Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Os desembarques de migrantes estão a diminuir.  O novo acordo alegra a Europa

Os desembarques de migrantes estão a diminuir. O novo acordo alegra a Europa

Nos primeiros quatro meses do ano, registou-se uma redução significativa de 23% nas passagens irregulares das fronteiras da UE. Na prática, estamos a falar de um número menor de cerca de 64 mil migrantes que entraram irregularmente na Europa. De acordo com o relatório da Frontex, as rotas dos Balcãs Ocidentais e do Mediterrâneo Central registaram as maiores descidas, com uma diminuição de 69% e 62% no número de chegadas irregulares, respetivamente. Estas reduções são o resultado de políticas mais rigorosas e de uma maior cooperação entre os Estados-Membros e os países de trânsito. A rota do Mediterrâneo Central, que registou o maior número de desembarques irregulares em 2023, continuou a diminuir, com pouco mais de 16 mil pessoas a atravessarem, indicando a eficácia das medidas de controlo em vigor. Em abril, os desembarques nesta rota caíram para cerca de 4.600, uma diminuição de 70% face ao mesmo mês do ano passado.

Leia também: Guerra e alta tensão entre Bielorrússia e Polónia: aqui está a nova fortificação

Ylva Johansson, Comissária Europeia para os Assuntos Internos, descreveu o novo pacto de migração da UE como uma “grande conquista”. Este acordo representa “a primeira vez que a União Europeia conseguiu desenvolver uma abordagem comum e global à migração e ao asilo”. Sublinhando a importância de gerir a migração de acordo com os valores europeus, Johansson sublinhou que quando os Estados-Membros trabalham em conjunto, todos beneficiam. O Comissário da UE está confiante de que todos os Estados-Membros cumprirão o novo regulamento e que a Comissão tomará medidas em processos de infração, se necessário. Recordamos que a nova Carta das Migrações foi votada no dia 8 de fevereiro pelos representantes dos 27 Estados-Membros e foi adotada na passada terça-feira, após um longo processo de discussão conduzido pelo Conselho da União Europeia. A Itália foi certamente a campeã no ano passado ao colocar a velha questão dos migrantes, que tinha sido ignorada durante décadas pela própria UE, de volta à agenda de Bruxelas. O rumo parece agora ter mudado, graças às políticas migratórias desejadas pelo governo Meloni e partilhadas por outros Estados-Membros, a fim de reforçar a cooperação com os países de trânsito e de origem para melhor gerir os fluxos migratórios. A própria Primeira-Ministra Giorgia Meloni celebrou acordos bilaterais com alguns países do Norte de África especificamente para gerir melhor a questão dos migrantes. Como parece apropriado, devemos também recordar a chamada Agenda Mati para abordar as causas profundas da migração irregular.

READ  Gaza, a cúpula da ONU. Guterres: "Pare de atirar imediatamente." Mas Netanyahu diz: "O processo vai levar tempo e temos o apoio americano."

Leia também: Robert Fico, o primeiro-ministro ferido da Eslováquia: suas posições sobre a Rússia e os imigrantes

Do outro lado da moeda estão as rotas da África Ocidental e do Mediterrâneo Oriental, que registaram aumentos significativos, destacando a pressão migratória contínua nestas regiões. A rota da África Ocidental registou um aumento de 375% nos desembarques irregulares nas Ilhas Canárias, com mais de 16.200 migrantes nos primeiros quatro meses de 2024. Este é o número mais elevado alguma vez registado para este período desde que a Frontex começou a recolher dados em 2011. O Mediterrâneo A rota também registou um aumento de 105%, reflectindo as crises em curso em muitas áreas de migrantes. As três principais nacionalidades dos migrantes que cruzaram ilegalmente as fronteiras da UE em 2024 foram a Síria, o Mali e o Afeganistão, sublinhando as crises políticas, sociais e económicas que continuam a levar as pessoas a procurar asilo na Europa. Para Fabio Rambelli, deputado pelo Partido da Liberdade e Democracia, o declínio no número de migrantes “é uma confirmação de que os fluxos operados por traficantes de seres humanos foram, se não preferidos, então certamente tolerados por governos de centro-esquerda que usaram a solidariedade como uma ferramenta para alcançar outros objetivos.” A esquerda não deixa de ouvir Elie Shlein, que continua a defender incondicionalmente as ONG. Para o secretário do Partido Democrata, a solidariedade europeia na questão dos migrantes “significa que em vez de travar uma guerra contra as ONG, será necessária uma missão europeia de busca e salvamento no mar, porque faz o trabalho que os países europeus deveriam fazer”. “.