Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Bruxelas sem acordos de gás, Moscou dita seus termos

A disputa entre a União Europeia e a Rússia sobre o gás gira em torno da duração dos contratos. Embora os preços das matérias-primas mantidos pela União Europeia não dêem sinais de queda, o desafio oculto entre Bruxelas e Moscou sobre como regular o abastecimento continua nos próximos meses. Ou melhor, anos. Por um lado, o Kremlin nega qualquer envolvimento por trás da escassez que está mantendo os preços acima dos níveis de alerta e, por outro lado, a Comissão continua a reiterar que, embora a Noruega tenha demonstrado ampla disposição para aumentar o abastecimento, a Rússia está buscando mais do que o necessário. Uma coisa é certa: hoje a União Europeia encontra-se com um lado aberto, stocks em mínimos históricos, divisões internas e uma dependência “política” mais forte de Moscovo do que antes, quando o inverno se aproxima.

Na semana passada, o custo do gás caiu ligeiramente na esteira das convenientes inaugurações do presidente Vladimir Putin, que se mostrou disposto a aumentar o fornecimento de gasodutos para o Velho Continente. Mas na segunda-feira, os preços começaram a subir novamente, revertendo o curso. O preço do gás de novembro no hub holandês TTF aumentou 7,70 euros para 91,50 euros por megawatt-hora (MWh), enquanto o contrato de entrega de dezembro aumentou 8,20 euros para 92 euros / MWh. A chegada de um outono mais frio do que o normal aumentou as expectativas. Além disso, analistas da Engie EnergyScan apontaram que os preços do carvão na Ásia estão mais caros, o que pode indicar aumento das compras de carvão e gás por produtores de energia, o que por sua vez pode aumentar a pressão sobre o gás europeu.

Em uma entrevista ao jornal espanhol El País, o Alto Representante da UE para Relações Exteriores e Política de Segurança, Josep Borrell, admitiu que a UE ainda precisa do gás russo e provavelmente precisará dele mais do que esperava. As palavras de um membro da comissão que fez uma viagem diplomática à Rússia em fevereiro foram desastrosas, e a agência de notícias oficial russa TASS relançou imediatamente. No entanto, a Comissão encontra-se com armas enfadonhas para tentar travar o caro gás que está a aumentar as contas dos cidadãos europeus e a pôr em causa a restauração de todo o tecido industrial devido ao aumento dos preços da eletricidade. O comissário da UE para o Mercado Interno, Thierry Breton, disse que Bruxelas iria “encorajar os Estados membros a reduzirem os impostos sobre a energia”, antecipando algumas questões para as rádios francesas que serão abordadas nas comunicações a serem anunciadas pela comissão na quarta-feira. “Cada estado terá a oportunidade de cortar impostos sobre a energia, como um imposto sobre valor agregado, para redistribuir em favor dos mais desfavorecidos”, explicou Britton, uma vez que há 36 milhões na União Europeia que poderiam ser considerados os mais punidos país. da crise de preços.

READ  "Você é o fogo dos incineradores da Covid, nós somos um foguete no espaço" - Corriere.it

No momento, o projeto lançado por Bruxelas e com o apoio de alguns (alguns) estados membros dos centros de armazenamento compartilhado a nível comunitário terminou. Muitos países, principalmente os chamados “parcimoniosos” – os mesmos países que alertam para os riscos de longo prazo da inflação na esfera monetária – acreditam que as causas subjacentes ao aumento do preço do gás são transitórias e, portanto, vale a pena esperar por um ajuste natural do mercado. A Comissão deverá garantir nesta quarta-feira o compromisso de considerar estoques normais, seguindo as modalidades de compra de vacinas, a partir de dezembro, mas apenas de forma voluntária entre países que já demonstraram sua disponibilidade, como República, França e Espanha. No entanto, espera-se que os tempos sejam muito longos, dado este inverno. Porque até no comitê há quem acredite que o mercado vai bem e que não há necessidade de correções fundamentais. Por outro lado, Borrell tem uma opinião diferente “Seria razoável repensar o modelo atual do sistema de preços de eletricidade, mas mudar este tipo leva tempo, enquanto a situação atual exige decisões mais rápidas”.

A disputa, conforme mencionado, gira em torno da duração dos contratos. No sistema da Rússia Preços de gás natural é diferente daquele adotado pelos países da Europa Ocidental nos últimos anos após a liberalização do mercado. O preço do gás no mercado russo em contratos de longo prazo tende a estar correlacionado com o preço do petróleo (ligeiramente inferior ao último). “Aqueles que concordaram em fechar contratos de longo prazo conosco na Europa agora podem ficar felizes com isso”, disse Putin há alguns dias.

Há vários anos no mercado europeu, optou-se por separar o preço do gás do preço do petróleo bruto, tornando-o determinado pelo encontro da oferta e da procura (preço) Centro) A Gazprom não mudou o design do seu sistema ao longo do tempo Preços Mas introduziu “descontos” para torná-lo competitivo e menos vulnerável às flutuações do preço do petróleo. Graças a essas vantagens alternativas, os descontos oferecidos pela Gazprom costumam ser bastante acessíveis, mesmo que sejam inferiores aos preços do centro.

