Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Cinquenta e não os ouço – é tudo digital

Não os anos dos abaixo assinados, que são 68, mas aqueles que existem desde o início da transmissão de televisão em cores na Itália. Um evento que pode não ser muito lembrado, mas na verdade – como todas as etapas importantes associadas à evolução tecnológica – realmente mudou as coisas, com a transição da “TV” para o que costumava ser chamado de “TV a cores”, e depois em um flash (ou quase), em 8K. ..

O estudo das “invenções” sempre me fascinou, particularmente as relacionadas com o desenvolvimento de produtos e as aplicações práticas do som e da imagem. Porque são contos – muitas vezes entre a história e o mito – sobre “coisas” sempre significativas, que às vezes nunca passaram do estado de protótipo, enquanto em alguns casos eram realmente capazes de mudar o mundo. e sobretudo porque vivem a vida de “homens de verdade”, cientistas ou pessoas de grande intuição e consciência prática, Pessoas iluminadas que tentaram transcender os limites do momento pelo qual estavam passando, entre os desenvolvimentos de ideias anteriores e ideias originais. Eles enriqueceram as experiências comuns e lançaram as bases para novos passos adiante, independentemente dos resultados de seus esforços. Por fim, acho fascinante e totalmente consistente com o fato de que – junto com pequenas melhorias – às vezes algo que influenciou a empresa foi criado e depois adaptado.

Vamos pensar em como o mundo mudou com o nascimento do cinema e como ele evoluiu (e continua evoluindo) de acordo com as mudanças de gostos e necessidades do público. Ou, até chegarmos aos dias de hoje, não há necessidade de letras grandes para lembrar o quanto um smartphone entra na vida de todo mundo (“muito”, essa é a opinião de muitos com quem eu pessoalmente concordo, mas isso é outra questão). Portanto, na história das tecnologias e tecnologias aplicadas ao entretenimento, público ou privado, há uma escolha do que falar e, sobretudo, antes mesmo do surgimento do mundo “totalmente digital”.

Desta vez gostaríamos de relembrar a memória da formação de uma figura redonda (50 anos, meio século) precisamente neste período, que, salvo algumas excepções, parecem ter sido esquecidas pelos meios de comunicação locais. Estamos nos referindo ao início da transmissão em cores do Serviço Nacional de Televisão (com muito atraso no resto do mundo civilizado), o primeiro passo no que teria sido uma transição gradual entre preto e branco e colorido. Pense naquele dia há meio século: a Miss Boa Noite por excelência, Rosanna Fodetti, aparece como é, de verdade, em cores, anunciando a transmissão da cerimônia de abertura das Olimpíadas de Munique. 1972, em 26 de agosto daquele ano. Um banquete para os olhos, apesar de todas as limitações técnicas da época, ainda que seja preciso lembrar que aqueles Jogos Olímpicos foram marcados pelos conhecidos atos de terror que ocupavam as páginas dos jornais. A nível pessoal, então, lembro-me de momentos de angústia quando soube que meu pai e um amigo estavam em Mônaco para as corridas, e era óbvio na época que as comunicações – sem internet ou telefones celulares – eram menos fáceis (uma eufemismo) do que agora… Enfim, depois do que pode ser considerado em todos os aspectos O primeiro teste técnico real de transmissãoComo dito anteriormente, embora, como mencionamos mais tarde do que em outros países, a transmissão em cores verdadeiras ainda leva tempo. O atraso é determinado tanto por uma vontade política um tanto justificada, como por questões da opção técnica subjacente, com dois sistemas em operação propostos pela França (SECAM) e pela Alemanha (PAL). Então este último foi escolhido, porém, foi adotado praticamente em todo o continente, e correu bem (inveja cinéfilos/ Amantes do cinema em casa italiano, além da abundância de VHS na França já na época). Seja assim, devagar – na Europa com Romênia e Portugal – também na Itália Ele finalmente começou a TV em cores, no primeiro dia de fevereiro de 1977. Começando, escusado será dizer, gradualmente, com vários programas inicialmente em preto e branco, que finalmente conquistaram a cor, e em um belo dia os espectadores finalmente puderam notar novo Mundose você nos permitir mencionar o nome de um dos dispositivos pré-históricos mais famosos.

