Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O Dia da Água não é para evocar a chuva mas sim para inverter o paradigma

O Dia da Água não é para evocar a chuva mas sim para inverter o paradigma

O Dia Mundial da Água está mais seco do que o normal este ano devido a uma seca de dois anos. A primeira pergunta. A seca nos ajuda a entender nossas responsabilidades, ou corre o risco de nos fazer pensar que é tudo culpa do céu que não chove?

Este último lançamento, que é possível, seria um desastre e não podemos arcar com isso. Se não chove, é por causa da mudança climática, que por sua vez é a causa de nosso modo de viver na Terra e olhar para seus recursos como um avarento olha para seu tesouro de ouro.

Então, nós apenas temos que começar fazendo dois esforços. A primeira é preservar o que estamos articulando há décadas em nossos discursos. Então regue com terra, terra com plantas, plantas com ar, ar com terra. Em suma, tudo é um ecossistema e é esta visão que deve ditar a linha política. Prejudicar uma parte é, em última análise, prejudicar as outras partes.

E os solos são o ecossistema mais importante de todos, conforme declarado em 21 de abril pelo Parlamento Europeu em uma resolução ainda muito negligenciada (Resolução EP 2021/2548 Rsp sobre Proteção do Solo, 21 de abril de 2021). Portanto, se falta água, é também porque negligenciamos o solo que pode retê-la; É porque estamos tão focados na agricultura intensiva que não nos qualificamos mais; É porque consumimos o solo alterando o ciclo da água com todos os danos consequentes; Isso porque promovemos uma dieta que exige muita água e não contamos para ninguém.

Segue-se um segundo esforço: entender como são as coisas para que se iniciem mudanças radicais em nossos estilos de vida e em nossas economias.

Como de costume, vamos começar com o consumo do solo. Urbanizar o Marj significa deixar infiltrar de quatro a cinco vezes menos água da chuva e isso agrava os efeitos da seca. O urbanista sabe disso, e o prefeito que aprova um urbanista com processos urbanos novos e antigos sabe disso. 50% da precipitação só vaza se encontrar grama ou superfícies de floresta. Se esse número cair, especialmente nas planícies, isso é um grande problema.

Metade da água que desce para o aquífero e a outra metade fica nos primeiros centímetros do solo, que devemos pensar como uma grande cisterna na qual se acumula água preciosa para ser devolvida pouco a pouco às plantas, mesmo quando não é. Está chovendo. Principalmente quando não está chovendo.

READ  NVIDIA e ARM, você está aqui? L'azienda dovrà pagare pena de 1,25 miliardi - Multiplayer.it

O solo é feito de pequenas cavernas que abrigam cavernas ainda menores com cavernas ainda menores dentro. Cada um coleta umidade preciosa em suas paredes insanamente grandes: 800 pés quadrados para apenas um grama de solo saudável. Toda a água que sobra no campo é água preciosa que não perdemos. Por outro lado, se cimentarmos, um pouco da água da chuva vai escoar em pouco tempo, podendo até causar estragos se a chuva for forte e curta. As terras não urbanas podem conter até 3,8 milhões de litros de água ou 150 caminhões de garrafas de água. E tudo isso de graça. Bons motivos para falar, especificamente no Dia Mundial da Água, em eliminar já o consumo da terra.

Mesmo a agricultura, principalmente se for intensiva e hostil à biodiversidade, tem uma responsabilidade ridícula de ser a água seu maior usuário (40% na União Europeia) e descartam (eles também tiram limpo e devolvem sujo). Algumas operações agrícolas compactam o solo e também muitos veículos agrícolas, que ficam mais pesados. Isso aumenta a resistência à água, o que reduz novamente a quantidade de água que pode permanecer no campo para as culturas. Se sobrasse menos água ali, teríamos que buscar mais água de fora: isso é um problema e um custo. Não somente.

A crise hídrica deve nos levar a entender que não podemos sustentar toda essa quantidade de cultivo intensivo de milho, destinado a alimentar o gado que ultrapassou todos os limites de sustentabilidade e sustentar a produção de energia a partir da biomassa (ou seja, culturas de milho que começaram a produzir combustível que depois vai ao motor para produzir energia, com todas as perdas de rendimento entre as várias etapas) que invadiram as nossas planícies.

