Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

The Last of Us Part 2 Remastered, análise da versão para PlayStation 5 da obra-prima da Sony

The Last of Us Part 2 Remastered, análise da versão para PlayStation 5 da obra-prima da Sony

A crítica de The Last of Us Part 2 Remastered nos diz que esta é a melhor maneira de (re)descobrir a obra-prima da Naughty Dog.

Com base no sucesso do premiado jogo e da premiada série de TV, aqui está Revisão da segunda parte de The Last of Us Remastered Na versão PlayStation 5 que, lembramos, poderá ser adquirida na versão autónoma e em forma de atualização (ao custo de 10 euros) para as suas versões PS4, tanto digitais como físicas.

O pacote consiste em The Last of Us Part II, que continua lindo como sempre, além de uma boa quantidade de extras e um novo modo roguelike que acaba se revelando muito interessante. Graficamente, o trabalho realizado é mínimo e o jogo não difere muito do lançamento original. Entre as opções há duas configurações gráficas: o modo Qualidade atinge uma resolução de 4K puro com danos mínimos à taxa de quadros, porém, o modo Desempenho para na resolução de 1440p (aumentado para 4K) que em troca fornece um final suave e na mão. show. É a melhor escolha.

Num jogo como este, viajar a 60fps ou superior (com VRR para determinados monitores) é um deleite para os olhos, mas acima de tudo, trata-se de uma maior interactividade dos controlos o que melhora ainda mais um jogo simples mas extraordinariamente físico e instintivo. Sistema de combate. Outras diferenças, ainda que pequenas, podem ser vistas nas fontes de luz, que agora aparecem geralmente mais carregadas e brilhantes, e na qualidade de algumas texturas. Porém, se você já possui o jogo original, também não serão os gráficos que o convencerão a comprar este remake.

Extras, extras!

The Last of Us Part 2 Remastered: Não foi fácil reviver essa história sabendo muito bem o quão doloroso seria
The Last of Us Part 2 Remastered: Não foi fácil reviver essa história sabendo muito bem o quão doloroso seria

O que pode fazer você mudar de ideia é o novo modo de jogo chamado No Return, todas as adições que vão enriquecendo gradativamente os menus de The Last of Us Part 2 Remastered para PlayStation 5. O bom desse processo é que quanto mais você explora o produto em sua totalidade e, portanto, também progride na história principal, mais novos itens serão desbloqueados com os quais poderá interagir. Tudo não é dado de imediato, mas é uma descoberta gradual que faz com que a cada novidade você se sinta como se estivesse vivenciando um pequeno presente. Às vezes até inesperado. Estamos falando de uma grande galeria de Filtros e skins para usar no novo modo Sem Retorno e na históriaModificadores de regras de jogo, galerias de arte e modelos poligonais.

READ  Nova atualização remove referências a ex-funcionários da Blizzard - Nerd4.life

Há um modo guitarra gratuito, onde você pode usar Ellie, Joel e até Gustavo Santaolalla em diferentes cenários, com diversos efeitos e instrumentos, incluindo diversas guitarras e banjos excelentes. Existe também uma componente de ritmo com tempos registados para cada modo e dificuldade escolhidos, separados entre as secções Ellie e Abby. No modo bastidores é possível explorar alguns níveis do jogo em uma interessante versão preliminar, durante a qual poderemos ativar os comentários dos desenvolvedores que descreverão a cena com curiosidades sobre a obra. Um verdadeiro deleite para os fãs da série que serão recebidos e apresentados em todos os níveis pelo próprio Neil Druckman.

Sem retorno

O modo No Return em The Last of Us Part 2 Remastered é uma excelente oportunidade para aproveitar a excelente jogabilidade do jogo, que muitas vezes fica no fundo da história
O modo No Return em The Last of Us Part 2 Remastered é uma excelente oportunidade para aproveitar a excelente jogabilidade do jogo, que muitas vezes fica no fundo da história

O modo No Return é outra surpresa no renovado The Last of Us Part 2Talvez o mais importante. No Return segue as regras de um roguelike: morte permanente, redefinição de inventário, mas a cada tentativa novos modificadores serão desbloqueados, tornando as tentativas subsequentes cada vez mais diversas e estratégicas. Cada jogo é composto por um primeiro nível obrigatório, sempre escolhido aleatoriamente pelo sistema, e mais cinco etapas nas quais as etapas propostas irão aumentando gradativamente (o jogador ainda escolherá apenas uma), até chegar ao chefe final. Escolher um nível bem específico, sempre que possível, é útil porque poderemos escolher o desafio que melhor se adapta ao personagem escolhido e ao equipamento recolhido até esse ponto.

Cada missão cumprida nos faz voltar ao abrigo do personagem escolhido, abrir o baú onde encontraremos novos lucros, comprar novos equipamentos, modificar as armas possuídas e, claro, escolher o próximo passo. Os desafios de No Return são definidos em porções de níveis roubados e cortados do modo históriaO que limita sua diversidade. Para tornar as coisas ainda mais emocionantes, a equipe de desenvolvimento incluiu modificadores: regras especiais que irão alterar o fluxo de cada nível, trazendo assim imprevisibilidade e algo extra para levar em conta na hora de decidir seu próximo passo. Naturalmente, a escolha do que será possível adquirir, bem como quais mapas e modificadores estarão presentes ao longo dos níveis, será completamente aleatória e diferente para cada jogo.

