Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ucrânia: drones ucranianos atingem uma grande refinaria na Rússia – o mundo

Uma das maiores refinarias de petróleo do sul da Rússia pegou fogo após ser atingida por dois “drones de Kyiv” . Uma dinâmica ainda sob investigação, que levou à queda do drone que percorria a fábrica, conforme mostra um vídeo postado nas redes sociais. As suspeitas também são alimentadas pelo fato de a refinaria ser de propriedade de uma empresa ligada a Oksana Marchenko, esposa do oligarca ucraniano pró-russo Viktor Medvedchuk, que está detido na Ucrânia por alta traição. Para a Rússia, é um dos golpes mais difíceis mesmo em nível simbólico, dada a permeabilidade que seu sistema de defesa aérea trai. Segundo o governador de Rostov, Vasily Golubev, “destroços de drones” foram encontrados na área e, poucas horas após o encerramento das atividades da refinaria, o fogo foi extinto. Uma escalada de ataques em solo russo pode complicar ainda mais as negociações sobre a liberação dos portos. “Congratulamo-nos com os esforços do secretário-geral das Nações Unidas” António Guterres “para anular a proibição de exportação de grãos dos portos ucranianos. As consultas estão em andamento. No entanto, nenhum acordo concreto foi alcançado sobre as conversações entre Ucrânia, Rússia , Turquia e as Nações Unidas até agora”, explicou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores em Kyiv Oleg Nikolenko, sobre o possível encontro de quatro pessoas na próxima semana em Istambul. A questão principal continua a ser as salvaguardas relativas à defesa das suas costas após a eventual desminagem do Mar Negro. Ele enfatizou que a segurança continua sendo um elemento essencial da posição da Ucrânia. Chuva fria após a reunião preparatória em Moscou entre as delegações da Turquia e da Rússia, que foi descrita como “positiva”, após a qual foi anunciada a saída de um navio mercante de Ancara que estava bloqueado em Mariupol.

READ  "Os russos não voltarão aqui" - Corriere.it

oEnquanto isso, as agências de inteligência Os russos penetraram em vários alvos nos Estados Unidos e em outros países aliados a Kyiv, de acordo com um relatório da Microsoft que mostra como Moscou lançou uma guerra cibernética global após a invasão da Ucrânia. Segundo o relatório, hackers russos tentaram se infiltrar nas redes (com sucesso em quase 30% dos casos), de mais de 100 organizações nos Estados Unidos e dezenas de outras organizações em 42 países desde o início da guerra. Entre os alvos estão os ministérios das Relações Exteriores da OTAN, organizações humanitárias, grupos de reflexão, grupos de tecnologia da informação e fornecedores de energia.

Se atacada, a Finlândia está pronta para lutar. Isso foi confirmado pelo chefe do Estado-Maior do Exército de Helsinque, Timo Kevinen, comentando sobre os perigos das ameaças militares da Rússia. “Desenvolvemos sistematicamente nossa defesa militar exatamente para o tipo de guerra que está sendo travada ‘na Ucrânia’, com uso extensivo de armas de fogo, forças blindadas e até forças aéreas”, explicou o general finlandês, citando o Guardian. e a Finlândia também.” Enquanto isso, dois drones pegaram fogo na fábrica de Novoshakhtinsk, na região de Rostov, a poucos quilômetros da fronteira ucraniana: isso foi relatado pelo serviço de imprensa da refinaria, citando a RIA Novosti. Houve alguns danos “causados pelos destroços dos drones” e “apagar os incêndios”

Rússia, uma refinaria de petróleo atingida por drones


do campo
No terreno, a batalha continua em Lugansk. O Estado-Maior ucraniano confirmou a intensificação dos ataques aéreos no rio Donbass e o avanço do inimigo além de Severodonetsk, que agora está em mãos russas, exceto no enclave da fábrica química de Azot, cujos bunkers ainda estão fortificados com mais de 500 civis, inclusive em menos 38 crianças. Kyiv também confirmou os “sucessos parciais” da Rússia no assentamento de Hersk, onde milícias separatistas alegaram ter “eliminado um grupo de mercenários”. As forças de Moscou estão se aproximando cada vez mais de Lysichansk, a cidade gêmea de Severodonetsk, onde mais de 1.300 soldados ucranianos e combatentes voluntários estrangeiros estão sitiados. No entanto, as perdas entre os pró-russos também seriam pesadas. De acordo com a inteligência britânica, os separatistas em Donetsk perderam mais da metade de seus combatentes, mortos ou feridos desde o início do conflito, e agora a Rússia provavelmente tentará implantar um grande número de unidades de reserva. Enquanto isso, os ataques continuam em todo o país. Morteiros disparados pelas forças russas mataram 5 mulheres na entrada de um prédio em uma vila no distrito de Izyum, na região de Kharkiv. Em Mykolaiv, no sul, vários foguetes mataram pelo menos uma pessoa, feriram dois civis e destruíram duas escolas. No entanto, o exército de Kyiv está se preparando para um contra-ataque em direção a Kherson e à faixa costeira, e ao mesmo tempo está tentando lançar novos ataques no Mar Negro depois de bombardear algumas plataformas de perfuração que, segundo a Ucrânia, escondiam “instalações” militares. E as “grandes perdas” causadas aos russos pelos ataques à estratégica Ilha da Cobra, na costa de Odessa.

READ  "Biden está terminando com Zelensky, por isso" - Libero Quotidiano

Ucrânia, devastação em Lysychansk após o bombardeio


“Na cúpula do G7 na Alemanha, o presidente Biden proporá um novo conjunto de medidas para aumentar a pressão sobre a Rússia.” Um alto funcionário da Casa Branca disse isso em um briefing com repórteres sobre a viagem do presidente dos EUA à Europa na próxima semana para participar das cúpulas do G7 e da Otan. “Para os Estados Unidos, o G7 foi pioneiro na imposição de sanções sem precedentes à Rússia em resposta à invasão da Ucrânia”, disse a fonte, declarando que o presidente ucraniano Volodymyr também intervirá na cúpula na Alemanha e em Madri Zelensky.