Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

MotoGP. Carmelo Ezpeleta, Dorna: “Copiamos da F1 o que podemos copiar” – MotoGP

RuaEu estava em Pamplona, ​​relata o site espanhol MarcaNa reunião Eventos, Quo Vadis organizado por Navarra Capital. Carmelo Espelita Sentado à mesa com Stefano Domenicalidiretor administrativo da F1, foi solicitado a comentar o assunto Indústria global, fornecimento ilimitado. Dorna era conhecido por estar de olho na F1, mas nesta ocasião Ezpeleta estava mais visível.

“O futuro? A longo prazo”, começou Ezpeleta. O mundo dos motores continua sendo o principal gerador de inovações no campo da mobilidade. Tudo já foi testado em corridas, todas as medidas de segurança para carros vêm da Fórmula 1. Foi assim que passamos de 2 tempos para 4 tempos, temos uma classe totalmente elétrica e buscamos combustíveis ambientais como a F1.

O relacionamento entre Linha MotoGP e F1É apropriado dizer amor e aprovação.

“Se nada me convence – admite Ezpeleta – eu assisto F1. A primeira coisa que recebo depois da corrida é uma mensagem de Stefano Domenicali que me parabeniza. E eu faço o mesmo. F1 é o automobilismo número um em Não me dói admita: nós nos complementamos. Aprendi muito ao longo de muitos anos de F1 e agora a relação com Stefano está muito mais forte. O que eles fazem me beneficia muito: copiamos o que podemos copiar.

E para mostrar?

“Estamos muito perto do número máximo de eventos. Seria um sonho nosso poder fazer isso Você tem vinte e dois GPNão porque os pilotos são mais propensos a se machucar do que na Fórmula 1 e os pilotos precisam de tempo para se recuperar. O grande objetivo a curto prazo é poder ter GPs em todo o planeta e tornar as esquadras mais seguras. Uma das tarefas mais difíceis é fazer um calendário. A colaboração com a F1 é fundamental, há muitos aspectos em que estamos trabalhando juntos”.

READ  Plano de recuperação, UE: o financiamento pode começar, planos de recuperação aprovados

A Ásia está se tornando cada vez mais importante.

É muito importante estar lá, para os produtores. Iremos para a Índia e também para a Indonésia. Ásia América. Não vamos esquecer os Estados Unidos, que é a maior economia do mundo. Nosso esporte nasceu na Europa com a intenção de viajar para o exterior. Indy e NASCAR tentaram ir para o exterior, mas falharam. A F1 conseguiu se sair bem no carro, tem um alto nível de segurança e isso permite correr em circuitos não permanentes com mais oportunidades de diversão. Para nós, claro, isso é impossível, mas podemos estar em muitas partes do mundo. E agora está se tornando cada vez mais importante construir novos circuitos que sejam válidos tanto para a F1 quanto para a MotoGP”.

Carmelo também falou sobre A multidão está no caminho certoA partir de Televisão paga Baseado em redes sociais.

“F1 e MotoGP são esportes que deveriam ser vistos todos os domingos na TV, mesmo que fosse legal assistir ao vivo. Muita gente se pergunta o que aconteceria se fossem transmitidos de graça, mas não tenho dúvidas: Verstappen é mais popular hoje do que quando foi ao ar. Transmitindo GPs obviamente, porque atinge um público muito maior através das redes sociais. E é por isso que temos que lidar com isso: Temos que continuar fazendo melhores produções de TV, mas também entregar conteúdo para as redes . Temos que ter a capacidade de entregar aquele conteúdo que alcance de imediato até quem estava na praia na hora do acidente Verstappen-Hamilton.”

Finalmente em um arquivoO equilíbrio que existe hoje no MotoGP e nas corridas de velocidade.

READ  Teste, dados técnicos, opiniões e dimensões do Nissan Qashqai 1.5 e-Power Tekna

“Anos atrás, na Fórmula 1, ele dava ao vencedor três voltas por segundo, agora não. E assim, Também no MotoGP é importante que todos tenham oportunidade de vencer E para ser coletado em um segundo. Se um piloto sair superior aos demais, melhor ainda. Em Portugal, vamos fazer o nosso primeiro sprint. O que quer que eu veja Stefano Domenicali fazer, se eu posso fazer, eu faço. Muitas coisas vão mudar no novo programa, os pilotos vão ficar mais próximos dos fãs, vão dar show. Outra coisa importante da F1 e da MotoGP é a relação muito próxima com as equipes e fábricas. As equipes especiais são muito proativas. Não temos teto de gastos, mas não pode acontecer, como no passado, que vença quem tem mais recursos”.