Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ucrânia, Rússia e o plano de paz chinês: o que Pequim diz

Ucrânia, Rússia e o plano de paz chinês: o que Pequim diz

Um ano após a eclosão da guerra entre a Ucrânia e a Rússia, no aniversário da invasão decidida por Moscovo, lança luz sobre o plano de paz que a China deverá apresentar. No documento sobre a solução política para a crise, a China vai restaurar as “posições” que tem mantido até agora e “ter em conta as preocupações razoáveis ​​de todas as partes, na esperança de criar o terreno mais amplo possível para a crise internacional”. Sociedade em torno da questão ucraniana “, disse ele. O chefe da diplomacia chinesa, Wang Yi, esperava, informou a Xinhua, no final de sua missão na Europa e na Rússia.

Falando ao The Washington Post, a vice-secretária de Estado dos EUA, Victoria Nuland, disse que os EUA esperam que a China apresente o anunciado plano de paz de 12 pontos para uma solução política da guerra na Ucrânia nas próximas horas. “Vamos esperar para ver o que os chineses trazem para a mesa, presumivelmente será anunciado”, previu Nuland em 24 de fevereiro, alegando não saber como seria apresentado.

Está agendada para sexta-feira uma reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a Ucrânia, que contará também com a presença do secretário de Estado norte-americano, Anthony Blinken, e não é de excluir que este seja o local. Nuland então enfatizou a importância de qualquer acordo para acabar com a guerra proporcionando uma paz justa e duradoura: “Não pode ser apenas um cessar-fogo cínico que dá aos russos tempo para ir para casa, descansar, reabastecer e partir. Mas se Xi Jinping conseguir Putin e seu exército fora da Ucrânia, acho que vamos aplaudir e colocar a paz como preço”.

Se a China e a UE “escolherem” o caminho da cooperação, esses esforços também serão de grande importância para uma solução política para a questão ucraniana, explicou Wang Yaya à linha de Pequim. “A amizade é a chave da política da China em relação à UE, e a cooperação é o objetivo geral”, disse Wang, segundo ele. “Se a China e a UE optarem pelo diálogo e pela cooperação, o confronto entre os blocos estará fora de questão; se ambos os lados escolhem a paz e a estabilidade, não haverá uma nova guerra fria; se os dois lados escolherem a abertura e a cooperação ganha-ganha, o desenvolvimento global e a prosperidade terão uma chance.”

READ  Gino Strada, Afeganistão e as trágicas ironias da história - Corriere.it

O diretor da Comissão de Relações Exteriores do PCC disse que a China e a UE devem excluir a interferência externa, administrar adequadamente as diferenças e fortalecer os intercâmbios e a cooperação para estabilizar a turbulenta situação internacional.Esses esforços também são de grande importância para a política. Resolução da questão ucraniana.

Em relação à crise ucraniana, “a China sempre esteve do lado da paz e do diálogo, do lado certo da história”. No ano passado, disse ele, Pequim “contribuiu ativamente para promover a desescalada e apoiar todos os esforços que levam a uma solução pacífica para a crise”.