Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Portugal quer tornar-se líder europeu na produção, mas ambientalistas protestam – Euractiv Italia

Portugal quer tornar-se líder europeu na produção, mas ambientalistas protestam – Euractiv Italia

O relatório inicial da avaliação de impacto ambiental do Programa Português de Prospecção e Exploração de Lítio (PPPLítio) identificou “alguns riscos” nas oito áreas potencialmente participantes no norte e centro do país, mas mesmo assim reconheceu o potencial de exploração do mineral para descarbonizar a economia e o papel do país no sector Crítico para a economia do futuro. Contudo, os ecologistas estão convencidos da utilidade do projeto.

Portugal é o sexto maior produtor mundial de lítio – mineral indispensável para baterias elétricas – e o primeiro da Europa. Durante vários anos o governo Lançou projeto para aumentar sua extração e produçãopara reforçar o seu papel neste setor e tornar-se o principal fornecedor de lítio na União Europeia.

Segundo a avaliação, divulgada nos últimos dias, o projeto PPPLítio “representa uma oportunidade… para descarbonizar a economia e prosseguir a estratégia de transição energética”.

Lemos: “O Grupo de Trabalho do Lítio afirmou e justificou que tem havido um aumento da procura de lítio, em grande parte impulsionado pela importância deste metal, não só na tecnologia, mas particularmente pela sua utilização em baterias de veículos eléctricos”. “Porque as condições geológicas em Portugal apresentam condições muito favoráveis ​​à presença de minerais de lítio.”

No entanto, o relatório também observou que o conhecimento geológico e mineralógico em várias áreas com potencial rochoso é “inconsistente e incompleto”, tornando a exploração e investigação “mais detalhada e necessária”.

“Quando realizadas de forma responsável e sustentável, estas atividades de investigação, na sua maioria não invasivas, proporcionam numerosos benefícios, ao mesmo tempo que causam danos mínimos ao ambiente”, observou o documento.

Entre as diversas medidas propostas, o relatório destaca o desenvolvimento de um plano de documentação, a implementação de mecanismos de reclamação acessíveis para gerir potenciais conflitos com residentes, e o reforço dos procedimentos conjuntos de monitorização das atividades de exploração entre a Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG). . ) e outros órgãos.

READ  Prime Video zomba da proibição de compartilhamento de senha da Netflix

Quanto ao documento do concurso, o relatório ambiental emitido pelo PPPLítio alertava que as zonas com maior densidade urbana, funcional e demográfica deveriam ser excluídas das escavações.

Segundo o documento, os fornecedores locais e a mão-de-obra local também devem ser favorecidos nas diversas actividades, sem afectar os vestígios arqueológicos ou arquitectónicos classificados como património: as intervenções subterrâneas devem ser reduzidas ao mínimo num raio de pelo menos 300 metros em torno do lençol freático.

“As empresas de escavação e escavação devem apresentar um plano de eficiência hídrica e proteção dos recursos hídricos potencialmente afetados. Devem ser utilizadas as melhores tecnologias disponíveis para minimizar potenciais impactos”, afirma o documento.

O relatório acrescenta ainda que “a prospecção e exploração podem ter impactos na qualidade ambiental” e na água em particular, mas a “grande maioria” das actividades mineiras “não gera impactos na água e nos recursos hidrogeológicos à escala local ou regional”. Conclusão: “Se existir, representa um risco muito baixo para o meio ambiente e para a sociedade”.

Baterias e reciclagem são o caminho para a sustentabilidade

A reciclagem de baterias é essencial para aumentar a sustentabilidade do setor, que desempenhará um papel fundamental na transição verde da UE. As empresas de tratamento de resíduos apelam à União Europeia para que estabeleça metas mais ambiciosas para a reutilização…

Na terça-feira, dia 28 de setembro, a DGEG colocou em consulta pública o relatório do EIA, com o objetivo de lançar um procedimento concursal para prospeção e exploração até 10 de novembro. O relatório analisou oito regiões do norte e centro do país, enquanto o governo decidiu não conceder licenças em outras três regiões que estavam inicialmente previstas.

“Na primeira etapa, foram listados os locais onde se acredita existirem depósitos de lítio”, disse. Losa, parceiro EURACTIV, funcionário do Ministério do Ambiente. São 11 regiões, conforme anunciado pelo poder executivo em outubro de 2020.

READ  Vespa, quem produz motores? Aqui está quem está lidando com isso hoje

O responsável acrescentou: “As áreas com estatuto de proteção ambiental foram retiradas da lista inicial”, referindo-se às áreas classificadas como reservas naturais ou parques.

As atividades de exploração visam descobrir a presença e quantidade de jazidas minerais de lítio e a viabilidade económica da sua extração, mas excluem áreas com estatuto de proteção ambiental ou onde já esteja em curso uma avaliação de impacto ambiental.

Segundo o governo, o concurso para atribuição dos direitos de prospeção e exploração de lítio – após avaliação ambiental estratégica – “permitirá o estabelecimento de projetos industriais de referência e a criação de centros de investigação e desenvolvimento no setor das baterias”.

Entretanto, o grupo ambientalista Quercus alertou na quarta-feira, 29 de Setembro, que 28% das áreas destinadas à exploração de lítio estão dentro de áreas protegidas a nível nacional.

“É lamentável que o governo continue insistindo no plano de exploração de lítio aqui na região [di Castelo Branco]“Vamos lutar até o fim com os moradores”, disse ele. Losa Samuel Infante, expoente da Quercus.

“São áreas que o Estado português está empenhado em proteger e conservar e que possuem valores de conservação e modelos de desenvolvimento únicos”, disse Kirkus.

Na região de Castelo Branco, Infante disse que o programa inclui o Parque Natural da Serra da Estrela, a Serra da Jardonha, o Parque Natural do Tejo Internacional (PNTI) e o Geopark Naturtigo da Mesita Meridional (UNESCO Global Geopark).

“Estamos a falar de áreas de elevado valor de conservação. Acrescentou que a própria avaliação ambiental identifica essas áreas e identificou mais de 116 espécies de interesse para a conservação, ou seja, espécies em risco de extinção que estão presentes nestas áreas.

Infante reiterou que é “ilógico” insistir neste tipo de “indústrias pesadas, destrutivas e poluentes quando Portugal não é um player importante” neste setor.

READ  Superbonus, o que fazer se houver demanda, mas nenhum negócio tiver sido iniciado? Dúvidas e respostas

“Todas as actividades têm impactos positivos e negativos, mas neste caso, os aspectos negativos superam claramente os potenciais benefícios económicos.”