Nos últimos anos, a Europa decidiu liberalizar o gás do índice ao petróleo para flexibilizar o preço, além de negociar com a Gazprom e outras empresas que impõem preços. relacionado ao óleo Os contratos estão mais curtos do que nunca. Segundo Putin, esse foi um grande erro dos países europeus. Para o presidente russo, a escassez é “a soma de vários fatores, incluindo ações precipitadas, que levaram a um desequilíbrio nos mercados de energia europeus”. “A Rússia – ele confirmou há poucos dias – é um fornecedor confiável de gás para a Ásia e Europa e respeita totalmente seus compromissos.” “A Gazprom nunca se recusou a aumentar o fornecimento de gás à Europa se assim o solicitasse”, acrescentou. No mínimo, a “política de contrato de curto prazo” pode ter se revelado “errada”. No entanto, isso é interdependência, porque a Rússia também depende das compras europeias. Há poucos dias, o ministro das Relações Exteriores Lavrov admitiu a dependência da Europa dos suprimentos russos, “mas dependemos em grande parte de quem compra esse gás”.

READ  A Bielo-Rússia sequestra um avião, prende um dissidente, o Conselho da União Europeia discute sanções. Gentiloni: A Europa responde. Farnesina encontra o embaixador

Entende-se que, no contexto global de escassez aguda de todas as matérias-primas, a Rússia, por meio de seu estado e monopólio Gazprom, tem grande interesse em concluir contratos de fornecimento de longo prazo com seus clientes. E sobretudo com clientes que decidiram acelerar a transição verde, libertando-se de forma gradual mas decisiva das fontes de energia fóssil. Em primeiro lugar, o petróleo e o carvão, mas também a partir do gás que de certa forma é uma “ponte” boa, porque é menos poluente que outras, para chegar ao ponto de inflexão verde. No entanto, um inverno mais frio do que o normal no ano passado e um verão menos ventoso do que o normal este ano, com consequências claras para os parques eólicos no norte da Europa, exacerbaram a explosão da demanda global após a pandemia. Por sua vez, a TASS relatou satisfação – ou algo assim – em previsões preparadas pela Gazprom para um inverno “frio e com neve” em 2021-2022.

A Gazprom Export anunciou que venderá mais gás para a Europa em sua plataforma de comércio eletrônico (ETP) esta semana, com entrega a ser realizada no terceiro trimestre de 2022. Ela o fará com base em contratos de médio e longo prazo. Em entrevista ao Financial Times, Vladimir Chizhov, representante permanente da Rússia na União Europeia, disse esperar que a Gazprom, empresa estatal que fornece 35% das necessidades de gás da Europa, responda rapidamente às instruções do presidente. Vladimir Putin, para ajustar a produção. Putin deu alguns conselhos à Gazprom para ser mais flexível. “Há algo que me faz pensar que a Gazprom vai ouvir”, disse Chizhov, convencido de que o procedimento seria feito rapidamente. Embora rejeite as alegações dos eurodeputados de que a Rússia desempenhou um papel na crise do gás na Europa, Chizhov afirmou que a escolha da Europa de tratar Moscovo como um “adversário” geopolítico não ajudou.

No entanto, as dúvidas sobre o papel de Moscou não foram totalmente dissipadas. Por outro lado, é o mesmo expoente russo que diz “As pessoas começarão a olhar em volta, olhando novamente para o gás e o carvão, o que alguns já estão fazendo”. Como se isso significasse que a Europa terá que se recompor e acumular os combustíveis fósseis que deseja desesperadamente deixar de lado nos próximos anos.

READ  "Essa bagunça é um grande erro, mas nós o apoiamos."

Os estoques europeus de gás estão hoje em níveis abaixo da média dos últimos anos. No final de setembro de 2021, em comparação com o ano passado, as estações de armazenamento na União Europeia careciam de um total de cerca de 20,5 bilhões de metros cúbicos, de acordo com relatórios da Gazprom.

É claro que os atuais confrontos políticos entre a UE e a Rússia também desempenham um papel no jogo do gás. disse Alexei Pushkov, presidente do Comitê do Conselho da Federação (Parlamento) sobre política de informação e interação com a mídia. Além disso, Pushkov destacou que os americanos também compram gás e petróleo da Rússia e que a Europa se encontra na situação atual por conta de uma política energética equivocada, principalmente por causa da aposta nas fontes renováveis ​​de energia. Bruxelas está bem ciente desse jogo partidário: segundo Borrell, Moscou “quer abrir o Nord Stream 2”, o polêmico gasoduto, ao qual os Estados Unidos se opõem veementemente, que liga a Rússia à Alemanha sem passar pela Ucrânia, onde Moscou está conflito. Nos últimos dias, a Gazprom começou a canalizar gás, mas sua entrada em operação deverá superar algumas questões jurídicas na Alemanha que Moscou gostaria de superar o mais rápido possível a fim de diversificar seu abastecimento e aumentar sua centralização no abastecimento europeu. correntes. É claro que Moscou “está aproveitando esta situação para levar água para sua usina, é uma posição que faz parte do jogo de pressão política”, acrescentou Borrell.

Os que ficaram diretamente indignados com as medidas russas são a vizinha Polônia, que teme, por causa do gás, a estabilidade dos preços dos alimentos. O aumento também afetou os fertilizantes, que cresceram 79% em relação ao ano passado, e a responsabilidade “está nas decisões da Gazprom que impediram a venda desse recurso”. Esta afirmação consta de uma nota informativa apresentada hoje pela Delegação Polaca ao Conselho da Agricultura e Pescas do Luxemburgo. Já durante a reunião do Conselho Ambiental da semana passada, Varsóvia apontou o dedo para a especulação e a Rússia. Hoje, ele enfatizou que os aumentos nos preços do gás que afetam os fertilizantes “colocam em risco o cumprimento dos requisitos básicos da União Europeia decorrentes do Acordo Verde Europeu”. “O impacto da crise dos fertilizantes se estenderá a toda a economia – como afirma a nota – o que por sua vez levará a tensões sociais”. A Polônia está buscando uma compensação para os agricultores a fim de “estabilizar os preços dos alimentos”.