Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Você já se sentiu “ser”?  A ciência pode explicar esse sentimento estranho

Você já se sentiu “ser”? A ciência pode explicar esse sentimento estranho

Se você já sentiu uma sensação estranha de ter uma presença na sala quando tinha certeza de que estava sozinho, pode estar relutante em admitir isso.

A menos que você tenha uma explicação para ajudá-lo a processar a experiência, a maioria das pessoas terá dificuldade para entender o que aconteceu. Mas a pesquisa agora mostra que essa experiência etérea é algo que podemos entender, usando modelos científicos de mente e corpo e a relação entre os dois. Um dos maiores estudos sobre esse tópico foi realizado já em 1894. A Society for Psychical Research (SPR) publicou o Censo de Alucinação, uma pesquisa com mais de 17.000 pessoas no Reino Unido, Estados Unidos e Europa. A pesquisa visa entender o quão comum é as pessoas fazerem visitas aparentemente impossíveis que pressagiam a morte. O Relatório de Revisão Estratégica concluiu que, na maioria das vezes, essas experiências ocorreram por acaso (1 em 43 pessoas pesquisadas). Em 1886, a SPR (que contava com o ex-primeiro-ministro britânico William Gladstone e o poeta Alfred, Lord Tennyson entre seus patronos) publicou Phantasms of the Living. Este grupo incluiu 701 teletransportes, premonições e outros fenômenos incomuns. Por exemplo, o reverendo PH Newnham, de Devonport em Plymouth, contou a história de uma visita à Nova Zelândia, onde a presença de Lilly o alertou para não fazer um passeio de barco ao amanhecer na manhã seguinte. Mais tarde, soube-se que todos os que estavam na viagem haviam se afogado. O censo foi recebido com menos ceticismo, mas ainda sofria de viés de resposta (quem se importaria em responder a tal pesquisa, exceto aqueles com algo a dizer). Mas essas experiências ainda vivem em lares em todo o mundo, e a ciência contemporânea fornece insights para entendê-las.

READ  La Sapienza celebra o Prêmio Nobel de Paris: 'gigante da ciência'

Muitos dos relatos colhidos pela SPR soam como hipnagogia: experiências alucinatórias que ocorrem à beira do sono. Tem sido sugerido que muitas das experiências religiosas registradas no século XIX têm base na hipnagogia. Os acidentes estão intimamente relacionados à paralisia do sono, que cerca de 7% dos adultos experimentam pelo menos uma vez na vida. Na paralisia do sono, nossos músculos permanecem congelados, mas nossas mentes estão ativas e despertas. Estudos indicaram que mais de 50% das pessoas com paralisia do sono relatam tê-la. Embora as presenças vitorianas documentadas pela SPR fossem muitas vezes benignas ou reconfortantes, exemplos modernos de sono induzido pela paralisia do sono tendem a distorcer a malevolência. Sociedades ao redor do mundo têm suas próprias histórias de presença noturna – desde o “Pequeno Monge com a Mão Furada” (Fradinho da Mau Furada) que podia se infiltrar nos sonhos das pessoas, até o Ogun Oro do povo Yoruba da Nigéria, que acreditava no produto de vítimas enfeitiçadas. Mas por que uma experiência como a paralisia cria um sentido de existência? Alguns pesquisadores se concentraram nos detalhes de acordar em uma situação tão incomum. A maioria das pessoas acha a paralisia do sono assustadora, mesmo sem alucinações. Em 2007, os pesquisadores do sono J. Allen Cheyne e Todd Girard argumentaram que, se acordarmos paralisados ​​e fracos, nossos instintos nos farão sentir ameaçados. Se somos presas, então deve haver um predador. Outra abordagem é examinar as semelhanças entre as visitas à paralisia do sono e outros tipos de existência animada. Pesquisas nos últimos 25 anos mostraram que a perseguição não é apenas uma parte regular da cena da hipnose, mas também foi relatada na doença de Parkinson, psicose, experiências de quase morte e luto. Isso indica que é improvável que seja um fenômeno específico do sono. Sabemos por estudos de caso neurológicos e experimentos de estimulação cerebral que a presença pode ser desencadeada por sinais corporais. Por exemplo, em 2006, o neurologista Shahar Arzi e seus colegas conseguiram criar uma “figura de sombra” de uma mulher cujo cérebro havia sido estimulado eletricamente na junção temporo-parietal (TPJ). A figura parece refletir a posição do corpo da mulher, e o TPJ reúne informações sobre nossos sentidos e nossos corpos. Uma série de experimentos em 2014 também mostrou que interromper as expectativas sensoriais das pessoas parecia estimular uma sensação de presença em algumas pessoas saudáveis. Os pesquisadores usaram um robô para bater nas costas dos voluntários em intervalos regulares. Quando o toque é assíncrono, os voluntários podem de repente sentir como se outra pessoa estivesse presente. Mudar as expectativas sensoriais da situação leva a algo como alucinações. Esse raciocínio também pode se aplicar a uma situação como a paralisia do sono. Todas as nossas informações usuais sobre nossos corpos e sentidos são cortadas neste contexto, então talvez não seja surpreendente que sintamos que há algo “outro” conosco. Podemos pensar que é outra existência, mas na verdade somos nós. Apesar de suas origens centenárias, a ciência neste campo está apenas em sua infância. No final, a pesquisa científica pode nos dar uma explicação geral, ou podemos precisar de diferentes teorias para explicar todos esses exemplos de existência. Se você nunca passou por algo assim, provavelmente conhece alguém que já passou.

READ  A academia em Cuneo foi programada para fechar por 12 dias

fonte:

https://theconversation.com/what-science-can-tell-us-about-the-experience-of-unexplainable-presence-201323