Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Nunca baixe a guarda, concentre-se até o fim”

Olhar para o outro lado do oceano e olhar para os esportes que construíram uma história não só para o esporte, mas também para o país, pode ser um exercício útil para ampliar horizontes e fazer bom uso de mundos diferentes que se assemelham.

Beisebol, basquete, futebol americano e hóquei, só para citar as Quatro Grandes Estrelas e Listras, estão repletos de histórias, anedotas e anedotas traduzidas em livros, filmes, músicas e produções artísticas, capazes de sintonizar nossas próprias frequências, ajudando a solidificar a convicção e a vontade.

É assim que o chapéu xadrez de Paul Bryant vem à mente ao ler os comentários de Janis Silva. Uma em particular: “Não é a vontade de vencer que importa, todos a têm. O que importa é a vontade de se preparar para vencer.”

Não é a vontade de vencer que importa, todo mundo tem isso. É o desejo de se preparar para vencer que faz a diferença.
Afinal, quem não entra em campo com vontade de vencer? No entanto, vários elementos capazes de influenciar o resultado desempenham um papel nessa equação. Incluindo, de fato, uma preparação cuidadosa e firme para cada cenário. E certifique-se de descartar um resultado que parece óbvio demais.

Falconara aprendeu isso na Copa da Itália ao enfrentar o Bisgli nas quartas de final. Talvez ninguém, vendo o arranjo, tivesse imaginado uma corrida tão tensa e incerta até o fim. No entanto, os Apulianos têm dificuldade em dar muito a Luciani & co. No entanto, o que era palpável entre os cidadãos era a convicção de que tinham todo o tipo de ferramentas à sua disposição, desde a equipa de qualidade ao trabalho realizado com o objetivo final de sair do PalaDolmen com o troféu.

READ  Copa do Mundo, uma surpresa para Mancini: uma "promessa" inesperada para Portugal

A experiência foi útil na primeira mão dos quartos-de-final do Scudetto em 21/22. “Sabíamos o que Bisglei poderia fazer”, diz Janice.

“É uma equipa muito organizada e experiente e a corrida na taça foi a prova disso. Por isso, ao defrontá-los na primeira fase de qualificação, entrámos em campo sabendo das dificuldades que íamos enfrentar mas muito preparados para enfrentar graças à formação das últimas semanas, foi assim que conseguimos responder positivamente ao primeiro apelo à mudança.”

O primeiro episódio foi para a cidade de Falconara. Amanhã o Nerozoor chega a Marche com a esperança de reverter o resultado da primeira mão, mesmo que a diferença de golos seja significativa. Mas a história nos ensina que nada é impossível, e é difícil lidar com isso superficialmente. “Será o máximo de atenção. Queremos atingir o objetivo de médio prazo: vencer e seguir em frente. Isso é tudo que temos focado durante a semana e é a posição que, juntamente com um grupo forte e de qualidade , nos permitiu ganhar dois títulos nesta temporada.”

Na primeira corrida, foi o escrutínio de Janis Silva no final da primeira parte que quebrou o equilíbrio e deu início à sequência de golos que levou à vitória por 6-1. Harmonia, a harmonia do número 8, que cresceu com o tempo. “Foi difícil me adaptar a um torneio muito diferente do português. Não estava habituado a um jogo tão físico. Com o tempo, com vontade, treinos e jogos, com a ajuda dos meus companheiros, do treinador e de todo o clube, Consegui separar e acima de tudo ajudar a equipa a atingir os seus objetivos”.

“Aqui não acabou” pareço ouvi-la dizer, a voz interior de quem sabe que ainda há muito a fazer e tem toda a intenção de continuar fazendo bem.

READ  Liga Europa e Liga, resultados de qualificação

“Me sinto bem, satisfeito até agora. Até porque é meu primeiro ano aqui e tive algumas dificuldades de adaptação. Apesar disso, já conquistamos dois títulos e estamos lutando pelo campeonato nacional e é sempre bom conseguir o título metas que nos propusemos!” Há uma dificuldade de adaptação, estes são os resultados, para não falar do que pode acontecer quando o contexto é bastante familiar, quando a sensação de “casa” é a realidade longe de Portugal.

Mas agora é hora de se preparar para a Corrida 2, pensar no campeonato, passar no Tour e dar um passo em direção ao objetivo final do tempero. “A minha ambição – e conclui – é sempre dar o meu melhor, ganhar tudo e deixar a minha marca.”

Jogue duro e deixe sua marca.

comentários