Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“América do Sul, um continente em formação”

Martín Caparros – Ibá

“Temos que ser e isso não acontece: somos uma autoderrota / Ser latina muitas vezes parece uma tarefa sem fim: é decepcionante, não acontece.” cinquenta anos depois Veias abertas da América Latina De Eduardo Galeano, “Memória dos Erros” sofridos pela Conquista, que destilou a “bebida amarga” da vítima por gerações de latino-americanos, como explora Martín Caparros em América (Traduzido por Sara Caravero, Einaudi, pp. 728, € 25,00) A realidade atual do continente, ofuscada por estereótipos. Depois de décadas sendo espancado para contá-lo, o mestre da reportagem narrativa – argentino de nascimento e espanhol por adoção – traça com ceticismo como bússola e pesquisa minuciosa por método, uma impressionante história da América Latina. Ao mesmo tempo, escrever um ensaio e desenhar mapas históricos, políticos, sociais e econômicos de um continente que, para ser conhecido, deve antes de tudo ser renomeado. “Já faz algum tempo que reproduzimos velhos clichês. Achei que valia a pena dar uma olhada neles para ver o que era mais preciso América, Se existe, o que constitui e quem somos nós, americanos”, explica a declaração de Caparrós vir. De perto, atento “mais ao ordinário, menos ao extraordinário”, mas com a ambição de reconstituir o complexo mosaico, autor de fome (Einaudi) expõe algumas peças.

Caparrós, por que renomeamos o continente, 500 anos após sua descoberta?

Porque se tornou um nome forte. Ocupa um sétimo da área terrestre da Terra e é o lar de 640 milhões de pessoas, das quais 420 milhões falam a língua castelhana. Saí do Brasil, para focar nos vinte países que falam o mesmo idioma, algo que não acontece em nenhum outro lugar do mundo. E como o lema do espanhol é Ñ, que não existe em outras línguas românicas, valia a pena brincar com um novo termo.

Ibero-América, América Latina, América Latina não são sinônimos?

READ  Vinhas Experimentais: Para Tenute Tomasella Confidence Council for Research in Agricultura and Agricultural Economics Analysis (CREA)

Eles oferecem espaços premium. A América Latina é invenção dos franceses quando, por volta de 1850, quiseram expandir sua influência na região, mas inclui Brasil, Haiti e Suriname, uma série de países de língua não espanhola. A Ibero-América é aquela que surgiu dos reinos ibéricos, um dos quais foi Portugal, que incluía o Brasil. Por outro lado, a América Latina é a região com a qual estou lidando, mas parece domínio imperial, burocracia e francês antigo.

Por que a conta do Galeano hoje é inválida?

No meio século desde que foi publicado veias abertas A mudança foi drástica. A população, antes majoritariamente rural, hoje é 80% urbana. A América é a região mais civilizada do mundo. É formado por grandes cidades que não conseguem acompanhar seu crescimento. Eu viajei 7 ou 8 deles, de Buenos Aires a Caracas, de Bogotá à Cidade do México, porque você só pode entender a partir dessa explosão monstruosa.

Explica estereótipos, até mesmo a pobreza Está entre eles?

A pobreza é, sem dúvida, maior na África e em alguns países asiáticos. Mas a América é a região mais desigual do mundo, onde a elite vem se formando há cinco séculos, e o acúmulo de dinheiro e privilégios, que leva a desigualdades extremas. Se dividirmos essa falácia estatística de que o PIB é representado pela população, a renda per capita parece ser maior. Mas, ao refinar os números, surge uma grande disparidade em relação ao grande número de pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza. Fiquei pensando o porquê e a resposta: porque pode. A economia sempre foi baseada na extração e exportação de matérias-primas. E cada vez menos mão de obra é necessária para extraí-lo. Os americanos ricos não precisam de seus pobres para trabalhar ou, por outro lado, para consumir, porque o mercado é fundamentalmente estrangeiro. Eles podem desistir.

