Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Spalletti, Gravina, desculpas e Itália corre o risco de se classificar para a Copa do Mundo

Spalletti, Gravina, desculpas e Itália corre o risco de se classificar para a Copa do Mundo

O Presidente Federal responsabiliza os estrangeiros e o calendário e descarta a demissão. Serão ele e o treinador os homens certos para o relançamento?

jornalista

30 de junho – 23h42 – Milão

Pelo menos Spalletti pediu desculpas. Pela exclusão, pela decepção que causou e pelos métodos que decidiram a questão: raramente vimos uma Itália tão feia, pobre no jogo, nas ideias e até na competição feroz. Pelo menos ele, o comissário técnico, assume a responsabilidade: “Eu sou o primeiro responsável”. Reconheceu também o que já dizemos há algum tempo, quase desde o início do Campeonato da Europa: há uma diferença profunda entre o papel de treinador e o de seleccionador. Como escrevemos, um grande treinador também não é necessariamente um grande treinador, e Luciano provavelmente tem as qualidades de ser muito bom quando pode trabalhar com jogadores por um longo período, mas nem tanto se tiver que selecioná-los e treiná-los. por alguns dias e imediatamente enviado para o campo. Continuamos convencidos de que assim é, embora Spalletti tenha legitimamente afirmado pensar de forma diferente: “O vestido do treinador fica-me bem, tenho que aprender rápido”. O problema é que o tempo – o primeiro tempo – já acabou. E ocorreu um desastre.

Desculpas Gravina

Pelo menos Spalletti pediu desculpas. Gravina deu desculpas. E ele transferiu a responsabilidade para outro lugar, pelo menos para longe de si mesmo. Sob a sua gestão, a Itália venceu o Campeonato da Europa, mas depois da noite brilhante em Wembley, os adeptos da selecção nacional mergulharam num pesadelo. Ficamos arrasados ​​por não conseguirmos nos classificar para a Copa do Mundo de 2018 na Rússia – um fracasso que custou a vaga a Tavecchio – e também conseguimos ficar de fora do Catar 2022, após sermos eliminados pela Macedônia do Norte. Uma derrota que não causou terremoto, nem à frente da Associação de Futebol nem à volta do banco de Mancini. E agora vem este novo e emocionante retorno, o segundo em dois anos. no entanto…

READ  "Asensio convence o Real Madrid: uma renovação em breve"

O presidente da Federação Italiana de Futebol, Gabriele Gravina (à esquerda), e o técnico italiano Luciano Spalletti participam de uma coletiva de imprensa da seleção nacional em Iserlohn, Alemanha, em 30 de junho de 2024. ANSA/Daniel Dal Zenaro

Obstáculos para a seleção nacional?

Porém, o presidente federal não assume a responsabilidade: ele distribui para outros. Mais ou menos, um pouco para todos, e você não se importa se não sobrou nada para ele. A culpa é dos estrangeiros, por exemplo: “Na Itália 67% dos jogadores não são italianos”. Como se só os ingleses jogassem na Inglaterra, ou só os espanhóis na Espanha. Sem falar nas seleções nacionais – por exemplo a própria França ou a Suíça, mas a discussão pode estender-se até fora da Europa, em particular ao Brasil e à campeã mundial Argentina – que são obrigadas a convocar quase todos os seus jogadores de outros países e de outros continentes toda vez. Eles têm que jogar um jogo. O outro culpado: o calendário. “Existem regras que não favorecem o desenvolvimento do nosso futebol e, apesar disso, todos querem reduzir o espaço atribuído às seleções”, afirma Gravina. Mas será que só a Itália não tem tempo para trabalhar? Será que De La Fuente e Yakin, os dois treinadores que nos deram aulas de futebol neste Campeonato da Europa, têm mais jogadores que Spalletti? Ou será o congestionamento do calendário – determinado pela FIFA e pela UEFA (da qual Gravina é vice-presidente) – um problema comum que afecta o mundo inteiro? A Liga das Nações, a Liga Conferência, a Copa do Mundo de Clubes ou outros jogos da Liga dos Campeões foram adicionados aos nossos jogadores de futebol nos últimos anos?

Soluções para Itália

A verdade é que depois de assistirmos aos Azzurri no Europeu, e depois de ouvirmos as vozes dos campeões, ficamos preocupados. A Itália, esta Itália, corre o risco de nem sequer se qualificar para o Campeonato do Mundo de 2026. É necessária uma reviravolta imediata, mas poderão os mesmos homens que criaram este desastre proporcioná-la? Gravina ergueu um muro ao seu redor, quase irritado com os comentários dirigidos a ele e a Spalletti. Ele fala de um projeto que olha para o futuro, como se no passado recente não tivessem existido dois projetos que fracassaram miseravelmente: a Copa do Mundo e o Campeonato Europeu. Ele fala sobre suas perspectivas à frente da Federação de Futebol como se devesse haver um acompanhamento após o término de seu mandato, em março do próximo ano. Em 2014, Abete e Prandelli pediram demissão poucos minutos depois da derrota para o Uruguai que nos custou a eliminação das eliminatórias do Brasil (e pensar que foi a última partida que disputamos na Copa do Mundo). Em 2017, Tavecchio renunciou sete dias após um histórico e terrível empate em 0 a 0 contra a Suécia que nos impediu de nos classificarmos para a Rússia 2018. Gravina: “Não dou ouvidos às críticas dirigidas à minha demissão”. É melhor falar de demasiados estrangeiros e de o calendário ser nosso inimigo.

READ  "Tentamos trazer Messi para o Milan. O Inter já conquistou o título da Série A..."