Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Quais são as novas regras relativas ao salário mínimo dos trabalhadores na União Europeia?

Quais são as novas regras relativas ao salário mínimo dos trabalhadores na União Europeia?

Dívidas, inflação, salários, empregos… Sabemos que é difícil entender como funciona a economia. É por isso que cada episódio de Real Economy oferece a você um curso intensivo de um minuto para você se atualizar rapidamente no cenário geral. Explicamos os principais conceitos e mostramos como as políticas públicas interagem com as mudanças nos assuntos atuais e nas tendências econômicas. Assista ao Crash Course por um minuto no vídeo acima.

A União Europeia adotou uma nova diretiva destinada a promover um salário mínimo legal adequado em todos os 27 estados membros. Mas os novos níveis não serão os mesmos em todos os países e as mesmas regras não serão aplicadas.

Qual é o âmbito de aplicação das novas regras?

A nova diretiva visa garantir que o salário mínimo nacional seja adequado em cada país. Cinco Estados-Membros – Dinamarca, Itália, Áustria, Finlândia e Suécia – não têm um salário mínimo nacional. Nesses países, os salários mínimos são protegidos exclusivamente por acordos coletivos negociados com os sindicatos.

Esses estados não terão que introduzir as novas regras. Em vez disso, eles serão obrigados a informar os salários mínimos fixados por esses acordos coletivos e os salários daqueles que não são abrangidos por esses acordos. A Comissão analisará estes dados e apresentará um relatório ao Conselho e ao Parlamento Europeu.

Dos sete potenciais países candidatos, cinco têm um salário mínimo nacional (Montenegro, Macedónia do Norte, Albânia, Sérvia e Turquia), enquanto dois não têm (Bósnia e Herzegovina e Kosovo).

Como as diferenças nacionais serão levadas em consideração?

O salário mínimo mensal varia muito entre os estados membros. Por exemplo, custa € 2.387 em Luxemburgo, € 1.981 na Alemanha, € 620 na Letônia e € 399 na Bulgária.

READ  Diesel ou elétrico 200-300 km por dia?

Os países da União Europeia com salário mínimo nacional acima de 1.500 euros são Luxemburgo, Alemanha, Bélgica, Holanda, Irlanda e França.

Os países com salários mínimos nacionais superiores a 1.000 euros mas inferiores a 1.500 euros por mês são a Eslovénia e a Espanha.

Os países com salário mínimo nacional inferior a € 1.000 são Chipre, Portugal, Malta, Lituânia, Grécia, Polônia, Estônia, República Tcheca, Eslováquia, Croácia, Letônia, Romênia, Hungria e Bulgária.

No entanto, quando se leva em conta o poder de compra, as disparidades são menos perceptíveis. Com um padrão básico de paridade do poder de compra (PPP) de 1.000, os mínimos nacionais variam de 717 na Bulgária a 1.843 na Alemanha.

Os seguintes países da UE têm salários mínimos com paridades de poder de compra acima de 1000: Alemanha, Luxemburgo, Bélgica, Holanda, França, Eslovênia, Irlanda, Polônia, Espanha, Lituânia, Romênia e Chipre.

Enquanto os seguintes países têm um salário mínimo com paridade de poder de compra inferior a 1000: Portugal, Croácia, Malta, Hungria, República Checa, Grécia, Estónia, Eslováquia, Letónia, Bulgária.

Para compensar essas diferenças, a determinação do nível do salário mínimo continuará sendo uma prerrogativa nacional. No entanto, deve ser definido dentro de certos parâmetros.

Determine o salário mínimo adequado

Os Estados-Membros terão de assegurar que o salário mínimo nacional permite aos trabalhadores viver uma vida digna, tendo em conta o custo de vida e níveis salariais mais amplos.

Para avaliar a adequação do salário mínimo legal, os Estados-Membros podem:

  • criar uma cesta de bens e serviços a preços reais;
  • fixar um salário mínimo não inferior a 60% do salário bruto médio e 50% do salário bruto médio;
  • Promover a negociação coletiva.

A negociação coletiva em nível setorial e interindustrial é vista como um fator chave para alcançar um salário mínimo adequado.

READ  Aposentadoria no exterior sem impostos Quanto o subsídio aumenta a cada mês?

A negociação coletiva é o processo pelo qual os trabalhadores, por meio de seus representantes, negociam contratos com empregadores ou organizações de empregadores para determinar os termos de seu emprego, incluindo:

  • pagamento e juros;
  • Horários e permissões
  • Políticas de saúde e segurança ocupacional.

Estudos demonstraram que os países com alta cobertura de negociação coletiva tendem a ter uma parcela menor de trabalhadores com baixa remuneração e salários mínimos mais altos do que aqueles com baixa cobertura de negociação coletiva.

Assim, as novas regras visam ampliar essa prática. Nos países onde menos de 80% dos trabalhadores estão abrangidos pela negociação coletiva, os Estados-Membros são obrigados, com a participação dos parceiros sociais, a desenvolver um plano de ação para aumentar a cobertura.

O plano de ação deve definir um calendário claro e medidas específicas para aumentar progressivamente a taxa de cobertura da negociação coletiva.

Acompanhamento e direito de recurso

O texto acordado estipula a obrigação dos países da UE de estabelecer um sistema de execução, incluindo monitoramento confiável, verificações e inspeções no local para garantir o cumprimento. Entre as questões a serem observadas estão:

  • Subcontratação abusiva
  • trabalho freelance falso;
  • Horas extras não registradas
  • Aumento da intensidade do trabalho.

Os Estados-Membros terão de monitorizar a cobertura e adequação do salário mínimo. Além disso, terão de informar a comissão a cada dois anos sobre a taxa de cobertura da negociação coletiva, o nível do salário mínimo legal e a proporção de trabalhadores abrangidos pelo salário mínimo legal.

vezes

Com 505 votos a favor, 92 contra e 44 abstenções, o Parlamento Europeu adotou a nova legislação sobre um salário mínimo adequado da UE em junho de 2022. O Conselho adotou então o texto final da diretiva em 4 de outubro de 2022.

READ  Bolsa de Valores Italiana, suspensão da sessão de 15 de dezembro de 2023

Os Estados membros têm agora dois anos a partir desta data – ou seja, até outubro de 2024 – para transformar a diretiva em lei nacional.