Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Centro-direita e caso da Rússia, Gopasir alerta para interferência – Política

Centro-direita e caso da Rússia, Gopasir alerta para interferência – Política

A cena do caso da Rússia se abriu devido ao descuido da publicação ‘La Stampa’ então pela Repubblica. Além Envolva a Liga nas discussões entre Antonio CapuanoReferido como Assessor de Relações Internacionais do Presidente da Liga do Norte, E Oficial da Embaixada da Rússia Oleg KostyukovAgora eles também vão para Forza Italia Silvio Berlusconi. Um telefonema que teria feito toda a atenção do presidente italiano na quarta-feiraEmbaixador da Rússia na Itália Razov. “Nunca conheci o embaixador russo, nunca conversei por telefone com ele”, respondeu Berlusconi.

Trechos do telefonema publicado por ‘La Repubblica’. “Falei com o embaixador russo na Itália. O que Zelensky fez, ele explicou suas razões – Cavalier teria dito a alguns grandes nomes que foram encontrá-lo em Villa Grande, enquanto a decisão de derrubar o governo Draghi estava madura – eu disse-lhe que a Ucrânia era responsável pelas vinte mil baixas nos territórios disputados, e que a Ucrânia era a Rússia. Ele também disse que a invasão era necessária devido ao perigo de ataque. A embaixada russa na Itália era “o canal de comunicação de Salvini com Moscou – ele escreve ‘República’ – teatro de reuniões com Razov imediatamente após o início da guerra”.

A resposta de Moscou. “É tudo como um conto de fadas: quanto mais você avança, pior fica”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, à ANSA. “Antes – acrescenta Zakharova – a capacidade de mudar governos em Roma era atribuída ao embaixador russo, agora um primeiro secretário ordinário pode fazê-lo pedindo a um assessor de um dos políticos italianos”. “Consideramos a Itália um país soberano que segue uma política interna e externa independente: um país forte que ocupa um lugar único na história mundial e tem um impacto positivo na vida internacional”.

READ  Eleições, ao vivo - Draghi na reunião do CL: "O próximo governo vai superar as dificuldades". Conte: "Um legado modesto dele na agenda social"

“É estranho para nós que a classe política italiana e a mídia, esquecendo sua autossuficiência e orgulho nacional, comecem a se guiar por atores externos, tentando jogar e até copiar grosseiramente as piores práticas e modelos de campanhas eleitorais. o mito do “cartão russo” e a interferência de Moscou nos processos eleitorais”, disse a chanceler russa, Maria Zakharova, porta-voz do ministério.

Antecedentes de La Stampa. Nos interlúdios de maio, ‘La Stampa’ publica outro pano de fundo para a organização da viagem de Capuano e Salvini à Rússia, que mais tarde foi omitido. Segundo o jornal, o emissário de Salvini teria tentado atuar como banco junto aos chineses. Capuano se reunirá com Zhang Yanyu, chefe da seção política da Embaixada da China na Itália, e lhe contará sobre uma missão planejada pelo chefe da Liga em Moscou de 3 a 7 de maio, com o objetivo de conhecer “as empresas russas e os Ministro dos Negócios Estrangeiros e o Presidente”.
Na ocasião, o conselheiro da Liga do Norte teria aproveitado para “pedir ao diplomata chinês uma oportunidade de marcar um encontro com o chanceler chinês Wang Yi em Pequim antes de retornar da Rússia”. Ele também propôs uma “reunião remota na embaixada chinesa”, segundo ‘La Stampa’, para evitar as restrições associadas à pandemia.