READ  Guerrilla falará sobre seus projetos futuros e eles serão premiados no Develop: Brighton 2023

Comandos e animações

The Last of Us Part 2 Remastered: O modo que permite tocar guitarra livremente como Ellie, Joel e Santaolalla é muito bom e permite trocar instrumentos, cenários e tirar fotos
The Last of Us Part 2 Remastered: O modo que permite tocar guitarra livremente como Ellie, Joel e Santaolalla é muito bom e permite trocar instrumentos, cenários e tirar fotos

Não é tão complexo quanto merece, mas No Return é exatamente o modo que gostaríamos de ver no jogo original, em vez do modo multiplayer que foi inicialmente prometido e nunca se materializou. Em um jogo como The Last of Us, uma experiência solo como essa faz mais sentido do que um jogo PvP não climático. Os níveis No Return oferecem a possibilidade de eliminar múltiplas ondas de inimigos, exigem que afastemos dezenas de infectados por um determinado período de tempo e nos apresentam missões de assalto e outras missões mais cuidadosas para melhorar as capacidades furtivas dos heróis. No Return finalmente (!) permite que você aproveite a emocionante jogabilidade de The Last of Us Part 2, deixando o enredo de lado pela primeira vez. Para lidar com este modo roguelike poderemos escolher entre dezenas de personagens diferentes, incluindo estrelas é claro, cada um com suas próprias habilidades e características.

Para esta sequência, a Naughty Dog criou um sistema de combate que consegue parecer muito realista, sem atrapalhar os controles. O crédito parcial vai para Sistema de animação de correspondência de movimento O que permite que o personagem controlado se mova para qualquer posição sem ter que mudar de uma animação predefinida para outra, criando uma animação contínua em tempo real que não prolonga o movimento de forma irrealista nem dificulta a resposta aos comandos. Assim, você tem controle total sobre o seu alter ego, o que o motiva e liberta até certo ponto. Você atira bem e de forma realista, enquanto o combate inclui dezenas de animações contextuais e brutais que, como sabemos, são quase únicas. Ter uma desculpa para liberar todas essas possibilidades, sem interrupção, é uma ótima notícia. No Return também é um modo muito difícil, mas é possível alterar o nível de dificuldade e suas regras sem limites claros.

Algo extra

The Last of Us Part 2 Remastered: A lacuna gráfica entre as versões PlayStation 4 e PlayStation 5 é mínima
The Last of Us Part 2 Remastered: A lacuna gráfica entre as versões PlayStation 4 e PlayStation 5 é mínima

The Last of Us Part 2 Remastered é um pacote completo absolutamente delicioso. É altamente recomendável atualizar a cópia digital do jogo original por 10€, especialmente se estiver particularmente ligado à série; Porém, se você já jogou o título na versão PS4 e não consegue aproveitar o upgrade, o modo Sem Retorno, por melhor que seja, pode não valer o preço do ingresso (pelo menos o inicial) por si só. .

READ  FIFA 22, data de lançamento oficial e anúncio de divulgação de plataformas - Nerd4.life

Naturalmente, quem quer experimentar o jogo pela primeira vez e exige o máximo em termos de otimização e conteúdo não deve ter dúvidas: com o PS5 disponível, Esta é a versão para obter. Também é verdade que ao comprar a versão muito mais barata do PlayStation 4, o jogo permanece praticamente o mesmo. Embora tenha inevitavelmente envelhecido em alguns aspectos, The Last of Us Part 2 continua a ser um título fascinante, seja para ver, experimentar ou brincar na pele, emocionante mas insuportável, e certamente a produção mais suntuosa e completa da Naughty Dog também. Como uma das melhores e mais atraentes combinações de cinema e videogame.

Conclusões

Houve necessidade desta nova versão de The Last of Us Part 2 Remastered? Provavelmente não, especialmente logo após o lançamento do original, mas não podemos culpar a Sony por querer explorar a enorme tração da série de TV para propor novamente este produto excepcional como um jogo para PlayStation 5. Como política, é está de certa forma desatualizado, mas basicamente faz muito sentido. Por uma atualização de 10€ (mas o jogo também pode ser adquirido numa versão completa e autónoma), os extras são abundantes e de boa qualidade, o modo No Return sabe o que faz e o suporte DualSense é sempre bem-vindo. Existem alguns ajustes, mas como uma edição de luxo para fãs e novatos, você não pode reclamar muito.

vanguarda

  • Cheio de novas adições e recursos
  • Sem retorno não é nada ruim
  • Quanto mais você joga, mais coisas você desbloqueia

contra

  • Graficamente, muito poderia ter sido feito
  • Gostaríamos de ter mais conteúdo de bastidores
  • Mais do que uma versão modificada, parece uma versão de luxo