Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Liga Italiana, análise após 16ª rodada: Inter com 100 pontos

A equipa de Inzaghi confirma-se como a mais forte de sempre com números assustadores. O Milan respira, mas agora precisamos de continuidade. Roma, a pintura está chorando

Lautaro Thuram deixa o Inter. Como previsto ontem revista, Simone Inzaghi leva os pontos e foge: mais um obstáculo difícil superado. A Lazio havia vencido o Inter nas duas partidas anteriores no Olímpico e sofrido apenas um gol em casa nas últimas seis partidas, mas não havia nada que pudesse fazer diante do tanque nerazzurri. Embora durante longos períodos da partida, através de dribles e jogo, Sarri tenha conseguido se segurar e criar algum perigo, o grupo de granito de Inzaghi nunca sentiu o risco de desmoronar. Ele faz o que fazem os grandes times: controla os momentos do jogo, quase nunca está livre de problemas, sabe conter a bola e depois bater. Ele sabe aproveitar todos os erros dos outros e é mortal no contra-ataque e também no primeiro e segundo gols. Quando precisa controlar, é um driblador habilidoso. Sofre muito pouco e marca muito: marcou 39 gols e sofreu 7: +4 sobre a Juve, +8 em relação ao ano passado, pode terminar a primeira mão com 50 pontos (como o Napoli no ano passado) e no final do temporada ele deve chegar aos 100…

O torneio é longo, mas o Inter já sabe de uma coisa: vai passar o Natal no topo da tabela. Até agora, sempre venceu com os grandes times, em casa e fora, com exceção do empate em Turim com a Juve, quando deu a satisfação de seguir invicto. Pouco a dizer: o Inter é completo e assustador. O campeonato é o principal objetivo buscado por Inzaghi. Não há oponente no nível dela no momento. A esperança da Juve é ficar o mais próximo possível dos nerazzurri, ajustar o time em janeiro e torcer para que a Liga dos Campeões canse o Inter (empate hoje) ou alguma coisa dê errado: mas hoje é difícil ver o time, e entender o que é. A Lazio rendeu-se, tal como quase todos os adversários do Inter. A diferença de valores foi vista em campo. Sarri conseguiu até o momento uma qualificação muito importante para as oitavas de final da Liga dos Campeões, mas no torneio a classificação é muito triste, principalmente considerando o caminho virtuoso do ano passado: apenas 21 pontos, 5 nas últimas 5 partidas, 11º lugar , -9. Em comparação com o ano passado, apenas 16 gols foram marcados. No terceiro ano de Sarri, seria de esperar mais crescimento ou pelo menos a confirmação do que foi mostrado até agora, mas em vez disso…

READ  F1, Max Verstappen de volta à pista: teste com Porsche no Estoril

O outro lado de Milão também sorri. Monza era um adversário perigoso, mas o Milan acalmou-se, assumindo a liderança imediatamente, com talvez a contratação de maior sucesso no seu diversificado mercado: Rejenders. Depois houve espaço para um conto de fadas de Natal com o objetivo de contratar Simic, um jovem de 18 anos que esperançosamente terá um futuro brilhante. O que preocupa é o número de lesões que aumenta após os nocautes de Okafor e Bubega. Desde o início do ano já foram 29. Pioli acusa o calendário de estar muito lotado e pede que FIFA e UEFA levem em consideração a saúde e a integridade dos atletas. Enquanto isso, eles podem desfrutar do terceiro lugar, -5 da Juventus e +5 do quinto colocado Napoli. Um belo suspiro de alívio. Os objetivos dos rossoneri são claros: se classificar para a próxima Liga dos Campeões e tentar vencer a Liga Europeia. Mas agora precisamos de continuidade.

No dia da memória de Mihajlovic, que traçou o caminho que Motta traçou como equipa surpresa, o Bolonha venceu claramente a Roma, conquistando sozinho o quarto lugar. Durante uma hora, Motta deu uma lição de futebol: organização, dribles, movimentos com e sem bola, desarmes, tendo Zirkzee como meio-campista manipulador e diretor de ataque, um perigo real e sempre presente. Punk, bola fora, cruzamento para trás: o esquema colocou diversas vezes a defesa da Roma em apuros. A Polónia merece esta classificação e pode acreditar na Europa. No terceiro ano como treinador de Mo, a Roma, lenta e desajeitada no meio-campo, sem jogo e sem ideias, sempre longe do adversário para fazer pressão útil, quase empatada com apenas dois homens: um grande avançado emprestado (Lukaku) e um grande mas talento frágil (Dybala).Extremamente. Hoje os dois estiveram ausentes e o resultado foi claro. A placa volta a chorar: a Roma está em segundo lugar no grupo da Liga Europa, atrás do Slavia Praga e em sétimo no campeonato (a Atalanta espera esta noite). Mo, com a sua habitual capacidade comunicativa, desviou a atenção da quinta derrota ao falar do seu futuro: quer ficar na Roma mas explica que no futuro, com o Fair Play Financeiro, seria melhor focar mais na juventude. As pessoas são supostamente ótimas para recuperação ou sem entusiasmo. Talvez ele estivesse certo. Mas será ele o treinador certo para este projeto? Com a segunda contratação na Liga Italiana? Sem os campeões, aos quais Mo sempre esteve habituado, haverá necessidade de jogo e de ideias: não basta fazer a estreia dos jovens, é preciso fazê-los crescer graças ao resultado. Como eles morreram…

READ  Será um streamer do Catar