Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O que está acontecendo no Golfo de Omã, 6 petroleiros perderam o controle

AGI – As tensões aumentam no Golfo de Omã, cinco dias após o ataque a um petroleiro israelense, atribuído a um drone iraniano, no qual dois tripulantes foram mortos. Pelo menos seis petroleiros advertiram nas últimas horas que estão “fora de controle” na costa do emirado de Fujairah. Uma delas, a princesa panamenha do Asfalto, poderia ter sido sequestrada por pelo menos oito pistoleiros que teriam feito a tripulação como refém, segundo relatos de fontes da inteligência britânica, que apontaram o dedo para o Irã e seus aliados. Lloyd’s List Maritime Intelligence confirmou à BBC que o navio que partiu de Khorfakkan (Emirados Árabes Unidos) tem como destino Sohar (Omã) com destino ao Irã.

Não ficou claro o que aconteceu com os outros cinco barcos. De acordo com a mídia israelense, a brilhante mina de ouro, com a bandeira de Cingapura, foi atingida por uma mina de limão. Katie Mako, uma correspondente do Washington Post de Dubai, relatou que, de acordo com um oficial a bordo, o magnífico navio dourado não foi danificado, mas ela teria visto um drone voando baixo nas proximidades. Os dois navios já estão em movimento, assim como o vietnamita Abyss e a rainha Imatha, que arvora a bandeira da Guiana..

Entre os petroleiros que relataram problemas nas últimas horas, os petroleiros indianos Jag Pooja e Kamdhenu, que arvoram a bandeira das Ilhas Cook, permanecem “descontrolados”, mas na ausência de mais informações, não é possível a um momento para descartar que eles tenham encontrado problemas técnicos simples. Uktmo, a agência de segurança marítima da Grã-Bretanha, alertou sobre um “sequestro potencial” apenas em relação à princesa do Asfalto. Nenhum dos petroleiros em questão está ligado a interesses israelenses ou britânicos. Uma aeronave das forças armadas de Omã monitora a área a baixa altitude.

READ  Últimas pesquisas e comparações (incluindo insultos) de candidatos - Corriere.it

A Guarda Revolucionária negou qualquer envolvimento e descreveu as acusações como uma tentativa de criar um pretexto para “atos hostis” contra o Irã.. Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano afirmou “dúvidas” de que muitos incidentes tenham se acumulado em pouco tempo e enfatizou a disposição do Irã em cooperar. O primeiro-ministro israelense Naftali Bennett advertiu que o estado judeu está pronto para “agir por conta própria” para enfrentar a agressão de seu maior adversário.