READ  chi è la co-conduttrice della terza serata- Corriere.it

Em suma, com a TV em cores, nada mais seria o mesmo. Há ainda algumas informações a acrescentar à história das televisões, que incluem momentos autobiográficos; Estes são necessários para transmitir as sensações, emoções, naqueles anos, espero que você entenda. Voltemos a 1977. Em fevereiro, como mencionado, começamos oficialmente as transmissões em cores, e naquele ano fomos ao cinema Guerra das Estrelas Por George Lucas Outro Acontecendo A frase “Desde então nada será como antes” era bastante apropriada. Um filme que – ao contrário de qualquer outra consideração – estabeleceu novos padrões visuais e sonoros, e um conceito qualitativo que de fato também levou ao nascimento de um Certificado de Propriedade (THX, na verdade expresso na prática com O Retorno dos Jedi, em 1983). Ou seja, os espectadores descobriram a emoção, o espanto, o enorme impacto possível na audiovisualização de um filme ou programa semelhante (como os documentários apresentados em IMAX na época). Enquanto isso, a cor finalmente chegou em casa, Mas dispositivos – “TVs” – Eles eram imundos, feios e ruins, desculpe, Não é exatamente bonito quando você olha para ele, mas é bastante enormeCom a adoção de telas pequenas. Lentamente, no entanto, algo começou a mudar, e junto com os logotipos que mais tarde se tornaram um ícone (“Philips, cor eterna”, para citar alguns) dispositivos um pouco mais modernos começaram a aparecer. Em outras palavras, parecia Algo vai acontecer em breve. Naqueles anos eu estava colaborando com revistas Parece E a steroplay, Foi decidido que era hora de entrar no novo mundo da televisão. Foi assim que eu nasci Em 1979, o primeiro guia de TV a cores Nunca foi publicado, algo que o abaixo assinado, juntamente com meu irmão amigo Gianni C. Para criar este primeiro e quase único trabalho (repetido no ano seguinte, se não me falha a memória), pedimos a diferentes empresas da época os produtos mais importantes e nos fechamos literalmente por cerca de dois meses dia e noite. Escritório editorial. Finalmente saiu o guia, que realmente mostrou Grande seção transversal do mercado na época: variou do laptop de emergência ao curioso modelo Nordmende que oferecia uma tela grande e três telas pequenas. Isso, como outras ideias um tanto originais, não se consolidou, mas entendeu-se que as televisões nos próximos anos seriam menos massivas e com telas maiores. Naqueles anos, a Sony (que produziu o Trinitron, que é tecnicamente diferente de todos os outros binóculos cinéticos aprovados), e outros fabricantes, para o tubo de raios catódicos, previam a impossibilidade de ultrapassar 37 polegadas, pelo menos às custas do custo humano e produção em massa. No final, na verdade, ele saltou para TV plana Que todos nós sabemos, Al Plasma primeiro e depois LCD. Há muito sonhados e imaginados por escritores, ilustradores e cineastas visionários, esses painéis suspensos reais estão começando a chegar ao mercado em tamanhos de 42 polegadas, e hoje – para modelos de consumo, embora nababs – estamos perto dos 100 polegadas (mais de 2,5 metros) de parede. diagonal, desculpe se um pouco). Resumindo, a cor era o padrão, o tamanho não era mais um problema, o tamanho da tela não era… tivemos que pensar no próximo passo, seleção ou alta definição (Alta definição ou HD).

READ  Oprimido por um carro, muitas fraturas

Seu repórter teve a sorte de estar no set do primeiro filme em HD, Júlia e Júlia, de Peter del Monte (1987), fotografado por Peppino Rotunno, e lembra perfeitamente o clima, entre suspeita e pavor, da banda da nova ordem digital entre os muitos cineastas acostumados ao mundo do cinema. Percebi o real potencial do HD mais tarde, na versão IBC de Brighton (na época, a cidade inglesa e Amsterdã se alternavam) em 1988: um pequeno show no cinema que deixou todo mundo sem palavras. Que se abriu, novamente para minha preocupação, em 1995, no Japão, observando as primeiras experiências de um projeto desenvolvido pela NHK, Visão superalta, na verdade o ancestral de 8K. Mas essa é realmente outra história, e ficaríamos felizes em lembrá-la em uma ocasião diferente!

Stefano Belli

(Editorial retirado de todos digitais n. 152)
Foto © EV / motoperpetuopress

* Stefano Belli está envolvido no campo da alta tecnologia há mais de 50 anos, inicialmente como designer Hi-Fi, depois em instalações profissionais (eventos ao vivo, discotecas, cinemas). Desde a década de 1970 coopera com ele Áudio, estéreo, áudio do carro, reflexão, fotografia, capital e jornais República e a Dom – 24 horas. Ao longo dos anos fundou e dirigiu Audio Pro, Gravação de Vídeo VR, Engenharia de Vídeo, Mr. DeeJay, Cinemax, Cinema de Alta Definição e TV HD; Ele é um dos fundadores da imprensa livre Technoshopingautor de livros de arte, membro histórico de júris de foto e vídeo, inclusive internacionais, criador e co-diretor artístico dos formatos Toda a vila digital E a show cinematográficoDiretor técnico Escola de Cinema e Televisão. Fundou a revista em 1998 tudo digitalQue ele ainda dirige, e lançou recentemente cineasta italiano.

Eu sempre estive envolvido em comida e vinho também. Em 1998 fundou clube carbonara, E depois filmar e produzir o documentário paixão por carbonara (Disponível em DVD), Quadrinhos e Curtas-metragens Mr-Food & Mrs Wine AdventuresOrganizado I Campeonato Mundial Carbonara Com e na Itália Roma. Atualmente é Diretor da Free Press Sr. Comida e Vinho Sra. Baseado em Guia de restaurantes em Roma escolhidos pelo Club Carbonara.

Adora carbonara, música, arquitetura moderna e coleciona de tudo, e mais: enfim, um colecionador de coleções.