O “continente turbulento” é também onde a paisagem mais mudou Humano?

Por milhares de anos, a principal característica da América foi a recepção de imigrantes, desde que o Estreito de Bering congelou há 20.000 anos e alguns siberianos conseguiram atravessá-lo e habitar o norte. No século XVI, chegou a segunda onda, os “conquistadores” espanhóis, que cometeram horríveis genocídios, impondo sua língua, cultura e religião. Nos séculos XVII e XVII, a terceira e mais vergonhosa onda resultou da captura de milhões de africanos que eram empregados como escravos. Quarto, na virada dos séculos 19 e 20, pertencia aos pobres do sul da Europa, muitos dos quais eram espanhóis e italianos. Enquanto nos últimos quarenta anos, a América Latina começou a expulsar imigrantes em uma quinta onda que se opõe à onda anterior. Hoje é a região com maior percentual de imigrantes. O que diz muito sobre nosso fracasso em construir sociedades confiáveis.

READ  Polistena, projeto "Semana Sustentável" é bem sucedido

Entre os muitos clichês que derruba, está o nativismo, que ele define como “a versão social da vulgata ecológica”, para se referir à autenticidade dos povos indígenas. Por que a bolha como uma ideia conservadora e paternalista?

Espanta-me que sejam precisamente os setores progressistas, empenhados em mudar e melhorar as condições de vida, que esperam que os outros permaneçam imóveis no tempo, isolados, sem progresso. É contraditório e baseado em uma ideia muito perigosa da pureza do sangue. Além disso, cria divisão entre os pobres. O fato de seu avô ser Mapuche Não lhe dá mais direitos do que o seu vizinho.

Uma das características que ele descobre América é que os descendentes africanos são comparativamente poucos: a forma exata continua racismo?

O racismo não é nada sutil. Em geral, os negros na América Latina não ocupam cargos de poder, raramente governam e poucos possuem riqueza significativa. Custa mudar as estruturas. Mesmo em países onde a chamada esquerda está no poder, os negros não estão no topo, e Cuba é o exemplo mais óbvio.

Outra lei não escrita, mas ainda em vigor, é a masculinidade: algo mudou?

Deixando de lado a discriminação no emprego, acho que foi uma das mudanças mais importantes, claro nas categorias média e alta e por país. Em geral, o movimento feminista é o movimento político que mais avançou nos últimos vinte ou trinta anos, porque tem um objetivo muito claro e concreto, não precisa de um projeto utópico complexo.

Quais recursos podem fazer a América pensar nisso como um Único?

Um termo que significa uma cultura e uma maneira de descrever o mundo. Uma religião, tanto católica quanto cristã, que exerceu enorme controle e agora é ameaçada em um de seus últimos redutos pela fé evangélica. Acho que, apesar de tudo, nós, americanos, temos uma visão comum de esperança: a ideia de que sempre é possível agir para que algo de bom aconteça. A percepção de um continente em construção está em curso, para tentar fazê-lo melhor.

READ  Superbonus, lavori até 10mila euro: cancellati vincoli e spese

As recentes mudanças políticas, que endossam a guinada à esquerda, respondem ao mesmo anseio?

A esquerda latino-americana inclui experiências muito diversas, porque felizmente Boric ou Petro não têm nada a ver com Ortega ou Diaz-Canel. As mudanças foram interessantes nos últimos dois anos. Eu insisti que o protesto em nosso país, “Procrastinação” Do povo da praça, as energias desperdiçadas não foram direcionadas para a política. Em vez disso, isso está mudando. Os novos governos não querem adotar medidas radicais de esquerda, apenas para salvar os serviços públicos e os mais vulneráveis, para que a saúde e a educação estejam ao alcance de todos. Em países onde é privado, pode ser uma revolução.

Também um laboratório para novas políticas?

Esta é uma ideia muito européia e está fixada na história. A Europa sempre considerou a América um lugar para projetar sua utopia.