No Dia da Água, podemos apenas dizer que a pecuária é um setor difícil em termos de uso de água e energia. Para gerar uma unidade de energia da carne que está em nosso prato, temos que usar dez dela no ciclo de produção. São necessários mais de 15.000 litros para cada quilo de bife bovino e 6.000 litros para a carne suína: isso é chamado de pegada hídrica. Apenas 2-4% vem da reciclagem de água, enquanto mais de 90% vem da água da chuva. Uso massivo de água para produção de milho e forragem, sustentando um produto intensivo em água e energia. O milho também precisa de água em julho, quando sempre havia menos e hoje menos ainda. É possível lamentar a seca continuando com o temeroso consumo de carne? É possível lamentar a seca no Vale do Pó, onde 80% do milho vai para o abate e fornos de biomassa?

READ  Preços da gasolina: A trégua acabou, eis o que está acontecendo. Atualizações e previsões

O Dia da Água não serve para invocar a chuva mas sim para compreender que é necessário mudar os nossos hábitos alimentares que estão errados ou simplesmente já não são compatíveis com o clima atual. A política deve estar preocupada em iniciar as mudanças radicais necessárias, como afirma a Estratégia Europeia para a Biodiversidade (apenas para atualizar os compromissos assumidos pelos nossos mais de 8.000 governos regionais na Itália, incluindo municípios e regiões).

Fechar os olhos involuntariamente para um modelo de bombeamento econômico e estilo de vida que exige água não faz sentido. A política não é um serviço sob demanda para cimento e pior agricultura, mas existe (ou deveria estar) para conduzir esses setores por um caminho sustentável e muito, muito diferente do atual. É difícil, mas necessário. Entre nossa sede e nossa economia, bebemos na Itália 6.400 litros por pessoa por dia (Décimo terceiro no mundo e quarto na Europa depois de Portugal, Espanha e Grécia), somos os primeiros na Europa no consumo de água potável em cerca de 430 litros por pessoa por dia. Parece-me claro que o consumo deve ser reduzido e, sobretudo, a pegada hídrica no setor agroalimentar e nas nossas escolhas alimentares deve ser significativamente reduzida. As mãos devem ser colocadas na grade de vazamento (mais de um terço da água é inserida). As cidades devem ser permeáveis, o consumo do solo deve ser interrompido, sem ses e mas. A água urbana deve ser coletada, evitando o desperdício de água potável para lavar as ruas.

Mas onde estão esses programas? em qual andar? Em que programa político? Em algum plano nacional de recuperação e resiliência? Não deixe nossos primeiros-ministros e líderes escaparem da garrafa. Se queremos falar de água, devemos fazê-lo com uma nova visão política, que deixe de separar os sintomas das causas, que deixe de ver uma parte, esquecendo que tudo está ligado a tudo, ou que as políticas de que precisamos são as únicas possíveis . São aqueles que pensam ambientalmente.

READ  Primeiros Empréstimos à Habitação, Parcela Prolongada: Requisitos e Beneficiários

Dias como os Dias da Água deveriam ser dias em que não lamentamos os mortos, mas trabalhamos duro para mudar vidas radicalmente. Desconfiamos de quem nos oferece a separação lógica que separa a água do solo e o solo das plantas: assim não conseguiremos atingir os objetivos e compensar os atrasos. Não confiamos em quem quer gerir a água confiando-lhe interesses especiais. Não confiamos em quem nos diz que a autonomia diferenciada também resolverá esse problema porque estão errados e só o contrário é verdadeiro.

O que você faz em seguida? Para além de travar o consumo do solo, rapidamente e sem excepções, as propostas só podem ser ajudar a agricultura, elaborando um plano comum para uma rápida e necessária transição para culturas menos exigentes em água, para um método de tratamento dos campos em em que se privilegia a conservação da água no campo (práticas agrícolas, sebes de bordadura, zonas arborizadas, etc.), para uma redução gradual dos excessos da pecuária, para uma reeducação alimentar de nós cidadãos, fundamentalmente desconhecedores da pegada hídrica do que nós comemos. É preciso reorganizar as diferenças de uso entre o setor energético e a agricultura, o que significa voltar ao rumo geral, ambientalmente preparado, para a gestão dos recursos naturais. Portanto, precisamos lançar iniciativas de reciclagem de água industrial e civil mais intensivas do que fazemos hoje.

Em suma, recordar apenas o 22 de março da água e da sua escassez sem nos lembrarmos todos os dias da necessidade urgente de mudar a nossa visão das coisas e dos nossos hábitos não nos fará tomar o caminho certo que podemos seguir usando óculos ambientais.

Paolo Belleri é professor de Planejamento Regional e Ambiental na Escola Politécnica de Milão. Seu último livro é “Soil Intelligence” (Altreconomia, 2022).

© Reprodução protegida por direitos autorais