Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

história e política

história e política

A esquerda perdeu as eleições regionais de 2023 porque Gramsci perdeu em 1949.

Gramsci escreveu em seus cadernos de notas que no início do século XX a civilização moderna entrou em uma “crise orgânica” e, como no Renascimento, para superar a crise da civilização medieval, iniciou-se a construção de uma nova civilização criando novas ciências e novas artes, agora era preciso construir outra civilização humana.
Os marxistas italianos não quiseram reconhecer essa missão histórica no Quarteto de Gramsci. Liderados política e ideologicamente por Togliatti, eles juraram reduzir Gramsci a um “marxista crítico” e lendário fundador do Partido Comunista Italiano. Em 1949, foi publicada a edição temática dos Cadernos supervisionados por Togliatti, e foi o começo do fim.

Será preciso esperar 1975 e a edição crítica dos cadernos para começarmos a falar da “ruptura epistêmica” de Gramsci na prisão em relação ao jovem Gramsci, mas vagamente, novamente à maneira de Togliatti. E de forma surpreendentemente paradoxal: a imagem na folha de rosto dos cadernos de 1975 não era a foto da prisão de 1933 – de Gramsci, o estudioso da história e da política – mas a foto de 1916 de Gramsci – a foto de Gramsci de «El Gredo del Popolo. ».

Falsificação histórica. Na prisão, Gramsci foi além da sociologia (burguesa e marxista) e do marxismo (incluindo o marxista marxista), e começou a construir uma nova ciência, “a ciência da história e da política”, que explica – entre outras coisas – a “crise orgânica”. da época a conversa. A civilização que estamos testemunhando hoje está morrendo.

Em 1978, a editora de Di Donato publicou Sociologia e marxismo na crítica de Gramsci, que escrevi em parceria com Luis Razeto, sociólogo chileno conhecido mundialmente como o primeiro e maior autor de Economia Solidária. Desde 2009, enriquecido e atualizado, o publicamos na Amazon – com o título “Trânsito”. Da crítica ao marxismo e à sociologia à proposta da ciência da história e da política.

READ  Paula, a bandeira entra em campo com Sardegna Ricerche: a nova fronteira do esporte

Ah, esqueci: “Cadernos do cárcere” e “Cartas do cárcere” ainda hoje trazem na folha de rosto um autorretrato de Gramsci gritando com as pessoas, não o retrato do mundo feito por Gramsci.