Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O caso da Tunísia e o caro impasse europeu Corriere.it

A partir de Angelo Banibianko

A crise em curso no país do Norte da África, que corre o risco de uma guerra civil, deve fazer-nos abrir os olhos: temos um grave problema de segurança, mas parece que não o percebemos.

NSO que nos sugere a atual crise na Tunísia, um país que pode a qualquer momento mergulhar no caos da guerra civil? A crise da Tunísia deve nos obrigar a abrir os olhos. A Europa tem um sério problema de segurança, mas parece não se dar conta disso. Os profissionais que lidam com isso em países europeus, de várias capacidades, sabem disso, mas a opinião pública ainda não entendeu. O problema da segurança na Europa pode ser resumido da seguinte maneira: a Mãe América parece pronta para abandonar os filhotes à sua sorte e não parece mais preparada para protegê-los de ameaças iminentes. A América mudou e as ameaças mudaram.

Pense na Itália, o país europeu mais exposto em comparação com o que está acontecendo no lado sul do Velho Continente. A visita do Ministro das Relações Exteriores Di Maio à Líbia, que se seguiu à do Primeiro-Ministro Draghi há algum tempo, mostra a preocupação e preocupação do nosso governo. Estamos à mercê de possíveis ondas de imigração em massa (se a guerra civil realmente estourar na Tunísia, notaremos imediatamente) e o Mediterrâneo é um mar controlado por potências hostis: Rússia e Turquia. Nos próximos anos, eles serão os responsáveis ​​pela supervisão / gestão do contrabando de pessoas entre a África e a Europa. Depois, há a ameaça do terrorismo: no Magrebe, na Tunísia e na Líbia, na vanguarda, como em outras partes da África, há inúmeros jihadistas à espera de uma oportunidade para liderar suas próprias mãos.

aProvas de que a Itália, exceto, é claro, para o governo, não tem o menor conhecimento dos perigos que podem ser facilmente verificados: Você acha que até mesmo um dos partidos implantou, com a bênção do líder, um político competente e experiente que é capaz de falar com o Estado sobre problemas internacionais e de segurança sem recorrer a slogans e propaganda baratos? Você não encontrará um. Se a opinião pública for alertada, se a consciência dos riscos se espalhar amplamente, os partidos terão que se preparar para um diálogo inteligente com os eleitores.

O resto da Europa não está em melhor situação. Durante anos, brincamos com slogans sem sentido. Alguém se lembra do que foi dito sobre a Europa como potência civil? A ideia era que nós, europeus, nas nossas relações com o resto do mundo, devíamos ser um exemplo de virtude: civilizada, isto é, pacífica, em contraste com os rudes e violentos cowboys americanos. Era uma imagem tranquilizadora. A Europa poderia ter substituído a espada pela diplomacia e comércio, porque gozava da proteção americana. A proteção não consistia apenas no pára-quedas atômico. A América também nos protegeu porque está guardando todos os lugares estratégicos e potencialmente perigosos para a Europa, a leste da Rússia e do Oriente Médio. A ignorância européia de como os fatos realmente se posicionavam era tal que, embora nos beneficiássemos de sua proteção, muitos de nós culpávamos os americanos por não os criarem. estado de bem-estar Tipo europeu. Além das várias tradições culturais, havia um pequeno detalhe de que a Europa, após a Segunda Guerra Mundial, pôde se dar ao luxo de desenvolver dispendiosos sistemas de previdência social porque, graças à proteção americana, dispunha de recursos que poderiam ter sido investidos em armamentos. e defesa.

READ  "Já entramos na quarta onda." Um pesadelo na Itália também? - Grátis diariamente

Ainda existe algo que podemos razoavelmente chamar de Ocidente? Refiro-me ao Ocidente no sentido político, é claro. Eu sugiro que você leiaaobrigatórioO excelente e angustiante ensaio de Leon Wieseltier, inspirado na Wilsonian International, sobre a nova América.

Os duros debates anti-europeus de Trump foram substituídos pelos sorrisos, apertos de mão e tapinhas nas costas de Biden. se então? No momento, não há indicação (a não ser uma possível retomada das negociações nucleares entre os Estados Unidos e o Irã) de uma mudança de política em relação aos tempos do governo Trump em relação ao Oriente Médio e ao Próximo Oriente. O vácuo de poder deixado pelos americanos – que Biden não parece disposto a remediar – é preenchido por outras grandes potências (Rússia e China) que estão consolidando suas posições a cada dia e deixando o máximo de liberdade de ação ao novo imperialismo regional (Turquia e Irã) ) Se descobrirmos que a resposta para a pergunta ainda existe no Ocidente? Negativo, se descobrirmos que nem mesmo Biden pode unir os Estados Unidos e a Europa (pelo menos em termos de segurança), se nos certificarmos de que é impossível obter em troca um compromisso renovado e decisivo dos Estados Unidos com nosso flanco sul. a fim de apoiar os europeus na competição entre os americanos e os chineses, então tudo Resta esperança na Europa. Os governos dos países mais importantes, Alemanha e França, além da Itália, devem levar em conta as mudanças das condições internacionais, despertar suas opiniões públicas e tomar decisões coordenadas para enfrentar os novos perigos.

Outro fator que favorece a inércia europeia é o fato de que os europeus vêem as ameaças de maneira diferente. Com algumas raras exceções: a intervenção italiana na região do Sahel ao lado da França decorre de um desejo convergente de impedir o enraizamento do extremismo islâmico, antes que ele represente uma ameaça para todos nós. A repentina decisão de Macron de retirar o contingente militar francês do Mali levanta dúvidas sobre o futuro dessa missão. Normalmente, não há uma avaliação comum dos riscos: é mais fácil hoje, em outras capitais europeias, sussurrar: pode uma guerra civil na Tunísia ameaçar a Itália? Que os italianos se apressem. Sejam eles. Como não há percepção idêntica de ameaças, a tendência, na maior parte, é: cada um por si. Claro, se um importante país europeu a médio prazo entrar em apuros, o resto da Europa também sofrerá as consequências. Mas as democracias não estão interessadas no que pode acontecer a médio prazo. Apenas o curto é importante. Talvez devêssemos esperar, apesar das aparências em contrário, que a resposta à pergunta O Ocidente existe? Ainda é positivo.

2 de agosto de 2021 (alteração 2 de agosto de 2021 | 21:03)