Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Suporte duplicado, incentivos de veículos aparecem novamente

O artigo é reservado para assinantes

19 de maio de 2021
Por Luca Siphone
(Leitura de 3 minutos)

A intenção deve ser a última medida para o apoio Para emergências Doença do coronavírus. é meu país decreto, Que foi rebatizado de “Negócios, Empregos e Profissões”, que o governo deve aprovar hoje e que poderia contar com mais 40 bilhões de déficits aprovados pelo Parlamento, está prestes a se tornar uma espécie de manobra de meio de ano, com um texto bastante denso em o início e a possibilidade de realizar Algumas mudanças importantes no Parlamento, onde deputados e senadores receberão um dote adicional de cerca de 800 milhões.

Entre os últimos itens adicionados está a extensão dos incentivosautomáticoUm setor que avançou significativamente nas vendas nos últimos dois meses em relação ao quadro desastroso de 2020, mas ainda está abaixo dos níveis alcançados em 2019.


No caminho – conforme anunciado e esperado pelos sindicatos – haverá um refinanciamento de incentivos para compra de carros com emissões de CO de 61 a 135 g / km, que dizem respeito à gama de carros mais vendida. Os fundos já disponíveis já se esgotaram e é necessário um novo segmento para dar suporte ao mercado ao longo de 2021. Mas o decreto também conterá recursos adicionais para a Alitalia, com o objetivo de apoiar o desafiante jogo em curso a nível europeu para o relançamento de uma empresa.

Conglomerados
Outro setor para o qual as próximas medidas podem trazer novidades é o setor bancário: novas regulamentações sobre DTA (ativos por impostos diferidos) devem auxiliar na venda de créditos de liquidação duvidosa e, consequentemente, na cobrança.

READ  O olhar atento dos bancos e das autoridades fiscais é implacável

Na sua forma básica, a provisão segue essencialmente as anteriores: cerca de metade dos recursos será destinada ao apoio ao negócio. Esse é um detalhamento amplamente análogo das medidas que se seguiram a partir de março de 2020, que, dos quase 140 bilhões, destinou mais de 70 bilhões às necessidades das empresas nos meses de crise. O mecanismo de desconto poderá contar com 18 bilhões, dos quais 14 serão alocados pelo já instituído e expedito mecanismo de contribuições diretas pagas pelo órgão de arrecadação com base no faturamento, mas com critérios mais amplos e possibilidade de cálculo de redução da receita em período não coincidente com o ano civil. O restante será liquidado com base nos dados do balanço patrimonial e, portanto, nas perdas já incorridas. O cientista produtivo, então, obteria mais ajuda na forma de reduções de custos fixos, como faturamento e intervenções para garantir a liquidez. Do lado financeiro, está confirmada a prorrogação para o final de junho do conjunto da fatura (que já venceu no final de abril), aguardando-se uma solução mais estrutural para o adiamento. O mecanismo de isenção de impostos é então estendido aos contratos de arrendamento, que é outra conta que penaliza atividades econômicas em uma fase difícil.

Um total de cerca de 5 bilhões foi destinado para intervenções trabalhistas, mas desta vez não serão utilizadas para refinanciar dispensas, mas para ativar que possam mitigar a retomada das dispensas a partir de julho: assim, contratos de expansão reforçados, contratos de reemprego, extensão das isenções de contribuições Nasbi (subsídio de desemprego)) Para os empregadores que mantêm trabalhadores, especialmente nos sectores do turismo e dos serviços.

READ  Unicredit, cortes padrão de pessoal: quem arrisca

Órgãos locais
Como é habitual, haverá capítulos específicos para a saúde e autarquias: neste último caso, trata-se de entrevistar municípios que são punidos do ponto de vista contabilístico por decisão do Tribunal Constitucional.
Quanto ao superbônus, os recursos para a Extensão Generalizada chegarão em todo o ano de 2023 com a próxima conta orçamentária (estamos falando de 8 bilhões). Alternativamente, na disposição seguinte dedicada à simplificação, espera-se que existam regras que facilitem a utilização desta ferramenta, nomeadamente para unidades residenciais. Entretanto, continua a pressão sobre o movimento das cinco estrelas em particular para o lançamento das chamadas “grandes corporações”, o que significa a possibilidade de beneficiar dos investimentos do programa “Transição 4.0” de créditos fiscais também transferíveis aos bancos do sistema . Este aspecto deve ser especificamente identificado ao pormenor: receia-se que uma interpretação estrita do Eurostat (Autoridade Europeia de Estatística) conduza a um aumento imediato da dívida pública após esta regra.

© Reprodução reservada