Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O custo do isolamento da Sicília é de 6,5 bilhões, como o custo da ponte sobre o estreito

Por ser uma ilha, com dificuldades de transporte e conectividade, a Sicília custa entre 6,04 e 6,54 bilhões de euros anuais, um valor entre 6,8 e 7,4% do PIB regional. Na verdade, isso se traduz em uma espécie de imposto oculto que pode ser avaliado em cerca de € 1.300 por pessoa e siciliano, incluindo crianças. O “peso” dessa lacuna é um estudo sobre o “custeio do isolacionismo siciliano”, realizado pela Administração Regional com o Prometa e com as universidades da Sicília. Mas isso não pode ser considerado um estudo “tendencioso”. De facto, foi aprovado pela Comissão Interestadual e Distrital e remeteu os resultados à ministra do Sul, Maria Rosaria Carvagna, e à ministra da Economia, Daniele Franco, num momento em que o Senado debate a inclusão do reconhecimento do dano devido ao isolacionismo na constituição. “Os custos anuais são iguais aos que seriam utilizados para construir a ponte sobre o estreito – afirma o conselheiro económico siciliano Gaetano Armao, um dos promotores do estudo – e a ponte reduzirá significativamente os custos de isolamento”. O sinal verde para apurar esses custos chega logo após o projeto de lei constitucional chegar às salas de aula, e a iniciativa popular, de introduzir na constituição o reconhecimento dos graves e duradouros danos naturais causados ​​pelo isolacionismo. Uma condição que aflige muitas pessoas na Itália: há cerca de 6 milhões de cidadãos – na verdade, 10% dos italianos – que vivem em uma ilha do tamanho da Sicília e da Sardenha ou do tamanho de Ventotene. “Há muitos cidadãos a viver nas ilhas – explica o comissário siciliano – e vamos precisar de intervenções como a de Portugal nos Açores ou na Madeira, ou como a de Espanha nas Baleares”. O estudo, por meio de modelos econométricos e avaliações, adota duas abordagens metodológicas distintas para calcular os altos custos por “ser” a Sicília. O primeiro avalia os elementos que determinam o desenvolvimento de uma área relacionados aos fatores “tamanho”, “distância” e “vulnerabilidade”, medidos ao longo de vinte anos, e chegam a uma estimativa de custo de 6,54 bilhões. A segunda avaliação, pouco contida, é feita factualmente, pois mede apenas os elevados custos devidos ao transporte que penalizam os operadores económicos e os diversos setores de atividade: o custo neste caso é igual a 6,04 mil milhões de euros, o que equivale a 6,8% do PIB regional. A importância da estimativa se deve ao fato de que, apesar de ser o estudo promovido pela região da Sicília, foi compartilhado pela Comissão Interestadual e Territorial, órgão de fiscalização constitucional. Isso abre caminho para formas de compensação, que parcialmente já existem, como o financiamento das chamadas ligações de “continuidade regional” para reduzir o custo das passagens. “Claro que é impossível pensar em reduzir custos, pedindo 6 bilhões, mas é preciso um esforço – diz o comissário Armau – e há um artigo na lei do orçamento sobre a forma de nos destinar 100 milhões. imposto de desenvolvimento, por exemplo. On Por exemplo, proporcionando um corte de impostos para novas iniciativas regionais, ou controles destinados a atrair aposentados, que agora são restritos a estrangeiros apenas. O mais importante é iniciar o caminho. ” Mas o nó real continua sendo a ponte sobre o estreito. “A comissão do Ministério da Infraestrutura e Mobilidade Sustentável – lembra Armao – afirmou claramente que Messina e Reggio Calabria estão a cerca de 4 quilômetros de distância, porém, ao mesmo custo e tempo, o equivalente a 300 quilômetros no continente. minimizar defeitos. Dada a estimativa feita realizada, é como se perdêssemos o custo total de construção da ponte todos os anos. ” Até porque é verdade que os recursos do PNRR não podem ser utilizados para a construção da ponte, uma vez que se pretendem que as obras sejam executadas dentro de alguns anos, mas – explica Armao – “chegarão à zona outros 40-50 mil milhões e isso parece impossível pensar em não encontrar os recursos da ponte “.
(Ansa – Corrado Cimento)

READ  A Chestertons Global está expandindo sua presença global com novos escritórios no Caribe, Europa e Norte da África