Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Portanto, a ciência ajuda a orientar a auto – Corriere.it

Estamos no meio de uma campanha de vacinação acelerada em toda a Europa, com vacinas de nova geração, RNA como Pfizer e Moderna, ou um vetor de adenovírus como AstraZeneca. A euforia de ter vacinas eficazes e seguras disponíveis pouco mais de um ano após o surgimento da Covid-19 atualmente está sendo testada pelas notícias de alguns casos raros, mas muito graves, especialmente de mulheres entre 20 e 55 anos, que desenvolveram após vacinação com AstraZeneca Quadro clínico complexo caracterizado por plaquetas baixas e trombose venosa em vários locais, incluindo o cérebro. Dois estudos acabam de ser publicados na prestigiosa revista New England Journal of Medicine Ajude a esclarecer. Esses estudos caracterizaram complicações em onze indivíduos alemães, austríacos e cinco noruegueses, a maioria dos quais eram mulheres.

Uma nova síndrome: Vit

Os dados mostram que os sintomas (dificuldade em respirar, dor no peito, forte dor de cabeça, dor abdominal persistente, visão turva, tontura, hematomas espontâneos) aparecem cinco a 20 dias após a vacinação e estão associados à produção de anticorpos contra um componente normal do corpo, que é uma proteína que produz plaquetas Via chamada FP4. Esses anticorpos autopatogênicos se ligam ao FP4, ativando as plaquetas, causando uma cadeia de eventos que leva à coagulação do sangue. Com base em algumas características importantes e associação potencial com a vacina, Esta síndrome tem sido chamada de trombocitopenia imune induzida por vacina (Fet é uma abreviatura do inglês). É, portanto, uma nova síndrome, mediada por autoanticorpos, muito diferente da trombose venosa profunda clássica, que tem outras causas e não aumenta o risco de desenvolver a doença Viet.


READ  No dia 20 de agosto, Guido Tonelli falou sobre o futuro da ciência
Tratamento: imunoglobulina e anticoagulantes não heparínicos

Até agora, casos de coagulopatia com propriedades VIT foram relatados em vários países europeus, e a IMA (Agência Europeia de Medicamentos) sugeriu uma relação causal com a vacina AstraZeneca. A Aifa (Agência Italiana de Medicamentos) também apoiou esta relação e sugeriu que a vacina AstraZeneca na Itália se destina a pessoas com mais de 60 anos, pelo menos em parte com o limite imposto em outros países europeus. A situação ainda é confusa, Porque o Afifah é apenas recomendado, não obrigatório, para limitar a idade e porque a frequência e as características da síndrome ainda não estão bem definidas. A boa notícia é que existe uma curaPara o diagnóstico precoce: injeção de imunoglobulinas e anticoagulantes não heparínicos. A Itália foi pioneira na identificação e tratamento precoce de complicações pós-vacinais. O grupo de especialistas em coagulação, liderado pela Professora Rossella Marcucci, da Universidade de Florença, identificou um dos primeiros casos FIT italianos graças aos ensaios de ativação plaquetária especialmente desenvolvidos que permitiram ajustar a estratégia terapêutica escolhida. Agora é imperativo que os hospitais recebam indicações precisas sobre como reconhecer e tratar esta síndrome, e que os vacinadores sejam alertados e informados para encorajar as pessoas que foram vacinadas a procurar ajuda médica se surgirem sintomas distintos. Esta é a única forma de tratar uma possível trombose venosa imediatamente após a vacinação.

Mais de 60 anos: a vacina AstraZeneca recomendada

A recomendação de limitar o uso da vacina AstraZeneca a pessoas com mais de 60 anos é ditada por evidências médicas científicas que podem ser compartilhadas em muitos aspectos:
1 O O jornal New York Times Foram relatados 222 casos de phyt em 34 milhões de vacinados com AstraZeneca (cerca de 1 em 100.000). Desde que a administração de AstraZeneca por mais de 60 anos não resultou neste tipo de complicação, embora tenha se mostrado eficaz na proteção contra Covid-19, Reservar esta vacina para essa faixa etária permite que você evite VIT sem comprometer sua campanha de vacinação. Após casos relacionados ao AstraZeneca, alguns casos de AVC atípico foram relatados nos Estados Unidos após a administração da vacina Johnson & Johnson (seis em sete milhões de pessoas, todas com menos de 50 anos). AstraZeneca e Johnson & Johnson são vacinas baseadas em vetores: essas interações potencialmente perigosas são devidas a componentes comuns entre as duas vacinas. Enquanto se aguarda a confirmação, a restrição de idade deve ser estendida à Johnson & Johnson.

READ  Atenção, quem tem deficiência de vitamina B5 pode enfrentar esse problema na pele e no cabelo

Relação risco / benefício

2

Para vacinas, assim como para medicamentos, a relação risco / benefício deve ser favorável a esta última. A letalidade da Covid-19 na Itália é próxima de zero para a faixa etária até 40, aumentando para 0,2% e 0,6% na quinta e sexta década, e aumentando nas décadas seguintes (dados do Superiore Sanit Institute, 10 de março, 2021). O potencial para complicações graves, como Vitt após a vacinação com AstraZeneca, embora extremamente raro, pode representar um risco maior em adultos jovens do que o próprio Covid-19. Pelo contrário, os benefícios da vacina superam os riscos para pessoas com mais de 60 anos. Obviamente, existem mais vacinas A melhor solução é manter a vacinação com AstraZeneca entre as idades de 60 e 79 anos Alternativamente, vacine indivíduos com menos de 60 e mais de 80 anos com vacinas de RNA. Na verdade, essas vacinas não foram associadas a efeitos colaterais graves e provaram ser as mais eficazes na estimulação de anticorpos Sars-Cov-2, mesmo em idosos, que têm um sistema imunológico menos reativo. Além disso, a vacinação de jovens (que têm um trabalho e vida social mais ativos) com a Pfizer e a Modern também acelerará a obtenção da imunidade do rebanho. Na verdade, as evidências disponíveis até agora indicam que essas vacinas, ao contrário da AstraZeneca, não protegem apenas contra doenças graves, mas também contra infecções assintomáticas, evitando a propagação do vírus e suas variantes.

A necessidade de uma abordagem de comunicação científica clara e transparente

Esta é a situação hoje, o que indica claramente que uma estratégia de vacinação em um país deve levar em conta a saúde pública e também a do indivíduo e deve ser capaz de mudar rapidamente de acordo com a disponibilidade de novos meios e conhecimentos. Para vencer o jogo com o vírus, é necessário não só mudar a velocidade e acelerar a campanha de vacinação, mas também mudar a forma de comunicação. Precisamos de informações científicas claras e transparentes para combater a confusão crescente entre a população. Os dados à disposição das autoridades competentes podem mudar novamente e, por conseguinte, os indicadores podem mudar novamente. Somente o esforço conjunto dos órgãos reguladores e a comunicação compreensível e honesta manterão a confiança na estratégia de vacinação, garantindo que o resultado desejado seja alcançado no menor tempo possível.

READ  Ciência e Fé, Papa Francisco: "Trilhas de pesquisa multidisciplinares devem ser empreendidas"

* Anna Robartelli, Rossella Marcucci, Julia Casorati, Anna Mondino, Michela Matoli, Maria Ricchino, Valeria Pole, Paula Romani, Lucia Altocci, Barbara Bottazzi, Michaela Luconi, Francesca Valarino

14 de abril de 2021 (alteração para 14 de abril de 2021 | 22:27)

© Reprodução reservada