Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

The Legend of Zelda: Echoes of Wisdom, tudo sobre a primeira aventura estrelada pela Princesa de Hyrule

The Legend of Zelda: Echoes of Wisdom, tudo sobre a primeira aventura estrelada pela Princesa de Hyrule

The Legend of Zelda: Echoes of Wisdom, que foi surpreendentemente anunciado, chegará ao Nintendo Switch em 26 de setembro e contará com Zelda pela primeira vez.

Entre as “minorias vocais” deste último entre os fãs Lenda de Zelda Há dois impulsos em particular: um, que há anos – senão décadas – apela a um episódio protagonizado pela Princesa de Hyrule (em vez de Link) e o outro, que surgiu a partir de 2017, que apela a um estilo mais tradicional. episódio, ou seja, mais próximo de Estes são os “cânones” frequentemente citados por Aonuma, que definiram The Legend of Zelda entre 1991 e 2011. Depois há outra parte do público, que não podemos definir como uma minoria, que solicitou um episódio 2D. Bem, pelo menos dois desses três grupos ficaram satisfeitos durante o Nintendo Direct de ontem.

Muito poucos esperavam que a Nintendo anunciasse um novo jogo The Legend of Zelda naquele que será, muito provavelmente, o último ano de vida do Nintendo Switch. Porém, assim que o filme começou, muitos perceberam que estavam diante de um novo capítulo da série, um capítulo 2D, com Link canhoto mais uma vez. A questão é que o filme publicitário começa in media res, quando os jogos costumam terminar, com Link vs Ganon engajados em uma de suas atividades favoritas: jogar pingue-pongue com campos de energia, com Zelda selada e aprisionada em um cristal ao fundo. Como sempre, Link vence, derrota Ganon (presumimos que seja Ganon, pelo menos) e desaparece. Mas, ao contrário do costume, um fenómeno perturbador surge do topo do tridente: Hyrule é coberto Feridas roxas e multidimensionais, ansiosos por cobrir terras verdes e engolir seus habitantes. Surpreendentemente, o primeiro cidadão a ser engolido é o próprio herói, que realiza um último ato de bravura: agarra seu arco e quebra o cristal em que Zelda está aprisionada. Link e Ganon desaparecem e a princesa fica livre.

O primeiro capítulo da série Estrelando a Princesa Zelda (Sim, sabemos que isso é impreciso) Chegará ao Nintendo Switch em 26 de setembro de 2024 e virá acompanhado de uma versão temática da versão Lite da plataforma.

Zelda é 2D, mas não é um clássico

Como sempre acontece no mundo Nintendo, a mudança narrativa envolve sempre uma mudança estrutural: normalmente são as mudanças na jogabilidade que geram uma mudança de cenário. Se foi a ideia de The Legend of Zelda sem espada, ou de Zelda como protagonista, que veio primeiro, provavelmente nunca saberemos. O certo é que temos agora um episódio de cima para baixo onde a protagonista é a princesa, que ao contrário de Link não carrega uma espada, mas sim uma espada. Tripulação triplarecebido de sua companheira de aventura, a fada Tri, que provavelmente tem alguma ligação com a Triforce.

READ  Trailer de Blade Runner 2033: Labirinto é anunciado pela Annapurna Interactive
Zelda recebe o Tri Staff
Zelda recebe o Tri Staff

O principal poder desta ferramenta encantada é Crie réplicas (“ecos” em inglês) de outras coisas. Há uma mesa? Você pode, assim como em um computador, “copiá-los” e “colá-los”. Este é o primeiro e mais trivial exemplo: além dos diversos móveis, existem baús, pedras e até inimigos que você pode imitar e que lutarão por você. Se você observar com atenção, na lista na qual você escolhe a criatura a invocar (muito parecida com a criatura em Kingdom Tears), algumas delas possuem um ou mais triângulos para indicar, muito provavelmente, o “custo” ou dificuldade de invocar a réplica. .

A ausência da nova espada e do herói foi suficiente para criar um capítulo 2D completamente diferente dos capítulos tradicionais. Mas Onuma e seus companheiros não ficaram satisfeitos com isso, e continuaram seu caminho Componente areia Breath of the Wild e Tears of the Kingdom em The Legend of Zelda de cima a baixo. Foi o próprio Aonuma quem disse no vídeo de apresentação: “Cada jogador terá uma experiência diferente”, frase que pode ser encontrada na sinopse dos dois últimos jogos The Legend of Zelda de 2017 e 2023. Isto porque Staff Tri permite replicar diferentes objetos do jogo ao seu gosto, de forma criativa e intuitiva. O sistema é uma espécie de versão simplificada e mais imediata do Ultraman de Tears of the Kingdom: não é baseado no motor de física e não tem as mesmas melhorias, mas conceitualmente é mais compreensível e certamente será mais fácil de usar. Assim, a liberdade e a criatividade podem ser mais atrativas para o usuário.

