Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Procedimentos dentro de três meses ou então teremos que fechar.”

“Procedimentos dentro de três meses ou então teremos que fechar.”

Lamezia Terme Giovanni Sgroe saltou para as honras de mídia social – e notícias – por postar sua conta de julho de mais de € 30.000. Convidado do último episódio deste estudo aprofundado A outra TV Corriere“Em Primeiro Plano”, conduzido por Tiziana Bagnato, o empresário expressou todas as suas preocupações com um futuro incerto. Essa explosão nas mídias sociais prolongou o período de espera devido ao impacto da crise de energia nas empresas e famílias.

Denunciei o problema depois de me ver com uma conta de mais de 31.000 euros – diz Sgrò – ou quantias impossíveis de pagar. Em novembro passado, já havíamos dado o alarme com uma manifestação organizada pelos prefeitos da região em Montebauni. Em seguida, denunciamos a ausência na importante questão política e os riscos que surgiriam sobre municípios, escolas, hospitais e famílias sobrecarregadas com os custos de energia.
Segundo o empresário agroalimentar, o sistema energético atual “tem números que não correspondem à economia das famílias e das empresas. Não podemos nos dar ao luxo de pagar as contas de 31 mil euros e as perspectivas são trágicas. Nos últimos anos temos enfrentado custos de energia de 100.000 euros, e espera-se agora 300.000 euros e isso afeta o equilíbrio da empresa. De fato, em outubro, alertamos para os sinais.”

“Famílias vão gastar 1.500 euros a mais que no ano anterior”

«O custo da energia – assegura Giovanni Segro – em média não pode ultrapassar 3-4% dos custos da empresa; Já atingimos 10% e esse percentual não pode recair sobre o consumidor final. As famílias terão de enfrentar um excedente de 500 euros nas suas contas domésticas e, além disso, terão de enfrentar aumentos nos preços de todos os produtos e serviços que comprarem, desde azeite a massas e pão. Sem falar na conta de gás que triplicou também. Estima-se que cada família gaste 1.500 euros a mais do que no ano anterior devido à crise energética. E se não houver mudança imediata na tendência, o perigo é que esse número possa dobrar.”

READ  Renault Captur 2024: aqui está a tabela de preços

“Burocracia e Créditos Fiscais para Facilitar a Transformação Ambiental”

O empresário propõe oito pontos para facilitar a transição econômica, começando pela desburocratização e pelo incentivo às usinas de energia renovável para a autoprodução de energia pelas empresas. Propõe agilizar os procedimentos do NRP para a construção de sistemas fotovoltaicos em edifícios públicos; construção de usinas de energia renovável para comunidades locais a serem conectadas às redes públicas; Aumento dos créditos tributários corporativos em alguns setores econômicos devido ao aumento dos custos de energia; Incentivos excepcionais para reforma de equipamentos comerciais e eletrodomésticos. Mais uma vez, o Estado garante a facilitação de empréstimos bancários a empresas que investem em eficiência energética; A redução para cinco anos para o reembolso de sistemas fotovoltaicos por famílias com um bónus de 65% e por último mas não menos importante, a aplicação de um teto ao preço do gás também em Itália como já acontece em Espanha e Portugal.
“Parece haver forças conflitantes e um conflito de interesses em limitar os custos de energia em toda a Europa, como aconteceu na Península Ibérica – continua Sgrò – e me pergunto por que não agimos imediatamente. Esta crise excede em muito a dos anos setenta causada pelo custo do petróleo”.

“A única maneira é economizar”

É por isso que “o único caminho a percorrer é reduzir o consumo de energia das famílias, com menos gadgets e eletrodomésticos, desligar a tomada e fazer todos aqueles pequenos truques que permitem poupar. Portanto, crie estados de parcimônia que “matem o inimigo de fome”. Se não conseguirmos reduzir o consumo, as corporações multinacionais que vendem energia a um preço alto serão beneficiadas. Putin tem interesse em vender gás a um preço mais alto na Europa do que na Índia ou na China. A Rússia tem medo de nossa rápida transformação ambiental e é isso que a política deve fazer: mostramos a Putin que podemos ficar fortes por nós mesmos”.

READ  O novo conceito da Citroën: arrendamento de 15 anos

“Procedimentos dentro de três meses ou então teremos que fechar.”

Por isso, entre essas oito propostas, “foquei principalmente a burocracia e o incentivo adicional de crédito tributário necessário para nós empresários. Nesse período, nos encontramos pagando contas muito altas, impostos e custos com funcionários se acumulando em dívidas. Hoje a isenção de impostos é de até 15%. Estamos lutando para aumentar para 30% e o decreto sairá em breve. Mas isso não é suficiente, pois será necessário atingir 50% do crédito tributário, ou 50% da fatura a ser deduzida dos impostos. Se nenhuma medida chegar em três meses, fecharemos primeiro, um evento que eu não havia pensado antes.”

“Se aumentarmos os preços corremos o risco de fechar de qualquer maneira”

“Tenho 35 funcionários em três lojas – explica o empresário – e fico feliz em pagar salários e impostos, mas tal evento não foi previsto nem pelos melhores gestores. Diante desses números, qualquer empreendedor desiste. Não podemos aumentar os preços ao público: a concorrência é tão alta que, se aumentarmos os preços, corremos o risco de fechar por causa da perda de clientes.”

“Teremos que aprender a conservar para que a União Europeia tome decisões drásticas”

Giovanni Sgro acredita que as medidas “devem ser urgentes porque a conta de agosto chegará mais cedo e mais salgada”.
«A política local subestimou a questão da energia cara, e tornou-se mais atenta ao futuro e não ao futuro – como continua -. No entanto, a nível nacional, todos falam um pouco sobre isso, mas na realidade, não são esperadas intervenções. O sistema rural está enfrentando um terremoto que parece não perceber, os problemas ainda estão longe, mas vamos avisá-los em novembro quando começarmos a ligar os aquecedores. Assistiremos a mudanças históricas – conclui Segro – de hábitos e formas de pensar. Por estas razões, é desejável acelerar a transição ecológica e durante um ano teremos que ir com o travão de mão, abrandar e consumir menos, até que a política tome decisões importantes a nível europeu.” ([email protected])