Gopasir já havia alertado sobre possível interferência externa há duas semanas nas eleições. ‘Il Foglio’ publica parte da carta enviada há 14 dias pelo presidente da Comissão Parlamentar de Defesa da República, Adolfo Urso, aos presidentes do Senado e da Câmara, Elisabetta Casellatti e Roberto Figo. “Peço ao Parlamento que esteja ciente de uma possível interferência externa em funcionários eleitos nos próximos meses”, escreveu Urso. A carta do presidente da Copasir, conforme relatado pelo ‘Il Foglio’, refere-se à “Resolução votada em 9 de março pelo Parlamento Europeu sobre a interferência estrangeira na política dos países da UE e informações falsas como resultado do trabalho realizado”. Por uma comissão especial constituída de Bail. ‘Il Foglio’ lembra que a declaração em que Estrasburgo aprova a repressão à interferência estrangeira na vida política de outros países “menciona também a relação entre alguns partidos europeus e a Rússia. Em particular, Rússia Unida, partido de Vladimir Putin”. Os famosos “Pactos de Cooperação” entre o Partido de Moscou e a Liga do Norte. Sem esquecer o partido austríaco Freiheitlich Asterrichs, o francês Rassemblement Nationale, o alemão Aft, os húngaros Fidesz e Jobbik e o partido Brexit no Reino Unido”.

READ  Mais um duro golpe no verão depois de Ferragosto, este é «3B Meteo

“Até onde os serviços secretos italianos sabem, posso dizer que esta conversa não favorece a queda do governo Draghi. Talvez seja muito curioso”. Ele disse Franco Gabrielli, Capacitado para a defesa da República. Gabrielli estava respondendo a perguntas sobre supostos contatos entre o conselheiro de Salvini, Antonio Capuano, e Oleg Kostyukov, o embaixador russo em Roma. Segundo Gabrielli, a notícia veio “no momento em que o país precisa desesperadamente de paz”.

Reações políticas

Enquanto isso, Elio Vito, ex-extremista e deputado do Forza Italia, apresenta uma proposta no Twitter: “Berlusconi e Salvini devem ser excluídos de qualquer aliança política, de qualquer competição eleitoral, por manter relações com a Embaixada da Rússia na Itália nas últimas semanas”. + O secretário para a Europa e o subsecretário de Estado dos Negócios Estrangeiros também foram críticos Benedetto della Vedova No Fb: “Berlusconi falou com o embaixador russo e agora pede aos ucranianos que aceitem as perguntas de Putin; são palavras pesadas como pedras e com absoluta gravidade. Depois de Salvini, é Berlusconi quem nos lembra que a direita tem ideias muito específicas. O lugar da Itália no mundo: amigos de Putin e Orban e seus modelos autoritários e liberais”. “Salvini e Berlusconi – acrescenta – mostram felicidade com Putin e seus mísseis que continuam a atacar o público; em vez disso, apoiamos a resistência ucraniana que defende a democracia e as aspirações europeias de Kiev. Com Putin ou com a Ucrânia e a UE. : Certo – conclui Della Vedova – aos eleitores e parceiros internacionais Explique a escolha”.

“Começou uma campanha eleitoral com muitas mentiras, a centro-direita percebeu que deve ganhar as eleições, e daqui começam os ataques. Eles não se importam conosco, mas os cidadãos precisam saber a verdade”, disse. declara o Nacional. Coordenador da Come On Itália, Antonio Tajani. “Não houve telefonema ou reunião de Berlusconi com o embaixador russo, isso é uma notícia completamente fabricada”, acrescentou. “Bastava ligar e perguntar se o telefonema era real. Fiquei surpreso que jornalistas que deveriam ser sérios, confiáveis ​​e confiáveis ​​dissessem isso sem verificar se houve telefonemas ou não. Berlusconi recusou”.

READ  Torre del Greco (Nápoles), Nova Blitz com Ácido: Mulher Afetada

Rússia, Tajani: ‘Sem telefonemas entre Berlusconi e embaixador, calúnia que rejeitamos’


Democratas estão pedindo esclarecimentos a Maloney. “As garantias de Giorgia Meloni sobre a posição atlântica e ocidental não são suficientes. Matteo Salvini, em vez de negar e esclarecer, não pode fazer nada além de falar bobagem, atacando a mídia e os jornais como criminosos. nosso país: Salvini é claro em suas relações com a Rússia, Meloni as espera tanto quanto nós. Salvini não é um espectador, mas o líder de uma importante força política na coalizão de direita. poluindo nossa campanha eleitoral. Não pode haver ambiguidade por parte dos candidatos que vão governar a posição internacional do nosso país”, disse Simona Malpesi, líder dos senadores do Partido Democrata.