Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Reduzindo a desigualdade de gênero com um plano de recuperação? Esperando pelo plano italiano, aqui está o que outros países têm a oferecer

A pandemia provou ser um dos principais desafios à igualdade de gênero na Europa, e a realidade da luta contra o vírus e as restrições exacerbaram a desigualdade existente. As mulheres estão em grande parte nos setores mais vulneráveis ​​que nunca pararam: medicina, saúde, farmácias, grandes varejistas, assistência especializada para os vulneráveis ​​e educação. Além disso, grande parte da força de trabalho eliminada devido às restrições é composta por mulheres: restaurantes, hotéis, eventos, comércio varejista e serviços de limpeza em espaços públicos e privados. Ou eles continuam trabalhando ou Eu perdi o lugarAs mulheres são as que mais sofrem com a epidemia.

Mesmo as mulheres que conseguiram trabalhar na área de trabalho inteligente tiveram que enfrentar dificuldades adicionais, pois seus filhos foram forçados a ficar em casa no ensino à distância, enquanto cuidavam de parentes idosos e em casa. Nos casos mais graves, a crise econômica e a convivência forçada agravaram a pior situação, causando-a um mais O trauma da violência doméstica em um contexto em que fugir e buscar ajuda se tornou mais difícil.

Mas a busca pela igualdade de gênero não é apenas uma questão ética, o status da mulher em um país é um indicador do estado da economia e da sociedade, e cada vez que a desigualdade de gênero é reduzida, novas oportunidades são abertas. O que beneficia a todos, não apenas as mulheres.

Reduzindo a lacuna de gênero por meio do fundo de recuperação

De acordo com as orientações da NextGenerationEU, o contributo esperado para a igualdade de género deve ser indicado nos planos de recuperação, com uma indicação de como se espera que as medidas contribuam para a igualdade. Germana de Domenico, Líder Miff Quem coordena o arquivo, Ele explicou A Comissão Europeia refere-se à Itália para a necessidade de “apoiar a participação das mulheres no mercado de trabalho”, em particular “garantindo o acesso a serviços de acolhimento de crianças de qualidade e a longo prazo”.

READ  Afifa: Com uma recuperação de 42 dias, vacinamos 3 milhões de jovens de 60 anos | Lombardia pressiona por vacinas para 40 anos, Fontana: 'Não estamos atirando'

No Plano Nacional de Recuperação e Resiliência (Bandeira), As intervenções voltadas para a igualdade de gênero enfocam a educação e a pesquisa (especialmente nas disciplinas desligando), Saúde e intervenções para reduzir a desigualdade, ao mesmo tempo que investem em serviços sociais para incentivar o emprego feminino. Traduzindo, a preferência pela entrada das mulheres no mundo do trabalho por meio da formação em setores com pouca participação feminina, o que as torna atrativas com incentivos.

Além disso, a oferta de uma rede de serviços familiares (como as creches, hoje muito caras) que permitam às mulheres dedicar-se ao trabalho sem serem obrigadas a arcar com todo o peso do cuidado da família e, sobretudo, da maternidade. A proposta parece, pelo menos no papel, respeitar os pedidos da comissão e se seria realmente útil para aumentar a participação das mulheres no mercado de trabalho.

A política italiana não se concentra o suficiente neste tópico. Apenas o Partido Democrata está tentando fiscalizar as questões de gênero, tornando-o um tema central em sua apresentação política, mas no momento só conseguiu destacar as diferenças no partido. Depois, há personalidades excepcionais como Mara Carfagna da Forza Italia, que ao longo dos anos personificou com sucesso a imagem de uma mulher capaz e independente, sempre comprometida com as questões de gênero.

Abordagem de outros países

Se você quiser ver o que outras pessoas estão fazendo, pode ser útil fazer comparações com os planos de recuperação da Grécia, Portugal, Espanha, França e Alemanha. Especialmente no que diz respeito ao Mediterrâneo, não existem grandes diferenças. O plano da Grécia prevê a promoção da igualdade de gênero como um objetivo específico dentro de certas medidas, em particular para lidar com a baixa participação das mulheres na economia de alta tecnologia. Para apoiar as mães trabalhadoras, incentiva-se a criação de creches nas empresas.

READ  Nhoa promete 35.000 pilares em 10 anos - Torino Hoje

A Espanha, como a Itália e a Grécia, também quer incentivar a participação feminina em cursos e cursos de formação em ciências, tecnologia, engenharia e matemática, sem descurar a promoção de serviços de acolhimento de crianças. Um detalhe que define o estado ibérico é o interesse em intervenções de combate à violência de gênero. No plano português, para além das medidas de reforço dos jardins-de-infância, existe também o interesse em infraestruturas de atenção aos idosos, para acompanhar o apoio às políticas ativas de trabalho dirigidas às mulheres.

A França tem uma abordagem diferente. As intervenções não são rejeitadas com base na perspectiva de gênero, mas sim enfocam os jovens e as pessoas com deficiência por meio de incentivos ao emprego, especialmente em contextos sociais e nos bairros mais desfavorecidos. No entanto, Paris dá mais um passo em frente, ao declarar que as empresas que desejam se beneficiar do fundo de recuperação demonstram que fortaleceram as medidas de transparência para enfrentar a desigualdade de gênero, especialmente no que diz respeito aos salários.

O plano alemão prevê o fortalecimento da oferta de serviços de creche existentes, ao mesmo tempo em que oferece bônus para famílias com filhos e a incorporação de auxílio à renda, além de outros benefícios fiscais. No entanto, Berlim também tem uma cláusula em mente para garantir que uma cota de gênero seja alcançada nos conselhos de administração corporativos, um número em que a Alemanha fica atrás da Itália.

Em geral, porém, uma visão básica que permanece estereotipada emerge da forma como o assunto é tratado em todos os países, ainda há um longo caminho a percorrer. De acordo com o relatório do Fórum Econômico Mundial “The Global Gender Gap 2020“O mundo não alcançará a plena igualdade de gênero por 100 anos, o que é um horizonte no caso da Europa Ocidental Diminui 54 anos. Mas este é um estudo desenvolvido antes da Covid-19 se espalhar pelo mundo e estabeleceu que é um dos principais desafios para a igualdade de gênero.

Leia também