – Vamos superar isso

Como você contribui para o fim da guerra? – Vamos superar isso

Os Estados Unidos e a Rússia são agora os heróis da guerra na Ucrânia, um conflito do qual não há saída. A Europa para a Paz e o International Peace Bureau estão organizando uma Cúpula da Paz em Viena, em junho, para preparar o caminho para um cessar-fogo e uma solução negociada.

Versão italiana deste artigo.

Um ano após a guerra na Ucrânia, enfrentamos dois acontecimentos políticos que colocam em jogo o conflito e como lidar com ele. Por um lado, a visita surpresa do presidente dos Estados Unidos Joseph Biden a Kiev mostrou que os Estados Unidos agora são um jogador de pleno direito nesta guerra. Com a Rússia, o ator principal. Os Estados Unidos estão prontos para liderarescalação A partir desta guerra, passo a passo, ou para responder a umaescalação Russo. Não há espaço para o papel da União Europeia, China, França, Alemanha, Brasil ou Turquia. ou sobre a Ucrânia. A análise de Michael von der Schulenburg, ex-diplomata da ONU, pode ser compartilhada durante um webinar do International Peace Bureau (IPB) em 24 de fevereiro de 2023 (veja os primeiros 20 minutos). aqui no youtube).

Embora o chefe do Estado-Maior dos Estados Unidos, Mark Milley, tenha declarado que “ninguém pode vencer” esta guerra e que o conflito só pode ser encerrado por meio de negociações, nada há na posição dos Estados Unidos que abra caminho, ou pelo menos indique alguns critérios, pois um curso paralelo de atividade diplomática destinada a acabar com esta guerra. O mesmo vale para a Rússia, mas já sabíamos disso. A recente reunião curta entre Lavrov e Blinken confirmou a ausência de uma dimensão negocial. Em relação à guerra na Ucrânia, simplesmente não há iniciativa diplomática. A falta de grandes sucessos militares de ambos os lados nos últimos meses torna a falta de diplomacia ainda mais preocupante. É guerra pura. Uma guerra entrincheirada, com potencial para continuar por muito tempo.

Por outro lado, as atitudes públicas sobre como lidar com esta guerra estão mudando. Há uma consciência crescente da necessidade de acabar com a guerra. A mudança é lenta, mas está começando a se tornar aparente para quem olha além das páginas dos jornais e noticiários da TV, ou tenta contar a seus vizinhos sobre isso. A mudança é sempre lenta no início. É difícil prever um ponto de virada quando sua dinâmica enfatiza a urgência de acabar com a guerra no debate público. Neste momento, podemos estar longe de alcançar esse avanço.

READ  Tesla Model Y é o carro mais vendido do mundo em 2023

O debate público gira em torno de três temas principais. responsável: Rússia o agressor, Ucrânia a vítima. soberania: Se as violações de limites são permitidas nesta situação, há uma ameaça à nossa segurança, onde quer que moremos. data: O passado nos diz que a liberdade depende da determinação e que qualquer compromisso pode facilmente levar a uma maior restrição da liberdade. Em geral, esses são argumentos genuínos, mas há tons de cinza em níveis mais específicos da narrativa que pintam um quadro ligeiramente diferente de quem é responsável, o que é soberania e o que a história nos conta. Essas nuances têm o poder de abrir novas formas de interpretar a realidade e lidar com essa guerra – e é isso que precisamos fazer para iniciar uma jornada diplomática agora.

No entanto, um quarto grande argumento deve se impor no debate público para abrir a possibilidade de acabar com a guerra. sistema internacionalA segurança é baseada em relações políticas baseadas na segurança comum e não na força militar ou na dissuasão nuclear. Isso é ainda mais verdadeiro na Europa, com sua estreita integração política, econômica e social.

Talvez as iniciativas do movimento pela paz em vários países europeus – Portugal, Espanha, Reino Unido, França, Bélgica, Alemanha, Itália, etc. Em todos os países, a mídia o actual Eles não tiveram nenhum problema em negar que as pessoas estavam nas ruas exigindo uma solução diplomática para a guerra. Apenas o maior desses eventos, em Berlim, atraiu a atenção da mídia, até porque alguns ativistas de direita participaram do comício. No entanto, esses eventos forneceram novas evidências de que as atitudes públicas em relação à guerra estão mudando lentamente.

