Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A produção de energia fóssil na União Europeia atingiu um mínimo histórico, mas o gás domina a eletricidade italiana

A produção de energia fóssil na União Europeia atingiu um mínimo histórico, mas o gás domina a eletricidade italiana

Relatório Ember: Queda na demanda leva ao colapso do carvão e do gás no primeiro semestre de 2023, à medida que a energia solar impulsiona o crescimento da energia limpa

[30 Agosto 2023]

De acordo com o relatórioA produção de combustíveis fósseis na União Europeia atinge um mínimo histórico à medida que a procura diminui‘, publicado pelo Emper Energy Research Center, “A energia solar impulsiona a mudança da UE para a energia limpa à medida que o carvão e o gás diminuem. O primeiro semestre de 2023 assistiu a um colapso na produção de fósseis na União Europeia, resultando na produção mais baixa alguma vez registada. A energia eólica e solar continuou a crescer, com a produção solar a aumentar 13% e a geração eólica a aumentar 5%. A energia hidroeléctrica e nuclear estão a recuperar de mínimos históricos registados em 2022, embora as suas perspectivas a longo prazo sejam incertas.

Na União Europeia, de Janeiro a Junho, os combustíveis fósseis produziram 410 terawatts-hora de electricidade, o equivalente a 33% da procura, o número mais baixo de sempre. O declínio foi liderado pelo carvão, que caiu 23% no primeiro semestre do ano, enquanto o gás caiu 13% em termos anuais. Em Maio, o carvão atingiu um mínimo histórico, produzindo pela primeira vez menos de 10% das necessidades de produção de electricidade da UE.

Segundo a autora do relatório, Sarah Brown, chefe do programa europeu da Ember, “O colapso dos combustíveis fósseis foi causado principalmente por uma queda significativa na procura de electricidade, no contexto do aumento contínuo dos preços do gás e da electricidade, devido ao declínio na produção industrial.” Procedimentos de produção e emergência durante o inverno. Para acomodar a recuperação da procura e, ao mesmo tempo, garantir que a transição energética continua no bom caminho, a UE deve acelerar a implantação de energias limpas, com especial destaque para a resolução dos obstáculos à integração das energias renováveis.

READ  Duas viagens no final do ano para incentivos renovados

Na verdade, devido aos preços mais elevados da energia e às medidas de emergência, a procura de electricidade na União Europeia caiu drasticamente para um mínimo histórico de 1.261 TWh, o que é ainda inferior ao mínimo pandémico de 2020 de 1.271 TWh e pelo menos desde 2008 para o actuais Estados-membros. Este declínio é responsável pela maior parte do declínio na produção de energia fóssil na União Europeia

Em contrapartida, a energia solar continuou a crescer no primeiro semestre do ano, com a produção a aumentar 13% face ao mesmo período de 2022. A produção eólica aumentou 5%, enquanto a energia hídrica recuperou (+11%). A atividade nuclear diminuiu (-4%), mas espera-se que o EMBER melhore ao longo do ano.

De Janeiro a Junho, 17 países produziram quotas recorde de energias renováveis, com a Grécia e a Roménia a ultrapassarem os 50% pela primeira vez, e a Dinamarca e Portugal a ultrapassarem os 75%.

As coisas não estão tão boas ItáliaQue o governo de direita da Geórgia Meloni quer transformar num centro de gás enquanto o consumo de gás cai e poderia implementar uma manobra económica que reduziria os incentivos às energias renováveis. Com efeito, no que diz respeito ao nosso país, o relatório Ember mostra que “a Itália continua dependente dos combustíveis fósseis, com o gás fóssil a representar 51% do cabaz eléctrico em 2022”. para’Análise âmbar O Plano Nacional de Energia e Clima da Itália (Pniec) revela que “há atualmente o maior aumento na produção de eletricidade a partir do gás na UE até 2025 (+24 TWh)”.

Mas o estudo de Ember também indica que “em abril de 2021, o Ministro italiano da Transição Ambiental (Roberto Cingolani, governo de Draghi, Sr. Dr.) anunciou uma nova meta para a produção de 70% de energia renovável até 2030, o que está bem acima da média da UE de 55%.

READ  Eicma 2021, Moto Morini apresenta o novo SEIEMMEZZO

No entanto, a realidade é que “entre 2015 e 2020, a proporção da electricidade italiana produzida apenas a partir da energia eólica e solar aumentou de 13% para 16% e, portanto, será necessário um grande passo em frente na implantação de energias renováveis ​​para alcançar este objectivo”. novo alvo. Produzido por. O plano é instalar 65-70 gigawatts de energia renovável, principalmente eólica e solar, durante a próxima década.

Mas as decisões do governo de Meloni e do “plano Matte” parecem ir na direcção oposta ao que recorda Ember: “Para se conformar com 1,5ºC, a Itália deve reduzir a sua dependência do gás fóssil importado, eliminando as barreiras existentes”. Implantar energia eólica e solar doméstica.

O coautor do relatório, Matt Owen, analista de dados europeus da Ember, conclui: “O declínio dos combustíveis fósseis é um sinal dos tempos. O carvão e o gás são caros, arriscados e a UE está a eliminá-los. Mas precisamos de ver soluções limpas. A energia substitui os combustíveis fósseis mais rapidamente. São urgentemente necessários esforços massivos, especialmente nas energias solar e eólica, para apoiar a economia resiliente em toda a Europa.

Talvez o Ministro do Ambiente e da Segurança Energética, Gilberto Becchetto Frattin, e a Primeira-Ministra Giorgia Meloni fizessem bem em ouvi-lo e ler o relatório Ember, para que não sejam deixados para trás e deslocados por uma Europa energética aparentemente sem saída. Para onde exatamente eles estavam convencidos de que isso iria acontecer?