Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA criou um lançador LRFL não tripulado com um míssil de cruzeiro Tomahawk, inspirado no sucesso do sistema NMESIS com o míssil Naval Strike.

O Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA criou um lançador LRFL não tripulado com um míssil de cruzeiro Tomahawk, inspirado no sucesso do sistema NMESIS com o míssil Naval Strike.

O Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA está desenvolvendo sistemas não tripulados capazes de direcionar mísseis de cruzeiro e mísseis antinavio. O serviço anunciou recentemente um lançador baseado em NMESIS.

Aqui está o que sabemos

O sistema é denominado Long Range Fires Launcher (LRFL). Pela primeira vez em três décadas, o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA adotou mísseis terrestres de longo alcance.

O LRFL se baseia no sucesso do sistema NMESIS (foto abaixo) para o míssil antinavio Naval Strike Missile (NSM). O veículo não tripulado ROGUE, baseado no JLTV, também é usado como chassi.

Além disso, o Exército não reinventou a roda e usou a fuselagem Mark 41 Vertical Launch System como lançador. Não feito sem alterações. O LRFL só pode disparar mísseis de cruzeiro Tomahawk, enquanto o Mark 41 é capaz de derrubar ameaças aéreas com mísseis antiaéreos SM-6.

Aliás, o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA não se restringiu ao sistema Typhoon. O lançador pode usar mísseis de cruzeiro Tomahawk e mísseis antiaéreos SM-6.

O LRFL com uma cápsula de disparo parece um pouco estranho e desajeitado. No entanto, não deve haver problemas de portabilidade. O serviço diz que o lançador não tripulado pode ser instalado em uma aeronave de transporte militar C-130.

Na foto acima, você pode ver a grande unidade. Ele contém o hardware necessário para o lançamento remoto de mísseis de cruzeiro Tomahawk. Mais informações sobre LRFL ainda não estão disponíveis.

fonte: Notícias da Marinha

READ  Instagram, com esta função, você pode dizer adeus ao spam e às mensagens irritantes: veja como