Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Stephen Eustachio e sua obsessão por estudar futebol

O médio canadiano tem a capacidade de não perder a calma, esperando o momento certo para procurar verticais que prejudiquem a defesa adversária.

Parece que seu pai, Armando, é o culpado. Porque depois de cada treino o homem chama o filho de lado e sempre repete para ele as mesmas palavras: “Você tem que estudar o jogo. No dia que você parar de fazer isso, você vai parar de melhorar.” Stephen Eustachio Ele a ouviu repetida tantas vezes que fez dessa frase um sistema. para torná-lo obcecado.

Quando era jovem, preenchia caderno após caderno. Ele borrou aquelas páginas em branco apontando suas deficiências, destacando as características de seu jogo que ele queria melhorar. De vez em quando, quando estava de férias com a família, ele dava um pulo, pegava seu laptop e enviava um vídeo de uma partida de alguns meses atrás. No silêncio espantado ao seu redor, ele declarou: “Você vê este trabalho? Eu deveria ter feito uma peça diferente.” Anos mais tarde, esta instalação assumiu as feições de uma bênção. Porque Futebolista de uma inteligência excepcional, Eustáquio tornou-se um jogador versátil que é frequentemente chamado de meio-campista por motivos de instalação. quadrado a quadrado.

O Guardian chamou o canadense que “cobre com o nº 6, cria como o nº 8, mas tem visão do nº 10”. Na verdade, Stephen foi referido de muitas maneiras diferentes por anos. O jornalista esportivo o classificou como o homem “vital” na Copa do Mundo para o Canadá. Para o seu treinador John Herdman, é “um jogador-chave que marca o ritmo do jogo”, bem como “a personificação de tudo o que precisamos para aumentar a circulação da bola”. exagero. Ou talvez não. Eustáquio não tem apenas técnica acima da média. Acima de tudo, é um meio-campista conhecido por ter uma técnica acima da média. A consciência não perde a paciência, esperando o momento certo para buscar as verticais que afetam a defesa adversária. É uma habilidade que ele aprendeu em sua família. No verdadeiro sentido do termo.

READ  Copa do Mundo de 2022 entre Itália e Suíça rumo a uma mudança de lugar? Hipótese de Bérgamo - Esportes - Futebol

Seus pais são portugueses, mas se mudaram para Ontário, Canadá, no início dos anos 1990. A ideia é buscar uma vida melhor, mas o chamado da terra é muito forte. Dez invernos depois, eles colocam seus filhos Mauro e Stephen, quatro anos mais novos, em um avião e voltam para casa. As tardes são intermináveis. E quando Mauro sai para jogar futebol com os amigos, é obrigado a levar o irmão também. Stephen é tão jovem que quase sofre bullying das outras crianças. Pelo menos no sentido esférico. “De certo ponto de vista, foi sorte dele – como disse Mauro – todos eram mais fortes e mais rápidos, então ele teve que aprender a ler o jogo desde cedo.”

Começos são difíceis. Nazarenos, União Leiria, Torreense, na terceira série. Depois vem a chamada do Leixes na Segunda Liga. Sua história é fragmentada. Um ano depois, viajou para Chávez, na Primeira Divisão Portuguesa. Os funcionários do clube dizem que ele parece um jogador de futebol saído do Cantera do Barcelona. Mas logo depois, a história do meio-campista tomou um rumo inesperado. O Cruz Azul, no México, na periferia do futebol, quer. Eustáquio pensa e aceita. Sua estreia oscila entre o surreal e o grotesco. Porque contém alegria e dor, mas não em partes iguais. No segundo tempo da partida contra o Tijuana, foi retirado do banco e enviado a campo. Dois minutos depois, o menino fez o caminho inverso. O árbitro apenas acenou com um cartão vermelho debaixo do nariz. Quando ele já está a caminho dos vestiários, ele é chamado novamente. Farr provou que o amarelo é a punição mais justa. Eustáquio volta à quadra novamente, mas logo depois cai no chão. Joelho estalou. Isso significa oito meses nas arquibancadas. “Aprendi muito vendo outras pessoas jogarem”, disse ele pouco depois. Em 2019 regressou a Portugal, ao Paços de Ferreira. E depois de duas (e meia) temporadas de excelentes níveis, a convocação vem do Porto. Enquanto isso, Stephen joga pela seleção portuguesa de sub-21. Juntamente com Diogo Jota. Juntamente com Bruno Fernandes. Um dia ele recebe um telefonema. É John Herdman, técnico do Canadá. Ele pergunta se ele gostaria de brincar com ele. E repita em mais 11 ligações. Por fim, Eustáquio aceita: “O Canadá cuidou da nossa família – diz ele – agora é a hora de retribuir”. como ele A seleção de camisas vermelhas encontrou sua nova estrela. Talvez mais difícil de notar do que Alphonso Davies E Jônatas DavidMas apenas brilhando.

READ  Cada falha de freio de carro e motocicleta