Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Estou recebendo ajuda para a depressão que também foi causada pelo fim do Litfiba. E agora eu nasci de novo

Piero Bello brinca sobre isso. “O que?”. Ele é questionado repetidas vezes e ainda finge não ouvir, chegando até a colocar a mão atrás da orelha. No verão passado, ele teve que cancelar uma turnê e parar de trabalhar em um álbum para tratar o zumbido, um distúrbio auditivo.

Há duas semanas ele anunciou seu retorno com Rock Novichok agressivoAmanhã, cabe a isso Melodia étnica de “Cursed Heart”-Esperar por Novo álbum “Sahara” (7 de junho) E com base em Concertos recomeçam a 29 de junho.

Como estão seus ouvidos?
“Foi um acidente de trabalho. Eu estava no estúdio de gravação e Eu tive um choque sonoro. Troquei os fones de ouvido e o engenheiro de som não fez bem os cálculos: perdi a consciência e caí no chão. Somam-se a isso os meus erros: não fiz as verificações imediatamente e ignorei o problema. O dano é irreparável, me recuperei um pouco mas não há cura desses traumas. Posso cercar o problema com tecnologia. Um sistema de som bem calibrado me permite voltar a encarar o palco: tenho que criar um inferno sonoro lá fora, mas nos fones de ouvido parece que tenho Cassady.”

Em postagem anunciando seu retorno, ele admitiu que “lutou contra a depressão”…
“As preocupações com a saúde somaram-se às reflexões sobre o fim da Latfiba. Procurei ajuda profissional, continuo buscando e tenho conseguido abrir lindas portas. Em “Maledetto Cuore”, por exemplo, canto “Preciso de você”: raramente dizemos isso, mas precisamos dos outros para não nos perdermos nesses buracos negros com os quais lido.

Acabou mal para Gigo Renzulli? O que você acha depois do último programa de Litfiba, Shame or Luck?
“Sendo um Litviba de coração, até fiz uma tatuagem na barriga no final da turnê, e esperava que meu ego se acalmasse, e que essa não fosse a última turnê, apesar dos anúncios. Porém… você não muda a opinião das pessoas. E dizer que somos pessoas maduras, não uma boy band. Há quem queira permanecer apegado ao passado, olhar também para o momento histórico que vivemos hoje, e quem procure manter viva a palavra liberdade, que no caso do artista significa experimentação.”

READ  Roberto Saviano agora se sente como Enzo Tortora: "Massa di s...", ataque Fedez

Falando de momentos históricos e do passado, em “Novichok” canta sobre vencedores que fazem história e memórias curtas…
“Há uma tentativa de reescrever a história, veja o discurso de Scurati em 25 de abril que foi retido por Ray. Parece que há quem não se lembre que a nossa democracia, nascida das cinzas do fascismo, permitiu a entrada de Almirante e do movimento MSI no Parlamento. Na democracia há pluralismo, mas na ditadura não.”

Ghaly diz que os músicos não se expõem por medo de perder o consenso.
“Ele estava certo em dizer e fazer o que disse e fez em Sanremo sobre a questão palestina (ele falou sobre genocídio). Sr. Dr.). Além disso, tinha uma ótima música também. Também nunca deixei de me expor. Relativamente a esta questão, estou preocupado com o apartheid que Israel pratica em relação aos palestinianos há trinta anos, mas também acredito que o apartheid praticado pelo Hamas é terrorismo. Sempre me revelei, mas atribuo os erros mais graves a não me revelar a Berlusconi. Ele instilou apatia e oportunismo dentro de cada um de nós. Também tenho uma música na gaveta chamada “É tudo culpa do Silvio”. “Mais cedo ou mais tarde vou tirá-lo de lá… Hoje, pelo menos, preferimos conversar sobre as maldades dos Veragines.”

“Novichok” é o veneno que supostamente matou Navalny.. e no texto ele fala sobre pele amarela e azul como as cores da bandeira ucraniana..
“Na verdade, as cores amarela e azul da pele são vestígios deste gás nervoso… É um facto que Putin o usa contra os seus adversários, mas a canção tem um significado mais amplo. Estamos numa época em que tudo está envenenado: comida, ar, notícias. “É difícil ser um cidadão consciente.”

READ  "Acorsi dá 300.000 euros." É uma tempestade para Bonaccini

Já se passaram 25 anos desde “Il mio nome è maipiù”, a canção pacifista composta por Ligabue e Jovanoti que nasceu durante a guerra no Kosovo e cujos rendimentos foram destinados a instituições de caridade para a emergência…
“Nasceu quando os combatentes deixaram as bases da NATO em Itália para bombardear Belgrado… Esquecemo-nos dele, mas Putin e os sérvios lembram-se bem dele… Nunca parei de jogar e nunca deixei de dizer 'nunca mais' às guerras. Hoje falamos da Palestina e da Ucrânia, mas esquecemos o Sudão, o Afeganistão, a Birmânia e outros conflitos. Sou um pacifista e um objector de consciência graças ao avô Mario, o antifascista que me incutiu a rejeição da guerra e. armas. Sinto muita falta de uma pessoa como Gino Strada (fundador da revista Emergency. Hoje acho difícil encontrar a letra certa para uma nova música Anti-guerra, talvez os rappers consigam… Coloquei minha versão no álbum). álbum de aniversário, mas de qualquer forma estamos conversando novamente, eu, Luciano e Lorenzo, para entender o que precisa ser feito.”

Oficializou a recuperação através de uma apresentação secreta na Via dei Bardi, na adega onde havia começado com Litifba. O que Bello dirá hoje para esse bad boy?
“Não toco lá desde 1988, senti que estava voltando ao começo e não só pela umidade que quebrou meus ossos. “Redescobri a ligação com as minhas raízes e diria ao Piero para estudar sempre a realidade, ele próprio, o presente e os outros.”

25 de abril de 2024