READ  É difícil em Bruxelas chegar a um acordo sobre o embargo petrolífero russo

Na Itália, os pacifistas promoveram um longo fim de semana de mobilização em toda a península, para mostrar a amplitude e o alcance do movimento antiguerra. A resposta era importante. Mais de 120 cidades e mais de 100.000 pessoas saíram às ruas para exigir um cessar-fogo, negociações e uma conferência internacional de paz. Claro, o movimento pela paz na Itália é talvez o mais bem organizado, em comparação com outros países da Europa Ocidental, dadas as profundas raízes da Igreja Católica e dos sindicatos em particular. Mas isso por si só não explica o que está acontecendo. Afinal, em cada cidade havia um grupo de pessoas que resolveram fazer alguma coisa, ou melhor: que sentiram uma necessidade urgente de fazer alguma coisa. E dois dias depois, ele viu que muitas outras pessoas tinham o mesmo impulso de expressar suas opiniões naqueles mesmos dias.

Uma ampla gama de iniciativas pacíficas organizadas em muitos países sob a rede EuropeforPeace No primeiro aniversário da guerra, compartilha o mesmo impulso para acabar com o conflito. Parece que a opinião pública está mudando lentamente. Nesse ponto, torna-se importante antecipar uma situação em que possa ocorrer uma mudança de atitude em relação à guerra.

Os movimentos sociais nascem como um protesto contra o estado de coisas, mas seu crescimento depende dos sucessos que alcançam. Neste caso, não se trata do sucesso de uma das partes em conflito, não se trata de transformar o conflito de uma dimensão militar em uma não violenta, e não podemos pensar na fuga em massa de soldados de ambos os lados. Mesmo cortar o suprimento de armas de um lado não seria um sucesso suficiente. O único sucesso a que os pacifistas podem aspirar é uma iniciativa política e diplomática que possa levar a um cessar-fogo e negociações de paz.

Mas como o movimento pela paz pode intervir nesse nível, especialmente se a Rússia e os Estados Unidos são agora os atores dominantes na arena política? Por exemplo, se o governo italiano condicionasse oficialmente o fornecimento de armas à Ucrânia ao início das negociações de paz, seria um sucesso para o movimento pacifista italiano, mas não mudaria realmente a situação na guerra.

READ  Istat: "Carrinho de compras é 6,7% mais caro em maio, maior aumento desde 1986." Consumidores: "Um extra de 560 euros apenas para alimentação"

A questão é mais complicada. O movimento pela paz não é um movimento social como qualquer outro. Sua razão de ser é um pouco parecida com o movimento verde, é sobre sobrevivência. Trata-se de ser extremo, pelo menos em alguns níveis de negócios.

No momento, a ação mais drástica que os pacifistas podem tomar é abrir caminho para as negociações de um cessar-fogo e uma possível solução diplomática. Devemos lembrar o “processo de Oslo”: no início dos anos 1990, Israel e a Palestina estavam sob o domínio da violência. Na Noruega, um grupo de ativistas e pesquisadores de conflitos iniciou um diálogo há muito inédito entre funcionários de baixo escalão de ambos os lados. Cessado o conflito, Oslo tornou-se a mesa em que os dois lados chegaram a uma solução negociada, a melhor que a região já teve.

Estamos acompanhando com grande interesse e esperança a proposta de mediação apresentada pelo presidente brasileiro Lula, que imediatamente se posicionou contra a guerra e teve contatos e reuniões com outros chefes de estado para formar uma coalizão de países contra a guerra.

Chegou a hora de construir paz e segurança comuns, e todos os caminhos devem ser explorados. E por isso EuropeforPeace Aceitei de imediato o convite do International Peace Office para coorganizar uma cimeira internacional sobre a paz de 10 a 11 de junho de 2023 em Viena, cidade onde tem a sua sede a OSCE, a Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa, e talvez a única cimeira internacional. A organização na qual as autoridades russas ainda podem participar. Talvez seja hora de começar a conversar, mesmo que seja apenas entre os secundários. Talvez este seja o momento e o lugar certos.