Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Microplástico, a ciência tem uma maneira de coletar e removê-lo

A nova técnica, desenvolvida por cientistas da Universidade Politécnica de Hong Kong, usa biofilmes bacterianos (uma substância pegajosa produzida por microorganismos) para capturar partículas de micro-plástico.

O biofilme é então processado e disperso, e as partículas de plástico são liberadas para processamento e reciclagem.

Microplásticos é um fenômeno muito problemático. Eles representam uma séria ameaça às cadeias alimentares e à saúde humana.

“Não é facilmente biodegradável, pois é preservado nos ecossistemas por longos períodos”, diz o pesquisador. Yang Liu. Isso resulta na absorção e retenção de partículas de plástico pelos microrganismos ao longo da cadeia alimentar.

A pequena esponja que conquistou tudo. Eles estão nos enterrando sob uma montanha de venenos.

Devido à sua absorção massiva, os microplásticos podem absorver poluentes tóxicos, como pesticidas, metais pesados ​​e resíduos de medicamentos em altas concentrações.

O pesquisador da Universidade de Hong Kong afirma que “isso leva à toxicidade biológica e química para organismos em ecossistemas e humanos após consumo involuntário prolongado”.

Plástico delicado: na cintura

Os microplásticos representam uma ameaça insidiosa. É difícil removê-lo até mesmo de instalações de purificação que não impedem sua liberação indesejada no meio ambiente. No entanto, este novo método pode representar um ponto de inflexão.

Foto por Fotografia Antoine Geert Sobre Unsplash

Como funciona a tecnologia desenvolvida pela equipe de Hong Kong?

Mais especificamente, os pesquisadores usaram bactérias Pseudomonas aeruginosa Para capturar partículas de plástico finas em um biorreator.

Estou no biofilme Pseudomonas aeruginosa Faz com que as partículas microplásticas se aglutinem, eventualmente fazendo com que afundem. Em biorreatores, esse microplástico o torna mais adequado para montagem.

Uma vez capturados e despejados no biorreator, os pesquisadores “desembaraçam” os microplásticos do biofilme usando um gene espalhado.

READ  O MuseoEstate 2021 retorna ao Museu da Ciência

consequências?

Liu explica que este método “permite a separação dos microplásticos da matriz dos biofilmes. Um processo difícil e caro, que agora é possível e também nos permite recuperar materiais para reciclagem.

Imagine este método anti-microplástico bem em estações de tratamento de água

Mini plástico

Microplásticos são partículas de plástico com diâmetro inferior a 5 mm. Eles podem entrar no meio ambiente por meio de várias fontes, incluindo quebrar grandes pedaços de plástico, lavar roupas sintéticas, quebrar pneus de carros e resíduos plásticos diretamente da indústria. Os métodos atuais de descarte de partículas de plástico, como incineração ou armazenamento em aterro, são limitados e apresentam desvantagens importantes.

Próximas etapas para pesquisar quais foram Publicado no Journal of Chemical EngineeringA prova de conceito é transferida do laboratório para o ambiente real.

Liu e seus colegas esperam que a tecnologia seja eventualmente usada em estações de tratamento de águas residuais para ajudar a impedir que microplásticos vazem para os oceanos.

Pesquisas como essa, que poderiam reduzir a “plastificação” de nossos ambientes naturais, são de fato boas notícias.