O link é engolido por uma das rachaduras
O link é engolido por uma das rachaduras

Pela natureza de Stick of Tri, os fãs dos jogos Zelda “tradicionais” provavelmente ficarão desapontados mais uma vez. Não sabemos se a estrutura geral será free-to-play como Breath of the Wild, mas os quebra-cabeças duplos (solução correta/incorreta) que caracterizavam os jogos antigos definitivamente não retornarão. Os numerosos objetos – incontáveis ​​segundo Onuma – que serão replicados permitem uma abordagem criativa quebra-cabeça, que terá muitas resoluções diferentes, assim como no moderno The Legend of Zelda. Se os quebra-cabeças são “abertos” e não duais, ainda não é certo que elementos mais tradicionais não retornarão, como a ordem geral da aventura, característica típica da saga que foi removida nos capítulos de mundo aberto. Vimos apenas o Staff of Tri, que será certamente o elemento mais importante, mas isso não exclui a existência de outras ferramentas que possam permitir, gradualmente, a Zelda expandir o mapa por etapas, ao contrário do BOTW e TOTK com os quais ela pode ir a qualquer lugar instantaneamente.

READ  Os melhores pixels de todos os tempos chegarão à Itália com ótimos preços

Configuração e desenvolvedor

Ganon desaparece e seu tridente causa fendas interdimensionais que ameaçam Hyrule, uma das quais engole Link instantaneamente. Zelda consegue escapar e deve enfrentar a nova ameaça sozinha (ou melhor, com a fada Tri). Pelo trailer, pouco se pode entender sobre a história, além do fato de que provavelmente será Soldados do reino (ou parte deles) se rebelará contra Zelda.

Esta seção poderia ter sido retirada do filme Breath of the Wild
Esta seção poderia ter sido retirada do filme “2D” Breath of the Wild.

Nós a vemos iniciar sua jornada quando conhece Tree, que está presa como no início de A Link to the Past: o exército a mantém na prisão e talvez ela consiga escapar com a ajuda de – vemos isso por alguns momentos – Impa. Em alguns pontos do show vemos fases de rolagem lateral, como em Link’s Awakening, e outros onde Zelda parece ter acabado dentro de uma das fendas atacando Hyrule.

Em termos de cenário do jogo, vemos um Deku genérico e também a majestosa Great Deku Tree, aparecendo pela primeira vez em um episódio de cima para baixo. Há também uma joia para os fãs, em termos de cenário: Zelda se encontra conversando com Dois tipos de zoraE verde e ameaçador (típico dos primeiros episódios), e mais antropomórfico e urbano (mais comum de Ocarina of Time em diante). É um dos raros títulos que lhes são apresentados ao mesmo tempo. Veremos como eles tiram vantagem da situação. Não é nada claro ou intuitivo como este jogo pode ser colocado em termos de linha do tempo: se identificar a sua linha do tempo é quase impossível, nem sequer é claro se está próximo de outro capítulo, como Majora’s Mask, Ocarina of Time ou Kingdom’s Tears to Breathe Da natureza. A aparência pode sugerir que é igual ao Despertar de Link, mas não é óbvio.

READ  Veja como descobrir se alguém bloqueou você
As seções de rolagem lateral lembram Link's Awakening
As seções de rolagem lateral lembram Link’s Awakening

Sim, o remake de Link’s Awakening: The Legend of Zelda usa claramente o mesmo motor gráfico do remake do Switch de 2019, é estilisticamente idêntico e a interface é muito semelhante, mais simples e séria do que o lado kawaii da aventura. Esperemos que a taxa de quadros seja mais estável, porque também imaginamos que o Cajado de Tri, se usado com moderação – como muitos farão – testará mais o motor de jogo do que a espada de Link. O mecanismo nos dá uma ótima ideia do que é um desenvolvedor em atividade: certamente é cru, no passado também trabalhou na saga com Ocarina of Time e Majora’s Mask para 3DS. Porém, eles farão sua primeira aparição no desenvolvimento de um jogo original da série, sob a inevitável supervisão do especialista Eiji Aonuma. Se estivermos certos, se o desenvolvedor do jogo for Grezzo, a equipe principal da série, EPD 3, estará apenas ligeiramente envolvida: eles provavelmente estarão ocupados trabalhando em alguns mods/remasters para a versão Switch 2 e estarão lançando as bases para o próximo capítulo “principal”.

The Legend of Zelda: Echoes of Wisdom nos intrigou com suas inovações, desde o estilo sandbox, novo nos jogos Zelda “2D”, até a princesa finalmente ser a protagonista, o que pressupõe que a jogabilidade seja focada na resolução de quebra-cabeças e não na ação . Mal podemos esperar para descobrir outros detalhes, aguardando o lançamento que repetimos está agendado para lançamento 26 de setembro.