Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ainda sabemos pouco sobre a explosão de Beirute

Já se passou um ano desde 4 de agosto de 2020explosão massiva O porto de Beirute, no Líbano, foi destruído, mas as investigações com os perpetradores estão paralisadas por vontade da política local. Mais de 200 pessoas morreram na explosão, 7.000 outras ficaram feridas e vários edifícios da cidade foram gravemente danificados, com um valor total de cerca de 3 bilhões de euros.

A explosão foi causada por um incêndio em um armazém do porto no qual quase 3.000 toneladas de nitrato de amônio, que chegaram a Beirute em 2013 em um navio mercante de propriedade russa, foram empilhadas. Até o momento, ninguém foi responsabilizado pelo fato de tamanha quantidade de explosivos ter sido armazenada no centro da cidade por anos, e muitas perguntas sobre o que realmente aconteceu permanecem sem resposta.

O que é conhecido e o que não é conhecido
O que sabemos com certeza é que o navio saiu da Geórgia com destino a Moçambique, onde deveria entregar o nitrato de amônio que o Banco Nacional local havia encomendado em nome da Fábrica de Explosivos de Moçambique, que manuseia explosivos industriais para minas. Construção, área onde o complexo é amplamente utilizado. Foi pelo menos o que constou dos documentos oficiais, mas há muitas dúvidas de que o verdadeiro destino do nitrato de amónio fosse Moçambique.

O facto é que o navio não chegou a Moçambique porque o proprietário, Igor Grechushkin, um rico empresário russo, não tinha dinheiro suficiente para atravessar o Canal de Suez, e por isso pediu ao capitão que parasse o navio em Beirute enquanto se aguarda a recolha do quantidade necessária. para pagar pelo tráfego. Mas isso não aconteceu, e o navio permaneceu parado no porto por meses. Em 2014, a carga do navio passou para o controle das autoridades municipais, que, por questões de segurança, o transferiram para um armazém do porto, aguardando decisão sobre o destino final.

Por que, nesses seis anos, as autoridades libanesas não se livraram do nitrato de amônio preso em Beirute é uma das muitas perguntas sem resposta que as investigações estão tentando apurar.

Nos últimos meses, documentos oficiais vazaram indicando que em pelo menos dez ocasiões, a alfândega libanesa, autoridades militares e de segurança, bem como o judiciário, alertaram o governo sobre o perigo dos explosivos, sem tomar nenhuma providência. Tanto o presidente Michel Aoun quanto o primeiro-ministro cessante Hassan Diab disseram que sabiam do perigo, mas deixaram que as autoridades portuárias lidassem com ele.

Outra questão que fica em aberto é quanto de explosivo há de fato no depósito: relatório do FBI, órgão investigador da Polícia Federal dos Estados Unidos, elaborado em outubro de 2020 e obtido há poucos dias pela agência de notícias Reuters, argumenta que nem todo o nitrato de amônio embalado explodiu, mas apenas 552 toneladas, um quinto do que o navio carregava. Não se sabe o que aconteceu com o resto, mas de acordo com o que algumas autoridades libanesas disseram em particular, ele foi roubado antes da explosão. Alguns políticos e ativistas disseram que o nitrato de amônio roubado será contrabandeado para a Síria e será usado pelo governo do presidente Bashar al-Assad como explosivos durante a guerra civil.

Há também quem defenda que a Síria foi desde o início o país receptor do embarque de explosivos: segundo investigação do jornalista libanês Firas Hatoum, três empresários sírios ligados ao governo Assad e George Haswani que trabalhavam na Síria estavam por trás da campanha. Irmãos Imad e Mudallal Khoury, que já haviam sido especificamente sancionados pelos Estados Unidos por serem próximos do presidente sírio.

Hatoum encontrei Que a Fábrica de Explosivos de Moçambique tinha comprado os explosivos por intermédio de uma empresa intermediária, Savaro Limited, sediada no Reino Unido no mesmo endereço das empresas pertencentes a Haswani e os irmãos Khorio: então Savaro, segundo Hatoum, era apenas um disfarce a esconder os verdadeiros compradores dos explosivos.

Você está no caminho de alcançá-lo
A atual crise política no Líbano por quase um ano aumentou a lentidão da investigação.

Poucos dias depois da explosão, o primeiro-ministro libanês Hassan Diab renunciou, mas um ano depois um novo governo não foi formado e o governo ainda não foi formado. A crise econômica está se aprofundando. situação política ambígua Teve repercussão Também sobre as investigações, que inicialmente foram confiadas a Fadi Sawan, um juiz desconhecido que no passado foi chefe do tribunal militar. Sawan indiciou Hassan Diab e três ex-ministros – Ali Hassan Khalil, o ex-ministro das finanças, e Ghazi Zuaiter e Youssef Fenianos, ambos ex-ministros de obras públicas – por negligência no manuseio de uma grande quantidade de nitrato de amônio depositado perto do porto.

No entanto, nenhum julgamento começou contra Diab e os três e quatro ministros não foram questionados, graças à imunidade de que gozam os parlamentares libaneses. Dois ministros sob investigação também apelaram perante o Tribunal de Cassação, acusando-o de ser um juiz imparcial, visto que sua nomeação foi feita pela Suprema Corte libanesa, composta por 7 membros escolhidos pela Câmara dos Representantes. e 8 juízes. Assim, eles dependem fortemente de partidos políticos. A Suprema Corte aceitou o pedido em fevereiro, argumentando que Sawan não poderia conduzir a investigação objetivamente porque ele reside em um apartamento danificado pela explosão no bairro de Ashrafieh.

A substituição de Sawan inicialmente gerou muitos protestos por parte das famílias das vítimas, que temiam que este fosse o primeiro passo para encobrir a investigação. O juiz que o substituiu, Tariq Bitar, 46, continuou no caminho que Sawan havia traçado. Em julho, ele pediu ao Parlamento libanês que levantasse a imunidade de vários parlamentares e do chefe do Aparelho de Segurança Nacional, General Abbas Ibrahim, para poder interrogá-los.

Mas o pedido ainda não foi acatado e mais de 20 deputados assinaram petição para transferir a investigação de Bitar diretamente para o Supremo Tribunal Federal, que tem competência para investigar os deputados. Os familiares das vítimas e vários ativistas também criticaram a medida e disseram que seria mais uma tentativa de proteger os parlamentares da investigação, visto que o Conselho Supremo nunca investigou nenhum parlamentar em toda a história do Líbano.

Em 14 de julho, dezenas de pessoas mostrar Em frente à casa do Ministro do Interior, Mohamed Fahmy, protestando contra a transferência da investigação para o Supremo Tribunal: Após essa manifestação, quatro dos parlamentares que assinaram a petição retiraram seu apoio.

READ  Último dia de aula, podemos dar uma festa? E este ano, pinturas com sons estão de volta - Corriere.it